Múltiplas diferenças: o teatro entre pessoas com deficiência intelectual

Resumo

Este artigo expõe alguns processos de criação teatral realizado por pessoas com deficiência intelectual em oficinas de teatro, entre 2014 e 2019. Estes processos, estreitamente relacionados com a sensibilização corporal, apontam para caminhos em que a experiência criativa se desenvolve pelos sentidos, pela relação do corpo no espaço e pelo contato com a prática artística.

Biografia do Autor

Patrícia Avila Ragazzon, UFBA
Pesquisadora, atriz, produtora e artista criadora do Ato Espelhado Companhia Teatral, desde 2008. Ministra oficinas de teatro e expressão corporal para grupos diversos, incluindo pessoas com deficiência intelectual. Atualmente se dedica a sua pesquisa de doutorado no Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia, tendo ingressado em 2019, sobre o ensino de práticas cênicas no contexto da inclusão social. É Mestra em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, concluído em 2018. Graduada em Artes Cênicas pelo Departamento de Arte Dramática do Instituto de Artes da UFRGS, em 1998.
Célida Salume Mendonça, Universidade Federal da Bahia
Possui graduação em Curso de Licenciatura em Artes Cênicas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1990), mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004) e doutorado em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (2009); cursando pós-doutorado no Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora - Portugal. Professora Auxiliar da Escola de Teatro, do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia e do ProfArtes. Coordenou o subrojeto PIBID Teatro do Programa PIBID/UFBA (2014-2018) e coordena o Grupo CELULA (Centro Lúdico Laboratorial de Processos Criativos) Grupo de Ensino, Pesquisa e Extensão do Programa PIBIC/UFBA. Tem experiência na área de Artes, com ênfase no Ensino de Teatro, atuando principalmente nos seguintes temas: pedagogia do teatro, teatro na educação, formação de professores, dramaturgia, processos de criação, encenação e pesquisa.

Referências

BERSELLI, Marcia.; ISAACSSON, M. . (Des) habilidades em cena: revisão e contextualização da produção acadêmica a respeito da participação da pessoa com deficiência nas artes cênicas. Urdimento (UDESC) , v. 2, p. 364-380, 2016.

BRASIL. Estatuto da Pessoa com Deficiência – Lei Brasileira de Inclusão Nº 13.146, de 6 de julho de 2015.

CABALLERO, Ileana Diéguez. Cenários Liminares: teatralidades, performances e políticas. 2. d. Uberlândia: EDUFU, 2016.

FERNANDES, Ciane. Performo, logo pesquiso: princípios constitutivos e composicionais do coletivo A-feto de dança-teatro. In: Processos criativos em arte/educação: dos contextos educacionais a cena performativa. São Paulo: Fonte Editorial, 2018.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis, RJ : Vozes, 1998.

RAGAZZON, Patrícia Avila. Para além de nossas diferenças: teatro, poéticas e deficiência intelectual. Porto Alegre: UFRGS, 2018, 86 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) Programa de Pós- Graduação em Artes Cênicas do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

RYNGAERT, Jean Pierre. Jogar, representar. São Paulo: Cosac & Naif, 2009.

TEIXEIRA, Carolina. Deficiência em Cena. Desafios e resistências da experiência corporal para além das eficiências dançantes. Salvador: UFBA, 2010, 133 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

TURNER, Victor. Body, Brain and Culture. In: The Anthropology of Performance. New York: PAJ Publication, 1987. Traduzido para o português por Leda Alcaraz Marocco.

VENDRAMIN, Carla. Diversas danças — diversos corpos: discursos e práticas da dança no singular e no plural. Revista DO CORPO: Ciências e Artes, Caxias do Sul, v. 1, n. 3, 2013.

Publicado
2020-07-22