Preconceito linguístico com menores em regime de privação de liberdade

  • Rodrigo Mazer Etto Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR.
Palavras-chave: Preconceito lingüístico, Gíria, Adolescentes infratores.

Resumo

O presente artigo é um recorte de uma pesquisa cujo objetivo foi o de identificar e analisar a ocorrência de situações de discriminação vivenciadas por adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas de privação de liberdade, em decorrência do uso da gíria. A etapa de geração e coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de entrevistas narrativas, de acordo com a teoria de Tarallo (2003). As análises das narrativas se fundamentaram nos referenciais teóricos de Bagno (2002, 2004), Calvet (2002) e Preti (1977, 1984), e permitiram constatar que os quatro adolescentes entrevistados vivenciaram situações de discriminação devido ao uso da gíria.

Biografia do Autor

Rodrigo Mazer Etto, Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR.

Licenciado em Letras Língua Portuguesa e Língua Inglesa;

Especialista em Língua Portuguesa e Literaturas

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR.

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Crenças e atitudes linguísticas: o que dizem os falantes das capitais brasileiras. In: Anais GEL, 2008. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/volumes/37/EL_V37N2_11.pdf. Acesso em 13 março 2018.
BAGNO, Marcos. Linguística da norma. Edições Loyola, 2002.
__________. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 29 ed. São Paulo: Loyola, 2004.
BRASIL. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Justiça. Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei. Brasília, 2016.
_______. Ministério dos Direitos Humanos (MDH). Levantamento Anual SINASE 2016. Brasília: 2018.
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
________________________. Nós cheguemu na escola, e agora? São Paulo:Parábola, 2005.
CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.
CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.
CELLA, Silvana Machado; CAMARGO, Dulce Maria Pompêo. Trabalho pedagógico em adolescentes em conflito com a lei: feições da exclusão/inclusão. In: Educação e Sociedade. Edição de janeiro. N. 106. V. 30. Jan/abr, p. 281-299, 2009,.
ERIKSON, Erick. H. Identity: Youth and crisis. New York: Norton &Company. 12ª edição, 1994.
FARACO, Carlos Alberto. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, Marcos. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002, p. 37-61.
FLICK, Uwe. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Tradução Magda Lopes. Porto Alegre: Penso, 2013.
JESPERSEN, Otto. Nature, évolution et origenes. Paris, Payot, 1976.
LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.
LE PAGE, Robert. Projection, focusing and diffusion. In: York Papers in Linguistics. Vol. 9. University of York, 1980.
MONTEAGUDO, Henrique. Variação e norma linguística: Subsídios para uma (re)visão. In: BAGNO, M.; LAGARES, X. C. (Orgs.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011, p. 35-47.
PRETI, Dino. Sociolinguística: os níveis de fala, um estudo sociolinguístico do diálogo na Literatura Brasileira. São Paulo. Ed. Nacional, 3ª Ed.,1977.
___________. A gíria e outros temas. São Paulo: Edusp,1984.
SALLES, Leila Maria Ferreira. Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos. Estudos de Psicologia: Campinas, 2005.
SCHERRE, Marta Maria Pereira. Doa-se lindos filhotes de poodle. Variação linguística, mídia e preconceito. 2ª edição. São Paulo:Parábola Editorial, 2008.
TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2003.
VICENTIN, Maria Cristina Gonçalves. A vida em rebelião: jovens em conflito com a lei. São Paulo: Hucitec, 2005, p.17-60, 331 p.
Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos - Fluxo contínuo