Estratégias discursivas observadas na produção linguageira do jornal O Bom Ladrão como marcas do pensamento Ultramontano

  • Hamdan Laila UEMG
Palavras-chave: Discurso ultramontano; Relações discursivas. Memória discursiva. Práticas linguageiras.

Resumo

Este estudo tem como foco a análise do discurso modelar do ideário ultramontano, considerando como corpus o jornal “O Bom Ladrão”. As análises observam comportamento relacionado à produção discursiva de acordo com intencionalidade do enunciador, consubstanciando-se a partir de fenômeno linguístico e da intencionalidade discursiva e, portanto, denunciador de informações que contribuem para percepção de estratégias discursivas e de memória de Mariana, locusprivilegiado do pensamento ultramontano no Brasil. Estabeleceu-se pesquisa de natureza qualitativa na medida em que se instala em múltiplas possibilidades de olhares sobre a realidade observada, consolidando-se em corpus de ordem documental, da imprensa escrita. O modo de trabalho se caracterizou como de levantamento de dados. Para análise, foram adotadas as teorias relativas ao estudo do discurso, comprovando-se a possibilidade de se relacionarem às práticas linguageiras e identitárias construtoras da memória cultural e discursiva da região, e a relação entre o acontecimento discursivo e o movimento ultramontano.

Referências

AZEVEDO, Ferdinand de. A inesperada trajetória do ultramontanismo no Brasil Império. Revista Perspectiva Teológica, nº 20, p. 201-218, 1988.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 4ª ed. Campinas, SP: Pontes, 1995.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. Campinas, SP: Pontes, 1989.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. 1ª ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2009.
COELHO, Tatiana Costa. Discursos ultramontanos no brasil do século XIX: os bispados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Tese de Doutoramento. Universidade Federal Fluminense, 2016.
GREGOLIN, Maria do Rosário. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídias e produção de identidades. In: BARONAS, Roberto (org.) Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João, 2007, p. 155-168. Disponível em
[http://www.uems.br/na/discursividade/Arquivos/edicao02/pdf/Maria%20do%20Rosario%20Gregolin.pdf] Acesso em 02-01-2016

HAMDAN, Laila. A construção verbal observada na produção discursiva no jornal “O Bom Ladrão como denunciadora do discurso ultramontano. Relatório de Estágio Pós-doutoral. 2017, 80 p., (Estudos do Discurso e Memória), Faculdade de Letras, UFOP, Mariana.

KOCH, Ingedor Grunfeld Villaça. Texto e coerência. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.
MACHADO, Ida Lúcia; MENEZES, William; MENDES, Emília. As emoções no discurso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.
MACHADO, Ida Lúcia. A ironia como estratégia comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana, São Paulo, número 9 (1), Jan./Jul. 2014.
MACHADO, Ida Lúcia. A ironia como fenômeno linguístico-argumentativo. Revista Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, ano 4, v. 2, p. 141-155, jul/dez. 1995.
MENDES, Emíla; MACHADO, Ida Lúcia (org.) As emoções no discurso. Vol II. São Paulo: Mercado das Letras, 2010.
MENEZES, William Augusto; SANTOS, Simone de Paula (org.). Discurso, Identidade, Memória. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015.

MUZZI, Karla Perim. Memória e produção discursiva do sentido: a mulher-professora em foco nos jogos enunciativos. 2009, 154 p. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. Disponível em [http://periodicos.ufes.br/percursos/article/download/1749/1318] Acesso em 02-01-2016

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

OLIVEIRA, Luciano Conrado; MARTINS, Karla Denise. O ultramontanismo em Minas Gerais e em outras regiões do Brasil. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 11, n. 2, p. 259-269, jul./dez. 2011
ORLANDI, Eni Pucinelli. A linguagem e seu funcionamento. 4ª ed. São Paulo: Pontes, 1996
SANTOS, Rafael Arcanjo. A imprensa em Mariana 1830-1989. Texto mimeografado pertencente ao arquivo do GEDEM (Grupo de Estudos do Discurso e da Memória) – ICHS/UFOP.
Publicado
2020-12-27
Seção
Artigos - Fluxo contínuo