Políticas lingüísticas y enseñanza de español en el Nordeste de Brasil

  • José Veranildo Lopes da Costa Junior UERN
  • Tatiana Lourenço de Carvalho UERN
Palavras-chave: *

Resumo

O ensino de línguas no Brasil caracteriza-se por ações políticas que, por sua vez, formam movimentos de exclusão e inclusão dos idiomas nos currículos das escolas do país. As chamadas políticas linguísticas dizem respeito a um conjunto de normas sobre o uso das línguas no meio social. Nesse artigo, partimos da ideia de que as políticas hegemônicas podem ser questionadas por micropolíticas, criadas por setores organizados da sociedade. Com o objetivo de problematizar o processo pelo qual as políticas de resistência transformam-se em políticas linguísticas oficiais, fundamentamo-nos em Cooper (2000) e Ponte (2010) para reflexionar sobre o ensino de espanhol no Nordeste brasileiro. As análises mostram que políticas de resistência vêm se transformando em políticas linguísticas oficiais, garantindo o ensino desse idioma neolatino em diversas partes do país, especialmente nos estados do Nordeste.

Biografia do Autor

José Veranildo Lopes da Costa Junior, UERN

Professor Adjunto da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Tatiana Lourenço de Carvalho, UERN

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). 

Referências

COOPER, R. L. Language planning and social change. Cambridge: Cambridge University Press, 2000

FAGUNDES, A.; LACERDA, D. P.; SANTOS, G. R. dos. #FicaEspanhol no RS: políticas linguísticas, formação de professores, desafios e possibilidades. 1ed. Campinas: Pontes, 2019.

GARCEZ, P. M; SCHULZ, L. ReVEL na Escola: do que tratam as políticas linguísticas. Revista ReVEL, v. 14, 2016.

GUIMARÃES, A. História dos livros didáticos de espanhol no Brasil (1919-1961). 2018. 228 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, 2018.

MOITA LOPES, L. P. Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2011.

OLIVEIRA, G. M. Políticas linguísticas: uma entrevista com Gilvan Muller de Oliveira. Revista ReVEL, v. 14, 2016.

PAULINO, L. S. A Associação de Professores de Espanhol do Estado da Paraíba (APEEPB) como agente de Política Linguística e sua relação com a Lei Estadual 11.191/2018. Revista Abehache, v. 16, 2019.

PONTE, A. S. Civilización y globalización: gestos de intervención lingüística. Revista Letra Viva (UFPB), v. 10, 2010.

NOGUEIRA, A. M; BAPTISTA, L. M. T. R. Espanhol no Nordeste: espaços de resistência, criação e transformação. Curitiba: CRV, 2018.

SIGNORINI, I; CAVALCANTI, M. C. Linguística Aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

SOUSA, S. C. T; PONTE, A. S; BERNINI, E. N. S. A área de política e planejamento linguístico no cenário internacional e nacional. In: Fotografias da política linguística na pós-graduação no Brasil. João Pessoa: Editora da UFPB, 2019.

SILVA, M. V. da. (Des)políticas linguísticas no Brasil: a reforma do ensino médio e à exclusão do ensino de língua espanhola na educação básica. Revista Diálogos (RevDia), v. 6, 2018.
Publicado
2020-12-27
Seção
Artigos - Fluxo contínuo