Cultichá – vínculo e práticas integrativas no cuidado de adultos e idosos em Ouro Preto – MG

  • Mariana Codevilla Santana de Moura Universidade Federal de Ouro Preto
  • Amanda Miranda Matos Teixeira
  • Gabriela Ferreira Nunes
  • Maiza Marilac Nunes
  • Melissa Isaac Milagres
  • Marcelo Silveira Boseja
  • Vitor Hugo Costa Oliveira
  • Aisllan Diego de Assis
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Redes Comunitárias, Integralidade em Saúde, Plantas Medicinais, Educação em Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

No bairro Santa Cruz, Ouro Preto-MG, há um aumento na população adulta e idosa, o que coincide com a mudança demográfica nacional, assim como o uso excessivo de medicamentos nessa população. Os idosos, especialmente, são suscetíveis à quebra de vínculos e solidão devido ao isolamento social. Como alternativa, criou-se o projeto “CultiChá”, realizado por estudantes de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com objetivo de (re)estabelecer os vínculos afetivos e comunitários entre usuários e equipe da Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro, por meio de rodas de conversa, plantio de ervas e preparo de chás medicinais. Nas rodas do “CultiChá” estudantes, profissionais e usuários realizaram preparo e consumo dos chás debatendo o uso e benefícios das plantas medicinais. Foram 4 rodas que acolheram 67 participações e produziram 17 vasos artesanais com 33 plantas medicinais, estando disponíveis à comunidade. As atividades do projeto foram capazes de promover vínculo entre os participantes, que puderam compartilhar alternativas naturais e de baixo custo para promoção da saúde e do bem-estar. O “CultiChá” propiciou experiência de ensino, aprendizado e cuidado, ressaltando o potencial e necessidade das práticas grupais e integrativas no cuidado à saúde.

Referências

AFONSO, M. L.; ABADE, F. L. Para reinventar as rodas: rodas de conversa em direitos humanos. Belo Horizonte: RECIMAM, 2008. Disponível em: https://ufsj.edu.br/portal-repositorio/File/lapip/PARA_REINVENTAR_AS_RODAS.pdf. Acesso em: 24 mai. 2020.
ALMEIDA, Maria Zélia de. Plantas Medicinais. Salvador: EDUFBA. Salvador: EDUFBA, 2011. E-book. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/xf7vy/pdf/almeida-9788523212162.pdf. Acesso em 23 mai. 2020.
ASSIS, Aisllan. D. de. Devir-tutor: cuidado e vínculo na formação em saúde mental. Cadernos do Cuidado, v. 2, n. 2, p. 28-37, 2018. Disponível em: https://editora.observatoriodocuidado.org/index.php/CC/article/view/62. Acesso em: 24 mai. 2020.
BARBOSA, Maria Idalice Silva; BOSI, Maria Lúcia Magalhães. Vínculo: um conceito problemático no campo da Saúde Coletiva. Physis, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 1003-1022, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000400008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312017000401003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 mai. 2020.
BARRETO, Alexandre Franca. Praticas Integrativas e Complementares como ética da sensibilidade no cuidado humano. Journal of Management & Primary Health Care (JMPHC), v. 8, n. 2, p. 181-202, 2018. Disponível em http://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/525/569. Acesso em: 15 mai. 2020.
BENGTSON, Vern L, et al. Theory, Explanation, and a Third Generation of Theoretical Development in Social Gerontology. The Journals of Gerontology: Social Sciences, v.52B, n.2, p. S72-S88, 1997. DOI: https://doi.org/10.1093/geronb/52B.2.S72. Disponível em: https://academic.oup.com/psychsocgerontology/article/52B/2/S72/564621. Acesso em: 25 mai. 2020.
BEZERRA, Mariane do Carmo Calvalcante et al. Atividade Antioxidante de chá e geleia de Hibiscus sabdariffa L. malvaceae do comércio varejista de Campo Mourão – RJ. Revista Iniciare, v.2, n.1, p. 82-96, 2017. Disponível em: http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/iniciare/article/view/2454. Acesso em: 24 mai. 2020.
BRASIL, MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, SECRETARIA GERAL. Resolução CIPLAN nº 8, de 8 de março de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, v. 126, n. 48, p. 3.999-4.000, 11 mar. Seção I, 1988. Disponível em: http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=6213. Acesso em: 18 mai. 2020.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE, SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE, DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS-PNPIC-SUS: atitude de ampliação de acesso, Brasília: MS, p. 18-21, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf. Acesso em: 28 nov. 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 de setembro de 2017. p. 68. Seção 1.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 de março de 2018. p. 74. Seção 1.
