QUALIDADE DA ÁGUA E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE DOIS SETORES DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO- MG

  • Vera Lúcia De Miranda Guarda Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto
  • Jacqueline Coelho Augusto da Silva Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto
  • Carolina Coelho Augusto da Silva Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto

Resumo

A visão de “Gênero” refere-se aos diferentes papéis, direitos e responsabilidades de mulheres e homens e as relações entre eles. As mulheres desempenham o mais importante papel dentro da gestão da água em suas residências e podem contribuir para melhoria da qualidade de vida, da saúde e da promoção da cidadania.  O município de Ouro Preto possui uma estação de tratamento de água e grande parte da população recebe apenas água clorada cuja qualidade não é monitorada. O objetivo do trabalho foi verificar a gestão da água pelas donas de casa em dois setores de Ouro Preto, Setor A e Setor B, com população sócio - econômica heterogênea.  Foram realizadas avaliação da qualidade físico-química e bacteriológica da água nas residências amostradas e avaliação do perfil sócio-econômico nas residências sorteadas, através de questionário próprio e da avaliação da ficha A da Secretaria da Saúde de Ouro Preto.  Nas amostras coletadas nos dois setores não foram encontradas bactérias coliformes termotolerantes; os coliformes totais apareceram em 13,21% das amostras do setor A e 4,18% no setor B. O pH da água apresentou variações no setor A (10% pH de 4 a5,  55% pH 6,8 e 35% pH de 7,2 a7,8), no setor B todas as amostras apresentaram pH 6,8. A concentração de cloro residual nas amostras analisadas, em ambos os setores, se encontraram em torno de 0,5mg/L de Cl2. A frequência de falta de água para o setor A, foi de 53% semanalmente e 10% mensal, enquanto no setor B, a falta de água se resume em apenas 6% mensal. Tanto no setor A quanto no setor B, 94% das pessoas bebem água filtrada, porém no setor A 6% não bebem água filtrada e no setor B 6% bebem água mineral. A maioria das caixas d’águas se apresentou tampada adequadamente. Em ambos os setores, a renda familiar apresentou-se entre 1 e 2 salários mínimos. No setor A, a maioria dos entrevistados apresentou o grau de escolaridade ensino fundamental incompleto. Enquanto no setor B, o grau de escolaridade era bem superior, atingido o nível de pós-graduação. Os resultados mostraram que é necessário um programa de monitoramento da água pela secretaria de abastecimento de água de Ouro Preto: não há controle físico químico e microbiológico no sistema de abastecimento de água nos dois setores.

Referências

AGUILA, P. S.; ROQUE, O.C.C.; SILVA, C.A.; FERREIRA, A.P. Avaliação da qualidade de água para abastecimento público do Município de Nova Iguaçu. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.16, n.3, jul./set., 2000.

APHA- American Public Health Assocition. Standard methods for the examination of water and wastewate. 20. ed. Washington, 1998.

BARCELLOS, CM; ROCHA M, RODRIGUES, LS; COSTACC; OLIVEIRA PR; SILVA, IJ; JESUS, EFM; ROLIM RG. Avaliação da qualidade da água e percepção higiênico-sanitária na área rural de Lavras, Minas Gerais, Brasil, 1999-2000. Cad.Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(9):1967-1978, set, 2006.

BRASIL. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico, 2000. Rio de Janeiro, 2001.

CAMPOS, J. A. D. B.; FARACHE FILHO, A.; FARIA J. B. Qualidade sanitária da água distribuída para consumo humano pelo sistema de abastecimento público da cidade de Araraquara, SP. Rev. Alim. Nutr., v. 13, p. 117-129, 2002.

EZEONU, F. C.; OKAKA, A. Seasonal profile of nitrate and nitrite in potable water sorces in Onitsha, Nigéria. Environmental Toxicology and Water Quality. v.11 n. 2, p. 99-103. may, 1996.

FREITAS MB, BRILHANTE OM, ALMEIDA LM. A importância da análise de água para saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(3):651-660, mai-jun, 2001.

GENDER, WATER AND SANITATION: A POLICY BRIEF. Disponível em: <http://www.unwater.org/downloads/unwpolbrief230606.pdf>, 2006. Acesso em: 11 setembro 2017.

IRC, 2003 - International Water and Sanitization Center - disponível em: http://www2.irc.nl/page.php/247 Acesso em 22/09/2008.

OURO PRETO (Município). Relatório sobre o município. Secretaria Municipal de Saúde/ PMOP, 1992.

PACKHAM, R. F. Drinking water quality and health. In: HARRISON, Roy M. (Ed.). Pollution: causes, effects and control. 3nd ed. Cambriedge: The Royal Socity of Chemistry, 1996. cap. 3, p. 52-65.

RADIS: tema: cidades saudáveis. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, n. 19, maio/2000. 32 p.

SILVA RCA & ARAÚJO TM. Consumo humano de água de manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana- BA. Revista Baiana de Saúde Pública, v29 n2 p, 326-338, jul/dez. 2005.

SILVA, A. P. Alguns parâmetros de interesse e sua determinação por métodos rápidos informativos - Síntese MERCK- Análises de Águas. 1984, [Dissertação] – Academia de Minas de Freiberg, Alemanha, Freiberg. p. 3-7.

SILVA, RCA & ARAÚJO TM, Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Ciência & Saúde Coletiva 8(4): 1019-1028, 2003.

XAVIER, C. Fórum Mundial alerta: Vai faltar água potável em 2025. Rev. RADIS, Comunicação em Saúde. FIOCRUZ, n. 9, p. 17; maio, 2003.

Publicado
2020-02-27
Seção
Artigos