A participação das mulheres nos órgãos de controle e gestão das águas no Brasil

  • Lucas Souza Prates Universidade Federal de Ouro Preto.
  • Alexsandra Matilde Resende Rosa
  • Kerley dos Santos Alves
  • Vera Lúcia de Miranda Guarda
Palavras-chave: Espaço social, Espaço simbólico, Gênero, Água, Poder simbólico

Resumo

Todo sistema de relações está inserido em espaços em que há associação direta entre lugar, social e relações de poder. Este artigo tem como objetivo discutir, a partir dos conceitos de espaço social e poder simbólico, a equidade de gênero na gestão da água. Assim, buscaram-se aspectos das atribuições sociais construídas em torno de recortes de classe, raça e gênero, tendo como enfoque o gênero. De forma equitativa, foi realizada a pesquisa de caráter legal, uma vez que existe a competência dos Estados em reduzir discriminações, marginalizações e efetivar os direitos relacionados ao uso e manuseio da água.

Biografia do Autor

Lucas Souza Prates, Universidade Federal de Ouro Preto.
Departamento do Curso de Direito, área Direito Constitucional.

Referências

ABERS, Rebecca Neaera (org.). Água e política: atores, instituições e poder nos organismos colegiados de Bacia Hidrográfica no Brasil. São Paulo, SP: Annablume, 2010.
AGUIAR, Neuma. Patriarcado, sociedade e patrimonialismo. Sociedade e Estado, v. 15, n. 2, p. 303-330, 2000.
AHLERS, Rhodante; ZWARTEVEEN, Margreet. The water question in feminism: water control and gender inequities in a neo-liberal era. Gender, Place and Culture, v. 16, n. 4, p. 409- 426, 2009.
ALVES, Kerley dos Santos. Turismo, trabalho e gênero: uma abordagem interdisciplinar. Ouro Preto. Editora UFOP/ Departamento de Turismo, 2016.
BOURDIEU, Pierre. Espaço físico, espaço social e espaço físico apropriado. Estudos avançados, v. 27, n. 79, p. 133-144, 2013.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil/Lisboa, 1989.
BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-92). Editora Companhia das Letras, 2012.
BROWN, Rebecca. Unequal burden: water privatisation and women's human rights in Tanzania. Gender & Development, v. 18, n. 1, p. 59-67, 2010.
CAMPOS, Sergio. Água: uma coisa de mulheres? IDEAÇÃO: Inovação em gestão pública, 20 de out., 2016. Disponível em: https://blogs.iadb.org/ideacao/2016/10/20/3305_ agua_mulheres_genero/. Acesso em 24 de jun. 2019.
CORDEIRO, Rosineide de Lourdes Meira; MORALES, Paola Alejandra; SILVEIRA, Sandra Maria Batista; CLEMENTE, Flávia da Silva. Mulheres rurais e as lutas pela água na América Latina. Temporalis, v. 15, n. 30, p. 495-514, 2015.
DE MORAES, Dênis. Notas sobre imaginário social e hegemonia cultural. Contracampo, n. 01, p. 93-102, 1997.
FISHER, Julie. Women in water supply, sanitation and hygiene programmes. In: Proceedings of The Institution of Civil Engineers-Municipal Engineer. Thomas Telford Ltd, 2008. p. 223-229.
GRANT, Melita; WILLETTS Juliet; HUGGETT, Chelsea. Gender and SDG 6: The Critical Connection. A Framing Paper developed for the High-Level Panel on Water. 2016.
LORD, Selborne. A ética do uso da água doce: um levantamento. São Paulo: Editora Unesco, 2002.
LUCENA, Clara Yasmim De Souza; dos SANTOS, Danilla Joyce Rocha; da SILVA, Polyana Lorena Santos; da COSTA, Eulália Dantas; LUCENA, Rebecca Luna. O reuso de águas residuais como meio de convivência com a seca no semiárido do Nordeste Brasileiro. Revista de Geociências do Nordeste, v. 4, p. 1-17, 2018.
LUNARDI, Raquel; DE SOUZA, Marcelino; PERURENA, Fátima. O trabalho de homens e mulheres no turismo rural em são josé dos ausentes: O “leve” e o “pesado”. Turismo-Visão e Ação, v. 17, n. 1, p. 179-209, 2015.
MARX, Karl. ENGELS. Friedrich. A ideologia alemã. Tradução de Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Ed. Boitempo, 2007.
MONJE SILVA, Andrea, NÚÑEZ, Anamaría, SUBIZA, Dolores. (2019) A água tem gênero? Inter-American Development Bank, 28 de mar. 2016. Disponível em: https://publications.iadb.org/handle/11319/7700?localeattribute=pt&#sthash.xtMzHsyo.dpuf. Acesso em 24 de jun. 2019.
CATANI, Afrânio Mendes; CATANI, Denice Bárbara; PEREIRA, Gilson R. de M. As apropriações da obra de Pierre Bourdieu no campo educacional brasileiro. Revista Portuguesa de Educação, v. 15, n. 1, p. 05-25, 2002.
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.
SILVEIRA, Clara Maria Holanda, COSTA, Renata Gomes da. Patriarcado e capitalismo: binômio dominação-exploração nas relações de gênero, 2012. Disponível em: < https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/245/o/PAT RIARCADO_E_CAPITALISMO_BIN%C3%9 4MIO_DOMINA%C3%87%C3%83O- EXPLORA%C3%87%C3%83O.pdf>. Acesso em 20 out. 2016.
SORENSON, Susan B.; MORSSINK, Christiaan; CAMPOS, Paola Abril. Safe access to safe water in low income countries: water fetching in current times. Social Science & Medicine, v. 72, n. 9, p. 1522-1526, 2011.
SOUZA-FERNANDES, Luciana Cordeiro. Água: um olhar feminino. Labor E Engenho, v. 12, n. 2, p. 182-196, 2018.
TEYKAL, Carolina Macedo; ROCHA- COUTINHO, Maria Lúcia. O homem atual e a inserção da mulher no mercado de trabalho. Psico, v. 38, n. 3, p. 262-268, 2007.
VAZ, Daniela Verzola. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, v. 22, n. 3, p. 765-790, 2013.
Publicado
2020-07-19
Seção
Artigos