CHAMADA DE ARTIGOS - Dossiê PO-ÉTICAS PRETAS DE (RE)EXISTÊNCIA

2020-06-26

Revista Ephemera (PPGAC/UFOP), periódico eletrônico de acesso livre e revisão por pares, sem taxas de submissão ou publicação, receberá até 15 de setembro de 2020, artigos inéditos para o Dossiê Po-éticas Pretas de [Re]Existência, a ser publicado em seu sexto número, com previsão de lançamento em dezembro de 2020.

Tendo em vista questões candentes da atualidade, tanto no campo sócio-político brasileiro e mundial – em que políticas de precarização da vida e de extermínio de determinados corpos têm sido implementadas - quanto em suas reverberações na cena contemporânea, este Dossiê Temático pretende reunir artigos, entrevistas, traduções, relatos e manifestos centrados na discussão de práticas artísticas que produzam novas fabulações sobre a negritude ao mesmo tempo em que constroem poéticas e políticas contra-hegemônicas da cena, podendo investigar, também, processos históricos de violação, apagamento e silenciamento de pessoas negras.

É visível, na produção cênica brasileira atual, a proliferação, como tendência significativa, de produções marcadas por questões de ordem política, de caráter fortemente identitário. Nessas produções – de maneira distinta do que se configurou como “teatro político” de tradição brechtiana, mas sem exclui-lo – é perceptível a necessidade de intensificar as relações entre arte e vida, esgarçando as fronteiras entre ética e poética, para criar aquilo que a pesquisadora da cena contemporânea Ileana Diéguez Caballero (2011) chama de “cenários liminares”, em função do estreitamento entre a dimensão estética, muitas vezes de um experimentalismo radical, e o caráter político que perpassam essas produções.

Chamamos aqui, então, de Po-éticas de [Re]Existência  às práticas artísticas que investigam processos históricos de extermínio, violação e invisibilização de determinados corpos, seus repertórios culturais, subjetividades e epistemes, bem como àquelas práticas que tanto produzem novas fabulações sobre suas existências quanto constroem poéticas e políticas da cena que sejam contra-hegemônicas, de modo que desestabilizem discursos que se pretendem absolutos e universais, bem como as normas e cânones estabelecidos, para assim promover a multiplicidade e polifonia de vozes e a criação de outras narrativas possíveis. O termo abarca, ainda, seus desdobramentos em termos de teorização, reflexão e produção acadêmica, e também de criação de agrupamentos, de redes de afeto e de espaços comuns de resistência, como o são, por exemplo, alguns coletivos feministas de arte ou os chamados quilombos urbanos.

Assim, interessa-nos especificamente, para este dossiê, trabalhos sobre a cena contemporânea ligados à performatividade/fabulação de corpos negros que tenham como eixo central a visibilização de questões estético-políticas, ou seja, às manifestações cênico-performáticas produzidas sob uma perspectiva étnico-racial. Neste sentido, tendo em vista as inúmeras convergências possíveis do tema, a partir da chave da interseccionalidade bem como das reverberações do campo sócio-político sobre as po-éticas e processos de criação da cena contemporânea, a próxima edição da Revista Ephemera, organizada pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto, espera receber textos que resultem de pesquisas vinculadas à temática proposta, explorando o tema em diferentes perspectivas e suas distintas variações, a partir de múltiplos atravessamentos como, por exemplo (mas não exclusivamente):

  • Teatro Negro engajado: possibilidades contemporâneas;
  • Negritude, [necro]políticas e cena contemporânea;
  • Performances pretas decoloniais;
  • Perspectivas teóricas negras sobre a cena contemporânea;
  • Aprendendo e ensinando a transgredir: Pedagogia feminista negra e Arte-Educação;
  • Práticas performáticas pedagógicas e educação anti-racista; 
  • Performances pretas trans e outras estéticas dissidentes;
  • Trauma e cura: aquilombamentos e redes de criação e afeto;
  • Liminaridades na cena negra contemporânea;
  • Artivismo negro, performance e movimento social;
  • Novas fabulações sobre o corpo negro;
  • Afro-futurismo em campo expandido: imaginando futuros possíveis

Importante! Lembramos ainda que a Revista Ephemera também recebe, em fluxo contínuo, artigos de temáticas variadas (Seção Fluxo) ligadas ao escopo central da revista, desde que sejam inéditos e resultantes de revisões bibliográficas, relatos de investigações e experimentações, pesquisas acadêmicas e reflexões criativas sobre processos contemporâneos de criação e sobre marcos históricos importantes nas artes cênicas, aceitando contribuições de autores nacionais e estrangeiros. Além disso, a Seção Acontece também aceita, em fluxo contínuo, contribuições em formatos variados: entrevistas, resenhas sobre livros e crítica de espetáculos, festivais etc. Os pesquisadores, brasileiros e estrangeiros, podem enviar seus textos para avaliação a qualquer momento, não sendo necessário aguardar a chamada para a submissão de artigos. 

Maiores informações podem ser encontradas em nosso website: https://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/ephemera. Nossas diretrizes para aceite e publicação e devem ser seguidas à risca, podendo ser visualizadas em “Diretrizes para Autores”:

https://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/ephemera/about/submissions#authorGuidelines  

Idiomas aceitos: português, Inglês e espanhol.

Organização: Nina Caetano & Marcia Cristina Sousa (orgs.)