Nobreza iluminada e fértil

Palavras-chave: Deus, Elite, Conhecimento, Luz, Água

Resumo

A poesia é uma arte verbal, em que a estesia se alcança pela manipulação da língua e das linguagens. A língua portuguesa é um magma vivo onde se misturam, combatem, violentam e fundem as mais diversas origens. Antes de estudar incidências casuais ou ocasionais, irei por isso concentrar-me nas etimologias e nos campos semânticos de palavras importantes que surgem nos poemas. As culturas, mesmo se diferentes, assentam sobre linhas temáticas e visões do mundo com vastos pontos de intersecção. Veremos que esses pontos de intersecção marcam presença em poetas lusógrafos.

Não se conseguindo estudar a vastidão de uma língua de um só golpe, selecionei três eixos temáticos intimamente conectados, em latim, em português, entre os maias e aztecas, entre vários povos bantos de Angola. São eles: Deus, a nobreza e o conhecimento. Esses três campos semânticos implicam adstratos importantes, como por exemplo as noções de água e de luz.

Referências

AAVV. Tonali. Gran Diccionario Náhuatl, sl, sd, sn. Disponível em: http://www.gdn.unam.mx/termino/search. Acesso em 29/1/2020.

AAVV. Aristo. Diccionario Etimológico Español en Línea, sl, sd, sn. Disponível em: http://etimologias.dechile.net/?aristo. Acesso em 29/1/2020.

ABEL, João. Bom Dia, Luanda, sn, 1971.

CANNECATIM, Fr. Bernardo Maria de. Dicionário da Língua Bunda ou Angolense […], Lisboa, Impressão Régia, 1804.

CARVALHO, Henrique Augusto Dias de. Etnografia e História Tradicional dos Povos da Lunda, Lisboa, I.N., 1890.

DANIEL, H. Etaungo, et alii. Ondisionaliu Yumbundu = Dicionário de Umbundo: Umbundo-Português, Póvoa de Sto Adrião, Naho, 2002.

DINIZ, Ferreira. Populações Indígenas de Angola, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1918.

ESPANCA, Florbela. Livro de Mágoas, Amadora, Bertrand, 1978.

ELIADE, Mircea. Tratado de História das Religiões, Paris, Payot, 1970.

ESTERMANN, Carlos. Etnografia de Angola (Sudoeste e Centro): colectânea de artigos dispersos, v. II, Lisboa, IICT, 1983.

FERREIRA, A. Gomes. Dicionário de Latim-Português, Porto, Porto Ed., sd.

JÚNIOR, António de Assis. Dicionário Kimbundu-Português: Linguístico, Botânico, Histórico E Corográfico, Luanda, Argentes, Santos & Cia, sd.

JÚNIOR, António de Assis. O segredo da morta, Luanda, A Lusitânia, 1935 .

LÉON-PORTILLA, Miguel. Tiempo y Realidad en el Pensamiento Maya, 2.ª ed., Cidade Do México, UNAM-IIH, 1986.

LIMA, Jorge de. Calunga, São Paulo, Cosac Naify, 2014.

MAIA, António da Silva. Dicionário Complementar Português-Kimbundo-Kikongo, Cucujães, Autor, [1964].

MARTIN, F. Les mots grecs : groupés par familles étymologiques, Paris, Hachette, [1985].

MATTA, Joaquim Dias Cordeiro da (coord.). Ensaio de Dicionário kumbúndu-português, Lisboa, A. M. Pereira, 1893.

MELO, Alberto da Cunha. Yacala, Olinda: Gráfica de Olinda, 1999.

MILLER, Joseph C. Poder Político e Parentesco: Os Antigos Estados Mbundu em Angola, Luanda, AHN, 1995.

OLIVEIRA, Mário António Fernandes de. Obra Poética. Lisboa, IN-CM, 1999.

PESSOA, Fernando. Poesia: 1918-1930, Lisboa, Assírio & Alvim, 2005.

RIBAS, Óscar. Dicionário de Regionalismos Angolanos, Porto, Contemporânea, [1997].

SALES, José das Candeias. As divindades egípcias: uma chave para a compreensão do Egipto antigo, Lisboa, Estampa, 1999.

Publicado
2020-07-23