Diagnóstico ambiental: Uma análise da qualidade da água da bacia hidrográfica córrego do Falcão, comunidade da Chapada – Ouro Preto, MG

  • Janine Trindade Pereira de Paula Batista
  • Luan Soares da Costa Universidade Federal de Ouro Preto
  • Lívia Bastos de Lima
  • Aníbal da Fonseca Santiago
Palavras-chave: Water Quality Index, Escherichia coli, free residual chlorine

Resumo

O estudo em questão trata da qualidade das águas em um subdistrito de Ouro Preto, Minas
Gerais, tendo como principal objetivo identificar possível interferência em rios, cachoeiras e fontes
de água, uma vez que o local atrai muitos turistas por ter belas vistas, cachoeiras exuberantes e
oferecer um maior contato com a natureza. Foram realizadas análises de cloro residual livre em
águas de abastecimento, atendendo a solicitações da comunidade que estava com suspeitas de que a
concentração dessa substância estivesse fora dos padrões permitidos. Por meio de bases de dados
cartográficas da região e contato com moradores da localidade, estabeleceram-se cinco pontos
amostrais em águas superficiais e quatro na água potável distribuída. As amostras passaram por
análises in loco e laboratoriais. Os resultados obtidos foram satisfatórios, quando comparados com a
legislação vigente no estado de Minas Gerais. Os valores do Índice de Qualidade das Águas (IQA)
das amostras de águas superficiais variaram de bom a excelente, o que significa que são apropriadas
para tratamento convencional visando abastecimento público. Nenhuma delas, porém, pode ser
utilizada para consumo humano sem o tratamento prévio, devido a presença de Escherichia coli.
Todas as amostras avaliadas em relação à concentração de cloro residual livre apresentaram valores
inferiores ao máximo de referência permitido.

Referências

APHA - AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION, AMERICAN WATER WORKS
ASSOCIATION, WATER ENVIRONMENT FEDERATION. Standard Methods for the
Examination of Water and Wastewater. 22. ed., WASHINGTON, D.C.: APHA, AWWA, WEF,
2012.

BILICH, M. R.; LACERDA, M. P. C. Avaliação da qualidade da água do Distrito Federal por meio
de geoprocessamento. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 12.,
2005, Goiânia. Anais... p. 2059-2.065

BONNET, B. R. P.; FERREIRA, L. G.; LOBO, F. C. Relações entre qualidade da água e uso do
solo em Goiás: Uma análise à escala da bacia hidrográfica. Revista Árvore, v. 32, p. 311-322, 2008.

Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Cloração de Água em Pequenas Comunidades
Utilizando o Clorador Simplificado Desenvolvido pela Funasa / Fundação Nacional de Saúde. –

Brasília : Funasa, 2014. 36 p. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/site/wp-
content/files_mf/manualdecloracaodeaguaempequenascomunidades.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. PORTARIA DE CONSOLIDAÇÃO Nº 5, DE 28 DE SETEMBRO
DE 2017.

BRASIL, Resolução Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA n°357, de 17 de março de
2005. Classificação de águas, doces, salobras e salinas do Território Nacional. Publicado no D.O.U

BRASIL. Resolução CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente nº. 357 de 17 de março de
2005. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2005. 23p.

DA SILVA ALVES, Luciano; MARTINS, Lorena Alencar; DE JESUS, Lucineide Bispo.
Avaliação da qualidade da água na bacia do rio Camarajipe (Salvador–Brasil): diagnóstico dos
parâmetros físico-químicos, microbiológicos e determinação do IQA. Revista Brasileira de Meio
Ambiente, v. 6, n. 1, 2019. Disponível
em:https://revistabrasileirademeioambiente.com/index.php/RVBMA/article/view/203/172. Acesso
em: 23 mar. 2020.

DOETZER, Benno Henrique Weigert et al. Diagnóstico rural participativo aplicado a Bacia do Rio
Verde, Região Metropolitana de Curitiba, PR (Brasil). In: XXXII Congreso Interamericano de
Ingeniería Sanitária y Ambiental. 2010. p. 1-8.

GERAIS, Minas. Deliberação Normativa Conjunta Copam/CERH-MG. n. 1, de 5 de maio de
2008. Belo Horionte: Diário do Executivo, 2008.

GOMES, Letícia Maria Rodrigues et al. Problemas Ambientais Causados pelo Ecoturismo no Setor
Urbanizado do Subdistrito de Lavras Novas, Ouro Preto, MG. Turismo-visão e ação, v. 5, n. 3, p.
239, 2003. Disponível
em:https://search.proquest.com/openview/3d1e6a2d4d868f308c5e1f3ebfbc4dae/1?pq-
origsite=gscholar&cbl=2032135. Acesso em: 23 mar. 2020.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Monitoramento das águas
superficiais (2014) Disponível em:<http://portalinfohidro.igam.mg.gov.br/gestao-
dasaguas/monitoramento/agua-superficial>. Acesso em: 22 mar. 2020.
MATOS, A. T. de. Qualidade do meio físico ambiental. Viçosa: AEAGRI. (Série Caderno Didático
33) 2011, 183p

MORAES, L.R.S; ÁLVARES, M.L.P; SANTOS, F.P; COSTA, N.C.A. Saneamento e qualidade
das águas dos rios em Salvador, 2007-2009. Revista Interdisciplinar de Gestão Social 1, 47-60,
2012. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/rigs/article/view/12067. Acesso em: 23
mar. 2020.

MUNIZ, Gustavo Lopes. QUALIDADE DA ÁGUA DO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU
AVALIADA PELO ÍNDICE DE QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTO DE CAPTAÇÃO PARA
ABASTECIMENTO NO PERÍODO SECO. HOLOS, v. 7, p. 1-19, 2019.

UNITED STATES. Environmental Protection Agency - USEPA. Secondary maximum contaminant
levels: a strategy for drinking water quality and consumer acceptability. 2015. Disponível em:
<http://www.waterrf.org/PublicReportLibrary/4537.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2020.

VON SPERLING, M. Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos (Princípios do
Tratamento Biológico de Águas Residuárias; vol. 1). Belo Horizonte: DESA-UFMG, 452p. 2014.
Publicado
2021-01-13