Reverberações dos procedimentos formais de Luciano de Samósata nos contos de Machado de Assis

Palavras-chave: Luciano de Samósata, Machado de Assis, sátira menipéia, katáskopos.

Resumo

Neste artigo, desejamos averiguar como Machado de Assis aproveitou os procedimentos formais de composição poética de Luciano de Samósata, autor da Antiguidade Clássica que deu continuidade à sátira menipéia. Embora a relação entre os dois autores seja de certa forma muito estudada e explorada pelos críticos, encontramos normalmente pesquisas que comparam apenas os romances de Machado de Assis com as obras de Luciano. Dessa forma, nosso intuito é constatar que é também possível notar em vários contos de Machado a aplicação do modo da sátira luciânica e que, pelo fato de suas obras serem fonte de estudo de diversas vertentes da literatura (além de outras áreas do conhecimento), pode-se também analisá-las por esse viés formal referente à sátira menipéia e a Luciano de Samósata. Desse modo, primeiramente, buscamos analisar as obras de Luciano em que ele discute sobre seu processo de construção poética, a fim de encontrarmos elementos formais de narrativa contumazes em suas obras. Em seguida, analisamos os textos Conto Alexandrino, A igreja do Diabo, Lágrimas de Xerxes e Entre Santos, de Machado de Assis, para identificar as semelhanças entre os dois autores em relação aos seus procedimentos poéticos.

Referências

ALLISON, Francis Greenleaf. Lucian: satirist and artist. Boston: Marshalh Jones Company, 1926.

ALMEIDA, Cleber Ranieri Ribas de. A história como ontologia do mundo: Luciano de Samósata entre a derrisão e a austeridade. In: Revista Ciências Humanas – Universidade de Taubaté, v. 1, n. 1, Taubaté, 2009.

ANDRADE, Mario de. Contos e contistas. In: 0 empalhador de passarinho. 3ª ed. São Paulo: Martins, 1972.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Sousa. 2ª ed. Imprensa Nacional Casa da Moeda. 1990. Série Universitária. Clássicos de Filosofia.

ARNT, Gustavo Galeno. Os Sertões e a questão nacional na literatura brasileira. 2009. 112f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Instituto de Letras, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Brasília, 2009.

ASSIS, Machado de. 50 contos de Machado de Assis: seleção, introdução e notas de John Gledson. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

______. Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Abril, 2010. Clássicos Abril Coleções, v. 5.

______. Obra completa em 3 volumes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAPTISTA, Abel Barros. A Emenda de Séneca – Machado de Assis e a forma do conto. In: Teresa: revista de Literatura Brasileira; n. 6/7. São Paulo, p. 207-232, 2006.

BASTOS, Semíramis Deusdedith Teixeira. Estratégias composicionais de um autor brasileiro: um estudo sobre a ironia, a paródia e a sátira em contos de Machado de Assis. 2006. 177f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

BOSI, Alfredo. Brás Cubas em três versões. In: Teresa: revista de Literatura Brasileira; n. 6/7. São Paulo, p. 279-317, 2006.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. A Grécia de Machado de Assis. In: MENDES, Eliana Amarante de Mendonça; OLIVEIRA, Paulo Motta; BENN-IBLER, Veronika. O novo milênio: interfaces lingüísticas e literárias. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2001.

______. A poética do Hipocentauro: Literatura, sociedade e discurso ficcional em Luciano de Samósata. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

CANDIDO, Antonio. Esquema de Machado de Assis. In: Vários escritos. 3ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

DIXON, Paul. Modelos em movimento: os contos de Machado de Assis. In: Teresa: revista de Literatura Brasileira; n. 6/7. São Paulo, p. 185-206, 2006.

GLEDSON, John. Por um novo Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HESÍODO. Teogonia. Tradução de Jaa Torrano. 3ª ed. São Paulo: Iluminuras, 1995.

HOMERO. Ilíada. Tradução e introdução de Carlos Alberto Nunes. 25ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur. M. Parreira. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

JOBIM, José Luís. Introdução (Org.). A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: ABL; Topbooks, 2001.

LAÊRTIOS, Diôgenes. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Tradução do grego, introdução e notas de Mário da Gama. 2ª ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2008.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek – English Lexicon. 10ª ed. New York: Oxford University Press, 1996.

MADEIRA, Wagner Martins. A tradição da sátira menipeia nos romances crepusculares de Machado de Assis. Machado de Assis em linha, Rio de Janeiro. v. 7, n. 13, p. 63-77, 2014.

PHILOSTRATUS. Life of Sophists. Translate W. C. WRIGHT, London/Cambridge/Massachusetts: Harvard University Press, 1952.

PLATÃO. Fedro. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora da UFPA, 2011.

______. Górgias. Tradução de Daniel R. N. Lopes. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2011.

______. Mênon. Tradução de M. Iglésias. Rio de Janeiro: Loyola, 2003.

______. Sofista. Tradução de Jorge Paleikat e João Cruz Costa. São Paulo: Abril, 1972.

REGO, Enylton de Sá. O calundu e a panaceia: Machado de Assis, a sátira menipeia e a tradição luciânica. Rio de Janeiro: Forense, 1989.

SAMÓSATA, Luciano de. Luciano [III]. Tradução do grego, introdução e notas de Custódio Magueijo. Imprensa da Universidade de Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos. 1ª ed. IUC, 2012.

______. Luciano [IV]. Tradução do grego, introdução e notas de Custódio Magueijo. Imprensa da Universidade de Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos. 1ª ed. IUC, 2012.

______. Luciano [IX]. Tradução do grego, introdução e notas de Custódio Magueijo. Imprensa da Universidade de Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos. 1ª ed. IUC, 2012.

______. Luciano [VII]. Tradução do grego, introdução e notas de Custódio Magueijo. Imprensa da Universidade de Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos. 1ª ed. IUC, 2012.

SANO, Lucia. Das Narrativas Verdadeiras, de Luciano de Samósata: Tradução, Notas e Estudo. 2008. 175f. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

ZANFRA, Marcello Peres. Horácio Sat. 1.4, a comédia de Terêncio e a filiação do gênero satírico. Revista Estudos Clássicos, v.17, n.1. Campinas, p.221-238, jan./jun. 2017.

Publicado
2020-07-23