CACIOPPO, John T. HAWKLEY, Louise C. NORMAN, Greg J. BERNTSON, Gary G. Social isolation. Annals of the New York Academy of Sciences, v. 1232, p. 15-22, 2011. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1749-6632.2011.06028.x. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21651565. Acesso em: 15 mai. 2020.
CACIOPPO, John T. HAWKLEY, Louise C. Perceived social isolation and cognition. Trends in Cognitive Sciences, v. 13, n. 10 p. 447-454, 2009. DOI: 10.1016/j.tics.2009.06.005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19726219. Acesso em: 15 mai. 2020.
CACIOPPO, John T.; CACIOPPO, Stephanie. Social relationships and health: The toxic effects of perceived social isolation. Social and personality psychology compass, v. 8, n. 2, p. 58-72, 2014. DOI: 10.1111/spc3.12087. Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/spc3.12087. Acesso em: 25 mai. 2019.
CARMONA, Cecília Fernandes; COUTO, Vilma Valéria Dias; SCORSOLINI-COMIN, Fabio. A EXPERIÊNCIA DE SOLIDÃO E A REDE DE APOIO SOCIAL DE IDOSAS. Psicologia em estudo, Maringá, v. 19, n. 4, p. 681-691, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-73722395510. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722014000400681&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 mai. 2020.
CARVALHO, Mariana Albernaz Pinheiro de et al. Contribuições da terapia comunitária integrativa para usuários dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): do isolamento à sociabilidade libertadora. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 10, p. 2028-2038, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00000913. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013001000019&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 mai. 2020.
CONRAD, Peter. The Shifting Engines of Medicalization. Journal of health and social behavior, v. 46, n.1, p. 3-14, 2005. DOI: 10.1177/002214650504600102. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15869117. Acesso em: 15 mai. 2020.
DE MAGALHÃES, Mariana Gonzalez Martins; ALVIM, Neide Aparecida Titonelli. Práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem: um enfoque ético. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 646-653, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20130007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452013000400646&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 mai. 2020.
DUNBAR, Robin I. M. SHULTZ, Susanne. Evolution in the social brain. Science, v. 317, p. 1344-1327, 2007. DOI: 10.1126/science.1145463. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17823343. Acesso em: 15 mai. 2020.
DUNBAR, Robin I. M. The social brain: Mind, language, and society in evolutionary perspective. Annual Review of Anthropology, v. 32, n. 1, p. 163-181, 2003. DOI: 10.1146/annurev.anthro.32.061002.093158 Disponível em: https://marom.net.technion.ac.il/files/2016/07/Dunbar-2003.pdf. Acesso em: 15 mai. 2020.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários. São Paulo: Paz e Terra, 2003.
FREITAS Fernando; AMARANTE, Paulo. Medicalização em Psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015.
GRANDESSO, M. Terapia comunitária: uma prática pós-moderna crítica: considerações teórico-metodológicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000135&pid=S0102-3772201000050000800026&lng=en. Acesso em: 17 mai. 2020.
HAWKLEY, Louise C.; CACIOPPO, John T. Loneliness matters: a theoretical and empirical review of consequences and mechanisms. Annals of Behavioral Medicine, v.40, n.2, p. 218-227, 2010. DOI: 10.1007/s12160-010-9210-8. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3874845/. Acesso em: 15 mai 2020.
ILLICH, I. A expropriação da saúde: nêmesis da medicina. São Paulo: Nova Fronteira, 1975.
LANE, Silvia. O processo grupal. In: LANE, Silvia T.M; CODO, Wanderley (Org). Psicologia Social – O homem em movimento. 8ª Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.
LIMA, Karla Morais Seabra Vieira; SILVA, Kênia Lara; TESSER, Charles Dalcanale. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface, Botucatu, v. 18, n. 49, p. 261-272, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0133. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000200261&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 mai. 2020.
LUZ. M. T. As instituições médicas no Brasil. Porto Alegre: Editora rede Unida, 2014.
MAIA, Eduardo. Chás medicinais: Guia com 65 espécies de Plantas Medicinais aprovadas pela ANVISA. 1. ed. Maringá:Essência Raiz, 2018. Disponível em: https://www.essenciaraiz.com.br/. Acesso em: 17 mai. 2020.
MELLO, Donizeti Aparecido; et al. Citronela: Um repelente natural ao combate do mosquito transmissor da dengue. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO, 11°, 2019, Ourinhos-SP. Anais Sintagro. Ourinhos-SP: 2019, p. 133-137. Disponível em: https://www.fatecourinhos.edu.br/anais_sintagro/index.php/anais_sintagro/article/view/108. Acesso em 24 mai. 2020.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social; teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.
