Estratégias de Negação do Brasileiro na Crônica Nacional: Uma Contribuição para o Ensino de Português para Estrangeiros

  • Thais de Freitas Mondini Belletti
Palavras-chave: , Língua/cultura, Português para estrangeiros, Negação

Resumo

Este trabalho situa-se no estudo sobre aspectos interacionais do português brasileiro e tem como objetivo analisar a interação linguístico-social no ato de negar. Tal ato em uma situação interacional no contexto brasileiro mostra-se, por vezes, desafiador. O uso do “não” em uma certa cultura pode ser visto como uma simples ação de negar algo. No Brasil, no entanto, um ato de negação pode caracterizar uma ameaça à face do outro, podendo comprometer a ação comunicativa dos participantes.  A base teórica deste estudo concentrou-se nos conceitos da Sociolinguística Interacional e da Antropologia Social. As reflexões elencadas  nesse trabalho apontam que a identidade do brasileiro é construída a partir da relação com o outro. Na sociedade brasileira, o self é constituído de forma interdependente (MARKUS e KITAYAMA, 1991), e, por isso, misturamos o espaço da rua e o espaço da casa (DAMATTA, 2004). De acordo com essa perspectiva, a partir da análise de duas crônicas brasileiras, vimos que, no ato de negar, o brasileiro lança mão de inúmeras estratégias para salvar a sua própria face e a face de seu interlocutor. Devido à sua relevância pragmática e didática, ao abordarmos o tema referente às estratégias usadas pelo brasileiro na construção de um ato de negar,  acreditamos contribuir para o ensino do português do Brasil como língua não materna.

Referências

ALBUQUERQUE, A. F. S. A construção dos atos de negar em entrevistas televisivas: uma abordagem interdisciplinar do fenômeno em PLM com aplicabilidade em PLE. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2003.
BROWN, P. & LEVINSON, S. Politeness: some universals in language use. 2 edição, Cambridge: Cambride University Press, 1987.
FRASER, B. Conversation mitigation. Journal of pragmatics 4. p. 341-350, 1980.
GOFFMAN, E. Interaction ritual: essays on face-to-face behavior. New York: Anchor Books Doubleday & Company, 1967.
HALL, E. T. e HALL, M. R. Understanding cultural differences: Germans, French and Americans. In: Key concepts: underlying structures of culture. Yarmouth International Press, 1990.
HYMES, D. H. On Communicative Competence. In: Pride, J. B.; Holmes, J. (Eds.) Sociolinguistics. Baltimore, USA: Penguin Education, Penguin Books Ltd, 1972. p. 269-293.

HOFSTEDE, G. Dimensionalizing Cultures: The Hofstede Model in Context. Online Readings in Psychology and Culture, 2(1), 2011.
KRAMSCH, C. Context and culture in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1993. 297p.
MARKUS, H. R. & KITAYAMA, S. Culture and the self: implication for cognition, emotion and motivation. In: Psycological Review. Volume 98, n2, American Psychological Association, 1991.
DAMATTA, R. O que é o Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 2004.
PEREIRA, M. G. D. Estratégias de manutenção do poder de uma ex-chefe em uma reunião empresarial: indiretividade e diretividade em atos de comando. In: Estudos da Linguagem e Gênero. 1ª. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2006.
PORTELLA, E. A crônica e a cidade. Revista Brasileira. Rio de Janeiro, Fase VIII, Ano III, n.78. p. 107-111. Jan-Março, 2014.
VERISSIMO, L. F. As mentiras que os homens contam. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
WERNECK, H. Boa companhia: crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 223p.
Publicado
2020-11-04