A relação entre guerra e Lei de Natureza na filosofia política de Thomas Hobbes

  • Francy José Ferreira Vilela Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Resumo

Discutiremos aqui em que medida a experiência da guerra predominante no estado de natureza hobbesiano é importante, e de certa forma necessária, para que os homens possam conscientizar-se daqueles ditames da reta razão, nomeadamente leis de natureza. A partir de uma análise da guerra e suas raízes, e argumentado no sentido de que tanto ela quanto a paz prescrita pela lei natural são os únicos meios existentes de os homens tentarem uma vida segura, confortável, longa e próspera, discutiremos a possibilidade de os homens preverem os efeitos da guerra, de modo que possam antever a satisfação ou insatisfação de seus apetites por meio desse recurso e, daí, concluirmos que somente no contexto de guerra é que a lei de natureza adquire sentido e significado, revelando-se aos homens como ditames necessários para criação da única condição na qual os indivíduos obterão uma vida satisfeita: a condição de paz na sociedade civil.

Biografia do Autor

Francy José Ferreira Vilela, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Graduando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Realizou Iniciação Científica sob orientação do Prof. Dr. Douglas Ferreira Barros, com projeto de pesquisa intitulado "A relação entre guerra e Lei de Natureza na filosofia política de Thomas Hobbes&quot", sendo bolsista na modalidade FAPIC/Reitoria. Exerceu a função de monitor da disciplina História da Filosofia Antiga durante o primeiro semestre de 2013.
Publicado
2020-02-29
Seção
Artigos