A dona da casa poética de Adélia Prado

  • Juliana Telles de Sant'Anna Monte-Mor Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Adélia Prado; Poesia; Casa; Cotidiano.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo adentrar um dos espaços mais recorrentes na obra poética de Adélia Prado, a casa, e verificar quem fala de dentro desse templo lírico. Utilizando poemas fundamentais a respeito do enfoque proposto, o objetivo é reconhecer o valor desse microcosmo que abarca o vasto mundo, descobrindo o júbilo nas miudezas do cotidiano.

Referências

ARAÚJO, Emanuel. “A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia”. In: ______. DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANEZI, Carla (Coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2004, p. 37-65.

ARRIGUCCI JÚNIOR, Davi. Enigma e comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Seleção de textos de José Américo Motta Pessanha. Traduções de Joaquim José Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BORDIEU, Pierre. “A casa kabyle ou o mundo às avessas”. Tradução de Claude G. Papavero. Cadernos de campo, São Paulo, v. 8, n. 8, p. 147-159, 1º sem., 1999.

BORDIN, Luigi. “Entre política e mística: a filosofia religiosa e a raiz judaica de Simone Weil”. In: ______. BINGEMER, Maria Clara Lucchetti; YUNES, Eliana (Orgs.). Mulheres de palavra. São Paulo: Edições Loyola, 2003, p. 185-202.

CAMPOS, Gisela. “O brilho que a razão não devassa: ‘Bliss’ e a experiência mística na prosa de Adélia Prado”. In: ______. BINGEMER, Maria Clara Lucchetti; YUNES, Eliana (Orgs.). Mulheres de palavra. São Paulo: Edições Loyola, 2003, p. 85-92.

DEL PRIORE, Mary. Histórias e conversas de mulher. 1ª ed. São Paulo: Planeta, 2013.

DICIONÁRIO de nomes próprios. Disponível em: https://www.dicionariodenomesproprios.com.br. Acesso em: 23 jan. 2021.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução de Aline Sodré et aliae. São Paulo: Elefante, 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

ISMÉRIO, Clarice. “Construções e representações do universo feminino (1920-1945)”. Historiæ, Rio Grande, v. 3, n. 2, p. 163-183, 2012.

LIMA, Vera Souza. “A poeta desdobrável”. In: ______. BINGEMER, Maria Clara Lucchetti; YUNES, Eliana (Orgs.). Mulheres de palavra. São Paulo: Edições Loyola, 2003, p. 103-110.

LIPOVETSKY, Gilles. A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. Tradução de Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LOURO, Guaciara Lopes. “Mulheres na sala de aula”. In: ______. DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANEZI, Carla (Coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2004, p. 371-403.

OLIVEIRA, Cleide Maria de. “Em roda de mim: ficções do eu e memorialismo poético em Adélia Prado”. Todas as letras, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 83-94, nov. 2014.

PAZ, Octavio. “Poesia de solidão e poesia de comunhão”. In: ______. A busca do presente e outros ensaios. Organização e tradução de Eduardo Jardim. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017, p. 11-37.

PRADO, Adélia. Poesia reunida. 1ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

PRAVAZ, Susana. Três estilos de mulher: a doméstica, a sensual, a combativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

QUEIROZ, Vera. O vazio e o pleno: a poesia de Adélia Prado. Goiânia: Ed. da UFG, 1994.

RYBCZYNSKI, Witold. Casa: pequena história de uma ideia. Tradução de Betina von Staa. Rio de Janeiro: Record, 2002.

SALOMÃO, Margarida. “Prefácio”. [S.l.] 2014. Disponível em: http://apoesiadeadeliaprado.blogspot.com/2014/05/bagagem-1a-edicao-ii.html. Acesso em: 23 jan. 2021.

TUAN, Yi-fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de DIFEL. São Paulo: Difusão Editorial S.A., 1980.

XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record, Rosa dos Tempos, 1998.
Publicado
2021-07-13