Astúcias de Penélope

Sergio Buarque lê Claudio

  • Emilio Maciel
Palavras-chave: Leitura; memória cultural; temporalidade.

Resumo

 

Reflexão sobre os limites e possibilidades de uma abordagem radicalmente historicista do passado literário, este artigo discute a impressionante análise de um soneto de Cláudio Manuel por Sérgio Buarque de Holanda, tomando por eixo as tensões entre de um lado, o compromisso de fazer jus ao horizonte de expectativas do período e, de outro, a dificuldade de estabelecer uma moldura final apta a abarcar a densa rede de alusões espreitando o poema. Explorar as implicações retóricas e teóricas desses e outros impasses é o que nos propomos a fazer no presente artigo.

 

 

 

 

 

                          

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 1987.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.
CURTIUS, Ernst Robert. Literatura europeia e idade média latina. São Paulo: Edusp, 1997.
HOLANDA. Sérgio Buarque de. Capítulos de Literatura Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1991.
_______. O espírito e a letra I. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
_______. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
_______. Visão do Paraíso. São Paulo: Brasiliense, 2000.
LONGINO. Do sublime. São Paulo. Martins Fontes: 1996.
HANSEN, João Adolfo. Agudezas seiscentistas e outros ensaios. São Paulo: Edusp, 2019.
SKINNER, Quentin. Razão e retórica na filosofia de Hobbes. São Paulo: Ed. UNESP, 1997.
Publicado
2021-07-13