Notas do contemporâneo na poesia de Ana Mafalda Leite

Palavras-chave: Condição estrangeira, subjetividade, Poesia e política, contemporâneo

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões sobre a poesia de Ana Mafalda Leite, tendo em vista a referência constante à condição estrangeira e ao tempo presente como signos de construção de sua identidade poética e política, viajante e móvel, por meio de alguns elementos recorrentes em sua poesia. Tais elementos configuram uma perspectiva do contemporâneo que abrange relações de tempo e de espaços culturais fundamentais na composição do lastro subjetivo que atravessa sua escrita. Pela força comunicativa de sua poesia, a poeta compartilha com o leitor esse território em movimento que incide sobre a experiência de compreender o tempo em que se vive.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó - SC: Argos, 2009.
CRUZ E SOUZA. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar. 1980.
FONTELA, Orides. “Helianto”. In:_____. Poesia Reunida [1969-1996]. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006. 376 p.
LEITE, Ana Mafalda. O amor essa forma de desconhecimento. Maputo: Alcance Editores, 2010.
PETIT, Michèle. Leituras: do espaço íntimo ao espaço público. Trad. Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2013.
SANTIAGO, Silviano. “O verbo amar se anima da minha eternidade”. In: LEITE, Ana Mafalda. O amor essa forma de desconhecimento. Maputo: Alcance Editores, 2010.
SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez. 2010. WHITE, Eduardo. Poemas da ciência de voar e da engenharia de ser ave. Lisboa: Caminho, 1992.
Publicado
2020-07-23