As gravadoras brasileiras voltadas ao gênero da dance music na década de 1990

  • Johan van Haandel Universidade de Aveiro
Palavras-chave: Indústria fonográfica brasileira, Mapeamento de gravadoras, Dance music

Resumo

Durante a década de 1990 havia no mercado do disco brasileiro gravadoras de pequeno e médio porte dedicadas ao gênero da dance music, que tinham forte apelo entre os jovens e que tinha como principal produto a coletânea de sucessos internacionais deste gênero musical, muitas vezes ligada a uma emissora de rádio, um programa de televisão ou uma casa noturna. O presente trabalho tem como objetivo investigar cinco gravadoras de pequeno ou médio porte brasileiras que tiveram como principal produto a dance music neste período. As gravadoras analisadas são Stiletto, Spotlight Records, Paradoxx Music, Fieldzz Discos e Building Records.

Biografia do Autor

Johan van Haandel, Universidade de Aveiro
Doutor em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais, pela Universidade de Aveiro e pela Universidade do Porto. Também é bacharel em Arte e Mídia pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, e mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC - SP). Trabalha no Centro Universitário FIAM - FAAM de São Paulo do Complexo Educacional FMU, onde já tinha lecionado entre 2009 e 2011. Também trabalhou na Universidade São Judas Tadeu em 2010. Foi radialista, com passagem pela Correio FM (98,1) de Campina Grande.

Referências

CAVALCANTI, A. Por que o dance bombou tão rápido quanto entrou em decadência no Brasil? Tab. UOL, São Paulo. 09 Mai. 2019. Disponível em https://tab.uol.com.br/noticias/redacao/2019/05/09/por-que-a-musica-eletronica-bomboutao-rapido-quanto-desapareceu-no-brasil.htm

DE MARCHI, L. G. M. Discutindo o papel da produção independente brasileira no mercado fonográfico em rede. In: HERSCHMANN, M. Nas bordas e fora do mainstream musical. Novas tendências da música independente no início do século XXI. São Paulo: Estação das Letras e Cores; FAPERJ, 2011a. P.145-163

____________________. Transformações estruturais da indústria fonográfica no Brasil 1999-2009: Desestruturação do mercado de discos, novas mediações do comércio de fonogramas digitais e consequências para a diversidade cultural no mercado de música. Rio de Janeiro, 2011b, 289p. Tese. (Doutorado em Comunicação) Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.pos.eco.ufrj.br/site/download.php?arquivo=upload/tese_ldemarchi_2011.zip

DIAS, M. T. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.

DJ IRAÍ CAMPOS. Who I am. Disponível em https://www.djiraicampos.com.br/whoiam

FINATTI, H. O som da Stiletto ataca no mercado visual. Caderno 2. O Estado de São Paulo, São Paulo. 29 Set. 1988.

KISCHINHEVSKY, M. O rádio e a música independente no Brasil. In: In: HERSCHMANN, M. Nas bordas e fora do mainstream musical. Novas tendências da música independente no início do século XXI. São Paulo: Estação das Letras e Cores; FAPERJ, 2011. P.165-185

LIMA, M. M. A. B. As majors da música e o mercado fonográfico nacional. Campinas, 2009, 268p. Tese. (Doutorado em sociologia) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas. Disponível em http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/280857/1/Lima_MarianaMont%27AlverneBarreto_D.pdf

NAGGAR, D. The music business (explained in plain English). What every artist and songwriter should kow to avoid getting ripped off! 4ª Ed. São Francisco: DaJé Publishing, 2013

NOPEM. Os 50 Mais Vendidos (LP, CS e CD), 1965 a 1999. Rio de Janeiro: NOPEM, 2000.

PLASSE, M. Balanço para demolir o tédio. Caderno 2. O Estado de São Paulo. 11 Jul. 1989.

__________. Dance music não é mais diva nas pistas. Caderno 2. O Estado de São Paulo. 24 Mai. 1992.

__________. Selo independente é acusado de pirataria. Folha de São Paulo, São Paulo. 13 Jul. 1994. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/7/13/ilustrada/5.html

RICCO, F. Nova novela do SBT terá Maria Bethânia, Paralamas e Cyndi Lauper na trilha. UOL TV e famosos. 07 Nov. 2010. Disponível em https://televisao.uol.com.br/colunas/flavio-ricco/2010/11/07/nova-novela-do-sbt-tera-maria-bethania-paralamas-e-cyndi-lauper-na-trilha.htm

SANCHES, P. A. Indústria fonográfica reclama da pirataria e prevê extinção do mercado. Folha de São Paulo, São Paulo. 25 Jul. 2001. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u15826.shtml?loggedpaywall#_=_

SANTOS-DUISENBERG, E. Economia criativa: uma opção para o desenvolvimento viável. In: REIS, A. C. F. (Org.). Uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2008. p.52-73

SHUKER, R. Popular music: The key concepts. 4ª Ed. Londres; Nova York: Routledge, 2017

TOLEDO, H. M. S. T. Som Livre: As trilhas sonoras das telenovelas e o processo de difusão da música. Araraquara, 2010, 362p. Tese. (Doutorado em sociologia) Faculdade de ciências e letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/106230/toledo_hms_dr_arafcl.pdf?sequence=1&isAllowed=y

VICENTE, E. A questão dos suportes na Indústria Musical: concentração, substituição, desmaterialização. In: FERRARETTO, L. A.; KLÖCKNER, L. (Org.) E o rádio?: novos horizontes midiáticos. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010. P.632-646. Disponível em http://www.pucrs.br/edipucrs/eoradio.pdf

___________. Da vitrola ao iPod: uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

___________. Música e disco no Brasil: A trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. São Paulo, 2002, 335p. Tese. (Doutorado em Comunicações) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. Disponível em http://www.abpd.org.br/wp-content/uploads/2015/01/doutoradoEduVicente.pdf
Publicado
2022-01-14
Seção
Artigos