Fruição livre no ensino literário: adequações e contradições educacionais na BNCC

Palavras-chave: Ócio literário; Fruição livre; Ensino; BNCC.

Resumo

Neste artigo buscamos refletir o ócio literário em sala de aula, tendo como base a fruição literária em séries finais do Ensino Fundamental II. A partir desse tema, objetivamos a possibilidade da livre fruição literária, por meio da “Leitura Compartilhada”, tentaremos especificar as potencialidades que o alunado possui para a contribuição do trato literário em ambiente escolar. Nossa escrita é bibliográfica e visamos estudos de pensadores que colaboram para a estruturação do pensamento epistemológico da área de ensino de literatura (COSSON 2010), (DURÃO, 2017), (LARROSA, 1999), (SUTTANA, 2013), entre outros. Portanto, delinearemos a abertura do ensino literário à fruição livre do alunado, observando as adequações literárias e contradições construídas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 

Referências

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curicular. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 23 de jul. de 2020.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. 4. ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Duas Cidades/Ouro sobre azul, 2004, p. 169-191.

CHARTIER, Roger. Inscrever e apagar: cultura escrita e literatura, séculos XI-XVIII. Tradução: Lusmara Curcino Ferreira. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

COSSON, Rildo. A prática da leitura literária na escola: mediação ou ensino?. Nuances: estudos sobre Educação, v. 26, n. 3, p. 161-173, 2015.

________. Letramento literário: teoria e prática. Editora Contexto, 2010.

DA GLÓRIA BORDINI, Maria; DE AGUIAR, Vera Teixeira. Literatura: a formação do leitor; alternativas metodológicas. Mercado Aberto, 1988.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia Empírica do Lazer. Trad.: Sílvia Mazza e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2008.

DURÃO, Fabio. Da intransitividade do ensino de literatura. Matraga-Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 24, n. 40, 2017.

ELIAS, José. Literatura infantil: ler, contar e encantar crianças. Porto Alegre: Mediação, 2017.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2020.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In: Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 183-198.

SOARES, Magda. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: EVANGELISTA, Aracy Alves Martins; BRANDÃO, Heliana Maria Brina; MACHADO, Maria Zélia Versiani (organizadores). Escolarização da leitura literária. 2ª ed., 3ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SUTTANA, Renato. Um problema de formação: reflexões sobre literatura, leitura e ensino. Leitura: Teoria & Prática, v. 29, n. 57, p. 66-77, 2011.

TODOROV, Tzvetan. A leitura como construção. In: Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

VEBLEN, Thorstein. A Teoria da Classe Ociosa: um estudo econômico das instituições. Trad.: Olívia Krähenbül. Ed.: Nova Cultural, 1988.

WAGNER, Roy. Símbolos que representam a si mesmos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.
Publicado
2021-12-29