A metapragmática como conceito útil à análise linguística

  • Ana Luiza Kruger Dias Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Análise linguística, Metapragmática, Indexicalidade, Ideologias linguísticas.

Resumo

Este artigo é uma reflexão sobre o conceito de metapragmática aplicada às textualidades produzidas em contexto de ensino de línguas. Considerando a análise linguística como proposta teórica e metodológica de experimentação e reconstrução textuais (FRANCHI, 2006; GERALDI, 1996), pretendo discutir a camada metapragmática que ela comporta, responsável por organizar, regimentar e projetar usos linguísticos no tempo e no espaço, bem como situar os interlocutores em relação uns aos outros e ao contexto (SILVERSTEIN, 1979, 1993, 2003). Para tanto, este artigo propõe algumas possibilidades de trabalho com as metapragmáticas da textualidade em sala de aula. A partir das reflexões empreendidas, percebe-se a potencialidade do diálogo entre os estudos em metapragmática e análise linguística, abrindo-se caminhos para um trabalho empírico no ensino de línguas que possibilite uma formação docente e discente mais crítica e consciente das relações intrínsecas entre língua, cultura e sociedade.

Referências

AGHA, Asif. Voice, Footing, Enregisterment. Journal of Linguistic Anthropology, v. 15, issue 1, p. 38-59, 2005.

AZEREDO, José Carlos de. A análise gramatical e a explicação de textos. Cadernos de Letras da UFF, Niterói, n. 46, p. 21-41, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail (VOLOCHÍNOV V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BEZERRA, Maria Auxiliadora; REINALDO, Maria Augusta. Análise linguística como eixo do ensino de Língua Portuguesa. In: ______. Análise Linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013. p. 33-61.

BLOMMAERT, Jan. Ideologias linguísticas e poder. Trad. Ive Brunelli. In: SILVA, Daniel N.; FERREIRA, Dina M. M.; ALENCAR, Claudiana N. (Orgs.). Nova Pragmática: modos de fazer. Sâo Paulo: Cortez, 2014. p. 67-77.

FRANCHI, Carlos. Criatividade e Gramática. In: _____. Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola, 2006. p. 34-101.

GERALDI, João Wanderley. Sobre o trabalho com textos produzidos por alunos. In: ______. Linguagem e Ensino: Exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado das Letras, 1996. p. 121-142

MARCUSCHI, Luiz Antônio. O papel da Linguística no ensino de línguas. Diadorim, Rio de Janeiro, Revista 18, v. 2, p.12-31, 2016.

POSSENTI, Sírio. Aprender a escrever (re)escrevendo. Linguagem e Letramento em Foco. Campinas: Cefiel/IEL/Unicamp, 2005.

POVINELLI, Elizabeth A. Pragmáticas íntimas: linguagem, subjetividade e gênero. Trad. Joana Plaza Pinto. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 24, v. 1, p. 205-237, 2016.

ROMERO, Márcia. Epilinguismo: considerações acerca de sua conceitualização em Antoine Culioli e Carlos Franchi. ReVEL, v. 9, n. 16, p. 152-163, 2011.

SILVERSTEIN, Michael. Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, n. 23, p. 193-229, 2003.

______. Language Structure and Linguistic Ideology. In: CLYNE, Paul R. et al (Eds.). The Elements: A Parasession on Linguistic Units and Levels. Chicago: Chicago Linguistic Society, 1979. p. 193-247.

______. Metapragmatic discourse and metapragmatic function. In: LUCY, John A (Ed.). Reflexive language: reported speech and metapragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. p. 33-57.

SIGNORINI, Inês. Metapragmáticas da língua em uso: unidades e níveis de análise. In: ______. (Org.). Situar a lingua[gem]. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 117-148.

_____. Metapragmáticas da ‘redação’ científica de ‘alto impacto’. Revista do GEL, v. 14, n. 3, p. 59-85, 2017.

VERSCHUEREN, Jef. Notes on the role of metapragmatic awareness in language use. Pragmatics, v. 10, n. 4, p. 439-456, 2000.
Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos - Fluxo contínuo