O tratamento da variação linguística em postagens da página “Língua Portuguesa” na rede social Facebook

  • Claudemir Sousa Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Universidade Estadual do Maranhão.
Palavras-chave: Análise do Discurso, Linguística Aplicada Indisciplinar, Variação linguística, Língua portuguesa.

Resumo

Esse artigo discute o tratamento da noção de variação linguística em postagens da página “Língua Portuguesa”, na rede social Facebook, objetivando verificar como essa noção é concebida nesse espaço midiático. Pautamo-nos em teóricos dos seguintes campos: Linguística Aplicada (LA), Análise do Discurso (AD), Estudos Culturais e Sociolinguística. Da LA, mobilizamos as discussões de Moita Lopes (1999; 2011) sobre a concepção de Linguística Aplicada Indisciplinar e de Menezes et. all. (2011); da AD, apoiamo-nos no pensamento de Foucault (2008), acerca do conceito de sujeito; dos Estudos Culturais, discutimos, a partir de Hall (2006), a concepção de sujeito pós-moderno; e da Sociolinguística, trazemos as concepções de Tarallo (2006) sobre a relação entre língua e sociedade, de Bagno (1999) sobre preconceito linguístico e de Lucchesi (2015) sobre norma sociolinguística. Analisaremos 13 enunciados coletados na referida página. Concluímos que a apresentação do tema em pauta pela referida fanpage é de natureza normativa e prescritiva.

Biografia do Autor

Claudemir Sousa, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; Universidade Estadual do Maranhão.
Professor substituto da Universidade Estadual do Maranhão (CESITA/UEMA). Doutorando em Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).  Mestre em Linguística Pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Membro do Grupo de Estudos de Análise do Discurso de Araraquara (GEADA) e do Grupo de Pesquisa em Linguagens e Dicurso do Maranhão (GPELD).

Referências

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 31. ed. São Paulo: Loyola, 2004.
CEZÁRIO, Maria Maura; VOTRE, Sebastião. Sociolinguística. In: MARTELOTA, Mário Eduardo (Org.). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2008, p. 141-155.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a. 236 p.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
LUCCHESI, Dante. Língua e sociedade partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.
MENEZES, Vera; GOMES, Iran Felipe; SILVA, Maria Morena. Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, Regina Celi; ROCA, Pilar (Orgs.). Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2011. p. 25-50.
MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Fotografias da Linguística Aplicada no Campo de Línguas Estrangeiras no Brasil. D.E.L.T.A., Vol. 15, N.º ESPECIAL, 1999.
______. Da aplicação Linguística à Linguística Aplicada Indisciplinar. In: PEREIRA, Regina Celi; ROCA, Pilar (Orgs.). Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2011. p.11-24.
TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. 8. Ed. São Paulo: Ática, 2007.
Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos - Fluxo contínuo