A produção textual no ensino médio e o tratamento da variação linguística

Palavras-chave: Sociolinguística Educacional, Ensino de escrita, Livro didático

Resumo

Compreendendo a variação linguística como um fenômeno que perpassa todas as atividades de ensino de língua materna, objetivo desta pesquisa foi investigar como esse fenômeno é tratado em atividades de produção textual de um livro didático de língua portuguesa voltado para o 1º Ano do ensino médio. A fundamentação teórica apresenta suas bases em trabalhos da área de Sociolinguística Educacional (BAGNO, 2007a, 2007b, 2013, 2017; BORTONI-RICARDO, 2004). Para a realização da pesquisa, o livro “Português: trilhas e tramas” (SETTE et al., 2016), presente no PNLD 2018, foi selecionado e foram analisados (1) o “Manual do professor”; (2) o capítulo 17, “Variedades linguísticas”; e (3) as seis atividades de produção textual de gêneros orais e escritos presentes na obra. A partir dessas análises, foi observada a manutenção de duas relações estereotipadas, a saber, entre a língua escrita e a norma privilegiada e entre a língua falada e a variação linguística.

Biografia do Autor

Anderson Pio, Secretaria Estadual da Educação do Ceará

Especialista em Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Literatura (FAEL). Graduado em Letras - Português - Licenciatura Plena pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professor de língua portuguesa da rede estadual de ensino do Ceará (SEDUC).

Hugo Leonardo Gomes dos Santos, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (PPGLin/UFC). Mestre em Linguística Aplicada (UECE) e Especialista em Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Literatura (FAEL). Graduado em Letras - Português - Licenciatura Plena pela Universidade Estadual do Cea´rá (UECE). Professor de língua portuguesa da rede pública municipal de ensino de Fortaleza (SME).

Referências

ANTUNES, Irandé. Avaliação da produção textual no ensino médio. In: BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia (Orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 163-180.

______. Aula de português: encontro & interação. 8. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAGNO, Marcos. Por que estudar uma gramática brasileira?. In: CASSEB-GALVÃO, Vânia; NEVES, Maria Helena de Moura (Orgs.). O todo da língua: teoria e prática do ensino de português. São Paulo: Parábola Editoria, 2017, p. 97-121.

______. Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de português. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

______. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007a.

______. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 48. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2007b.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

COELHO, Paula Maria Cobucci Ribeiro. O tratamento da variação linguística no livro didático de português. 2007. 162 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Brasília, 2007.

FÁVERO, Leonor Lopes; ANDRADE, Maria Lucia C. V. O.; AQUINO, Zilda G. D.. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SETTE, Graça et al. Português: trilhas e tramas. V. 1. 2. ed. São Paulo: Leya, 2016.
Publicado
2020-12-27
Seção
Artigos - Fluxo contínuo