A cidade como a grande personagem no romance Mariana (1932)

  • Tatiana Gonçalves Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Mariana, Romance, Memória, Augusto de Lima Júnior

Resumo

O romance Mariana (1932) apresenta em seu enredo um momento singular da memória da cidade mineira que dá título ao livro. Seu autor é Augusto de Lima Júnior, escritor que desenvolveu uma considerável produção intelectual sobre Minas Gerais no decorrer do século XX. Sua obra literária, contudo, que muito versa sobre algumas memórias e paisagens mineiras, é atualmente pouco conhecida e carece de estudos. Neste artigo, a partir do conceito de “lugares de memória” de Pierre Nora (1993), busca-se apresentar como a dimensão da memória se configura em Mariana. E, por meio das categorias narrativas de núcleo e catálise (BARTHES, 2001), propõe-se discutir como o autor parece invertê-las no romance, ao apresentar uma minuciosa descrição da cidade em detrimento da trama central, o que parece ser uma estratégia empreendida para revelar a grande personagem do romance: a própria cidade, suas paisagens, costumes e memórias.

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BARTHES, Roland. “Introdução à análise estrutural da narrativa”. In.: A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_____. “O efeito de real”. In.: O rumor da língua. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

BENJAMIN, Walter. “A imagem de Proust”. In.: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FERREIRA, Camila K. R. A polêmica como patrimônio: Augusto de Lima Júnior e a Revista de História e Arte nos embates da política patrimonial (1930-1966). 2014. 215 f. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2017.

FONSECA, Cláudia. Damasceno. “O espaço urbano de Mariana: sua formação e suas representações”. In: TERMO de Mariana: história e documentação. Mariana: Imprensa Universitária da UFOP, 1998.

JORNAL do Commercio, Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 1932, p. 3.

LIMA, Luís Augusto de. “Augusto de Lima Júnior e sua coleção de gravuras de Nossa Senhora”. In: LIMA JÚNIOR, Augusto. História de Nossa Senhora em Minas Gerais. Origens das principais invocações. Belo Horizonte: Autêntica Editora; Editora PUC Minas, 2008.

LIMA JÚNIOR, Augusto de. Quando os Ipês florescem. Edição do autor. 1965.

_____. Mariana. 2ª edição. Belo Horizonte: Edição do autor, 1966.

_____. Canções do Tempo Antigo. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1966.

MACIEL, Sheila Dias. “Sobre a tradição da escrita de memórias no Brasil.” In.: Letras de hoje. Porto Alegre, v. 48, n. 4, p. 551-558, out./dez. 2013.

MORETTI, Franco. “O romance: história e teoria”. In: Novos Estudos, n 85. Novembro de 2009. p. 205.

NORA, Pierre. “Entre memória e história: a problemática dos lugares.” Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, n.10. São Paulo, dez .1993.

RANCIÈRE, Jacques. “O fio perdido do romance”. In: O fio perdido: ensaios sobre a ficção moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2017.
Publicado
2021-07-13