Uso da vitamina C como estratégia para o estudo do equilíbrio químico

  • Ângela Leão Andrade Universidade Federal de Ouro Preto
  • Leidelaine Sérgio Peruce
  • Letícia Perucci de Lima
  • Thamires Lana e Silva
  • Viviane Martins Rebello dos Santos
Palavras-chave: vitamina C, aprendizagem, equilíbrio químico.

Resumo

O aprendizado científico deve partir do conhecimento cotidiano, passando do conhecimento abstrato a concreto. Assim, este saber que a pessoa constrói no dia a dia, pela observação e por informações diversas, é o ponto de partida para a ação pedagógica. Nesse contexto, o envolvimento dos estudantes em atividades centradas na compreensão de fatos diários é de grande valia. Esse trabalho discute a participação de bolsistas do Ensino Médio, selecionadas para ensinarem a estudantes de uma série anterior, no processo de aprendizado do equilíbrio químico, associando-o ao entendimento de alguns fatores que levam à decomposição da vitamina C. As bolsistas tentaram ajudar os estudantes a refletirem e fazerem associações de um conhecimento do senso comum com a química, em uma tentativa de ajudá-los no processo de construção do conhecimento. No término do projeto foi verificado que todos (as bolsistas e os estudantes do Ensino Médio) aprenderam e gostaram da experiência.

Referências

ALVARENGA, Meiry Edivirges; GAMA, Bruno Elias P. Nogueira da; TRAVAIN, Silmar Antônio; OLIVEIRA, Sheila Rodrigues; ANDRADE, Ângela Leão; DAMASCENA, Kênia Basto; SANTOS, Viviane Martins Rebello dos. A química orgânica e o meio ambiente no ensino médio: reação de saponificação com óleos residuais. ALEMUR: v. 1, n. 4, p. 73-85, 2019.

ARRUDA, Sérgio de Mello; LABURÚ, Carlos Eduardo. Considerações sobre a função do experimento no ensino de ciências. In: Pesquisas em ensino de ciências e matemática. Série: Ciências & Educação, n. 3, Bauru, São Paulo, p. 14-24, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Ciência da natureza, matemática e suas tecnologias, 1998. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf> Acesso em nov. 2008.

GALIAZZI, Maria do Carmo; ROCHA, Jusseli Maria de Barros; SCHMITZ, Luiz Carlos; SOUZA, Moacir Langoni de; GIESTA, Sérgio; GONÇALVES, Fábio Peres. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Cienc Educ, v. 7, n. 2, p. p.249-263, 2001.

HODSON, Derek. Experimentos em Ciências e Ensino de Ciências. Educ Philos Theory, v. 18, n. 53, p. 53-66, 1988.

HODSON, Derek. Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Ensen Cienc, v. 12, n. 3, p. 299-313, 1994.

HODSON, Derek. Pratical works in school science: exploring some directions for change. Sci Educ, v. 18, n. 7, p. 755-760, 1996.

LABURÚ, Carlos Eduardo; BARROS, Marcelo Alves e KANBACH, Bruno G. A relação com o saber profissional do professor de física e o fracasso da implementação de atividades experimentais no ensino médio. Invest Ensino Cienc, v. 12, n. 3, p. 305-320, 2007.

LAVONEN, Jari; JAUHIAINEN, Johanna; KOPONEN, Ismo T. e KURKI-SUONIO, Kaarle. Effect of a long-term in-service training program on teachers’ beliefs about the role of experiments in physics education. Int J Sci Educ, v. 26, n. 3, p. 309-328, 2004.

MACHADO, Andrea Horta e ARAGÃO, Rosália Maria Ribeiro de. Como os estudantes concebem o estado de equilíbrio químico. Quim Nova Esc. v. 4, p. 18-20, 1996.

MASKILL, Roger e CACHAPUZ, Antonio F.C. Learning about chemistry topic of equilibrium, the use of word association tests to detect development conceptualizations. Int J Sci Educ, v. 11, p. 57-59, 1989.

PERUCE, Leidelaine Sérgio; LIMA, Letícia Perucci de; SILVA, Thamires Lana; ALVES, Kerley dos Santos; ALMEIDA, Sheila Alves; ALMEIDA, Maria Alzira Diniz; ANDRADE, Ângela Leão. Dialogia no ensino de química: reflexões de uma experiência. Exper Ensino Cienc, v. 12, n. 8, p.215-226, 2017.

PESSOA, Oswaldo Frota; GEVERTZ, Rachel e SILVA, Ayrton G. Como ensinar ciências. 5. ed. v. 104, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985.

QUÍLEZ-PARDO, Juan e SOLAZ-PORTOLES, Joan Josep. Students and teachers misapplication of the Le Chateliers principle. Implications for the teaching of chemical equilibrium. J Res Sci Teach, v. 33, p. 939-957, 1995.

SÉRÉ, MARIE-GENEVIÈVE. La enseñanza en el laboratorio. Qué podemos aprender en términos de conocimento práctico y de actitudes hacia la ciencia? Ensen Cienc, v. 20, n. 3, p. 357-365, 2002.

SOUZA, Vinícius Catão de Assis; JUSTI, Rosária. Interlocuções possíveis entre linguagem e apropriação

de conceitos científicos na perspectiva de uma estratégia de modelagem para a energia envolvida nas transformações químicas. Rev. Ensaio, v. 13, n. 2, p.31-46, 2011.

ZANON, Lenir Basso e SILVA, Lenice Heloísa de Arruda. A experimentação no ensino de ciências. In: SCHNETZLER, R.P. e ARAGÃO, R.M.R. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas: Capes; Unimep, 2000. p. 120-153.

WILSON, Audrey H. Equilibrium: A teaching/ learning activity. J Chem Educ, v. 75, p. 1176-1177, 1998.

ZUANON, Átima Clemente Alves e DINIZ, Renato Eugênio da Silva. O ensino de biologia e a participação dos alunos em ‘atividades de docência’. In: NARDI, R.; BASTOS, F. e DINIZ, R.E. da S. (Orgs.). Pesquisa em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores. São Paulo: Escrituras, 2004.

Publicado
2020-07-19
Seção
Artigos