Vozes femininas plurilíngues atravessando a fronteira Venezuela-Brasil

  • Débora Silva Brito da Luz Aluna de doutorado em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Imigrantes, Mulheres, Línguas em contato.

Resumo

O objetivo do presente artigo é oportunizar, ainda que de forma sucinta, a duas mulheres venezuelanas contar suas experiências como imigrantes trabalhadoras na cidade de Boa Vista, capital do estado de Roraima, especialmente, no tocante a aspectos linguísticos, culturais e identitários. As informações foram coletadas por meio de entrevistas gravadas em áudio mediante a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. A intenção é de colaborar com a compreensão da realidade sociocultural e linguística vivenciada, sobretudo, por imigrantes da Venezuela em Boa Vista em decorrência do contato de falantes de línguas distintas. Inicialmente, devido ao preconceito sofrido diariamente, as entrevistadas estavam receosas em responder as nossas perguntas, mas logo se sentiram à vontade. Durante as entrevistas, elas alternavam entre o espanhol e o português, revelando grande fluência e competência comunicativa neste último, bem como marcas identitárias relacionadas ao uso de uma ou de ambas as línguas em contato.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. O homem; as viagens. In: ANDRADE, Carlos Drummond de. As impurezas do branco. Rio de Janeiro: Record, 2005. p. 35-37.

BOSI, Eclea. Memória – sonho e memória – trabalho. In: BOSI, Eclea Memória e Sociedade: lembrança de velhos. 4. ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995. p. 43-70.

BURKE, Peter. História como memória social. In: BURKE, Peter. Variedades da história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. p. 67-89

CEZARIO, Maria Maura; VOTRE, Sebastião. Sociolinguística. In: MARTELOTTA, Mário Eduardo (Org.). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2011. p. 141-155.

Comitê Nacional para os Refugiados (Conare). Ministério da Justiça. Refúgio em Números – 3ª edição. Brasília, 2018. 30 p. Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/de-10-1-mil-refugiados-apenas-5-1-mil-continuam-no-brasil/refugio-em-numeros_1104.pdf. Acesso em: 15 maio 2018.

FERRARI, Anderson; MARQUES Luciana Pacheco. Silêncios e Educação. In: FERRARI Anderson; MARQUES Luciana Pacheco (Orgs.). Silêncios e Educação. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2011. p. 9-26.

FREITAS, Déborah de Brito Albuquerque Pontes. A construção do sujeito nas narrativas orais. CLIO – Revista de Pesquisa Histórica, Recife, n. 25-2, p. 92-112, 2007.

HALL, Stuart. The Question of Cultural Identity. In: Hall, Stuart; Held, David.; McGrew, Tony. Modernity and Its Futures. Cambridge: Politic Press/Open University, 1992. p. 273-326.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

IANNI, Otávio. A metáfora da viagem. In: IANNI, Otávio. Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

MAGALHÃES, Maria das Graças Santos Dias. Amazônia, o extrativismo vegetal no sul de Roraima: 1943-1988. Boa Vista: Editora da UFRR, 2008.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do mundo. São Paulo: Contexto, 2009.
MIRAR. Real Academia Española – Diccionario de la lengua española (Edición del Tricentenario, Actualización 2017). Disponível em: http://dle.rae.es/?id=PMSRG3d. Acesso em: 04 abr. 2018.

MONTENEGRO, Antonio Torres. Rachar as palavras: uma história a contrapelo. In: MONTENEGRO, Antonio Torres. História, metodologia, memória. São Paulo: Contexto, 2010.

NUNAN, David. Research Methods in Language Learning. New York: Cambridge University Press, 1992.

PENNA, Maura. Relatos de migrantes: questionando as noções de perda de identidade e desenraizamento. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, São Paulo: FAPESP, 1998. p. 89-112.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Rio de Janeiro. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade social. Rio de Janeiro. Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-212. 1992.

PORTELLI, Alessandro. A lógica das narrativas e a aprendizagem da diferença na pesquisa de campo. In: WHITAKER, Dulce C. A.; VELÔSO, Thelma M. Oralidade e Subjetividade: os meandros infinitos da memória. Campina Grande, PB: EDUEP, 2005. p. 43-54.

RODRIGUES, Francilene. Migração transfronteiriça na Venezuela. Estudos avançados¬ (Scielo) – dossiê migração, São Paulo, v. 20, n. 57, p. 197-207, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142006000200015&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 11 mar. 2018.

ROLLEMBERG, Ana Tereza Vieira Machado. Entrevistas de pesquisa: oportunidades de coconstrução de significados. In: BASTOS, Liliana Cabral; SANTOS, William Soares dos (Org.). A entrevista na pesquisa qualitativa. Rio de Janeiro: Quartet: Faperj, 2013. p. 37-46.

SAVEDRA, Monica Maria Guimarães; PEREZ, Gabriel Mendes Hernandez. Plurilinguismo: práticas linguísticas de imigrantes brasileiros no Suriname. Organon: Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Plurilinguismo na educação e na sociedade, Rio Grande do Sul, v. 32, n. 62, p. 1-16, jan./jul. 2017. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/70594/42123. Acesso em: 01 abr. 2018.

SILVA, Célia Nunes; MELO, Maria das Graças Pedrosa Lacerda de; ANASTÁCIO, Sílvia Maria Guerra. Nômades contemporâneos: famílias expatriadas e um mosaico de narrativas. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2009.

SILVA, Thaïs Cristófaro. Fonética e fonologia do Português. São Paulo: Contexto, 2003.

SOUZA, Otávio. Fantasia de Brasil: as identificações na busca da identidade nacional. São Paulo: Escuta, 1994.
SPOLSKY, Bernard. Language Policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

STEVENS, Cristina Maria Teixeira. Imagi-Nações. Literatura e Identidades Migrantes. In: CUNHA, Maria Jandyra Cavalcanti et al. Migração e identidade: olhares sobre o tema. São Paulo: Centauro, 2007. p. 17-41.

TRIM, J. L. M., et al. Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas: Aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Asa, 2001.
Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos - Fluxo contínuo