MOREIRA, Thais de Abreu et al. Uso de medicamentos por adultos na atenção primária: inquérito em serviços de saúde de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.23, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200025. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2020000100424&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 mai 2020.
MOURA, Adriana Borges Ferro; LIMA, Maria da Glória Soares Barbosa. A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educação, v. 5, n. 15, p. 24-35, 2015. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/448/414 Acesso: 17 mai. 2020.
NASCIMENTO, Maria Valquíria Nogueira do; OLIVEIRA, Isabel Fernandes de. As práticas integrativas e complementares grupais e sua inserção nos serviços de saúde da atenção básica. Estudos de psicologia, Natal, v. 21, n. 3, p. 272-281, 2016. DOI: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160026. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2016000300272&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 mai. 2020.
PINHEIRO GARCIA, A. C.; ANDRADE, M. A.; CONTARATO, P.; TRISTÃO, F.; ROCHA, E. M.; RABELLO, A.; LIMA, R. DE C. Ambiência na Estratégia Saúde da Família. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v. 3, n. 2, p. 36-41, 2015. DOI: https://doi.org/10.3395/2317-269x.00484. Disponível em: https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/484. Acesso em: 24 mai. 2020l.
RIGOTTO, Raquel Maria. Desenvolvimento, ambiente e saúde: implicações da (des)localização industrial. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 2008. 424 p. ISBN 9788575411667.
RODRIGUES, Andréia L. L. COSTA, Carmen L. N. do Amaral. PRATA, Michelle S. BATALHA, Taila B. S. NETO, Irazano de F. P. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais, v. 1, n. 16, p. 141-148, 2013. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/viewFile/494/254%20. Acesso em: 25 de mai. 2020.
RODRIGUES, Ricardo M. Solidão, um fator de risco. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, v. 34, n. 5, p. 334-338, 2018. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182-51732018000500010. Acesso em: 15 mai. 2020.
SHANKAR, Aparna et al. Social Isolation and Loneliness: Prospective Associations with Functional Status in Older Adults. Health Psycology, v.36, n.2, p. 179-187, 2017. DOI: https://doi.org/10.1037/hea0000437. Disponível em: https://repository.lboro.ac.uk/articles/Social_isolation_and_loneliness_prospective_associations_with_functional_status_in_older_adults/9625334. Acesso em: 25 mai 2020.
TAHAN, Jennifer; CARVALHO, Antônio Carlos Duarte de. Reflexões de idosos participantes de grupos de promoção de saúde acerca do envelhecimento e da qualidade de vida. Saúde e Sociedade, v. 19, n. 4, p. 878-888, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902010000400014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000400014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 mai. 2020.
TELESI JUNIOR, Emílio. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. São Paulo: Estudos avançados, v. 30, n. 86, p. 99-112, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000100099&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 mai. 2020.
TESSER, Charles Dalcanale. Medicalização social (I): o excessivo sucesso do epistemicídio moderno na saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 10, p. 61-76, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832006000100005. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/icse/2006.v10n19/61-76/pt/. Acesso em: 28 nov. 2019.
TESSER, Charles Dalcanale. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 10, p. 347-362, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832006000200006. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/icse/2006.v10n20/347-362/pt/. Acesso em: 28 nov. 2019.
TESSER, Charles Dalcanale; BARROS, Nelson Filice de. Medicalização social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 5, p. 914-920, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000500018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000500018&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 mai. 2020.
VASCONCELOS, Ana Maria N. GOMES, Maria M. F. Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiologia e Serviços Saúde, Brasília, v. 21, n. 4, p. 539-548, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000400003. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742012000400003&lng=pt. Acesso em: 15 mai. 2020.
VASCONCELOS, Eymard Mourão de. Educação Popular e a Atenção à Saúde da Família. São Paulo: Editora Hucitec, 2008.
WANG, Donna; CHONODY, Jill. Social Workers’ Attitudes Toward Older Adults: A Review of the Literature, Journal of Social Work Education, v.49, n.1, 150-172, 2013. DOI: 10.1080/10437797.2013.755104.
WARSCHAUER, Cecília. Entre na roda!. Editora: Paz e Terra, 2017.
WARSCHAUER, Cecília. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.
Waterman, Alan S. Service-learning: Applications from research. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Inc. 1997
ZOLA, Irving K. 1972. Medicine as an Institution of Social Control. Sociological review, v. 20, n. 4, p. 487-504. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-954X.1972.tb00220.x. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/2011-18964-001. Acesso em: 15 mai. 2020
Publicado
2021-01-13