As artes de emocionar e a ética de Aristoteles

  • Juliana Satana de Almeida Universidade Federal de Tocantins

Resumo

O artigo examina a possibilidade das emoções (páthe) expostas na Retórica e na Poética apresentarem conteúdo ético. Esse questionamento surgiu devido à peculiaridade dos assuntos discutidos nos diferentes escritos de Aristóteles. Para esclarecer tal dúvida analisamos os trechos dos dois tratados que mencionam as emoções e nos quais verificamos traço especial cedido a elas: elementos de acionalidade. Assim, percebemos que os discursos retóricos podem solicitar deliberação para decisões políticas, ligando as emoções a um aspecto ético. Com as emoções trágicas, que serão associadas àquelas descritas na Retórica, o filósofo também apresenta traços de racionalidade. Mas Aristóteles parece entender que a poesia ou o espetáculo trágico permite ao homem lidar melhor com suas emoções. O que pode implicar uma espécie de preparação para a realidade. Tais constatações nos levaram a responder positivamente à questão sobre um possível traço ético nas páthe descritas na Poética e pela Retórica.

Biografia do Autor

Juliana Satana de Almeida, Universidade Federal de Tocantins

Referências

Referências
ARISTÓTELES . De anima. Tradução de Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Editora
34, 2006.
_____________ . Éthique à Nichomaque. Tradução de Julien Tricot. Paris : Vrin, 2012.
_____________ . Ethica Nicomacheia I 13 – III 8. Tradução de Marco Zingano. São
Paulo: Odysseus Editora, 2008.
_____________. Poética. Tradução de Ana Maria Valente. Lisboa : Calouste
Goulbenkian, 2011.
_____________. De arte poetica liber. Oxford: Oxford University Press, 1964.
____________. Retórica. Tradução de Abel do Nascimento Pena, Manuel Alexandre
Júnior e Paulo Farmhouse Aberto. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
_____________. Ars Rhetorica. Oxford: Oxford University Press, 1964.
BARNES, J. Retórica e Poética. In: Aristóteles. Tradução de Ricardo Hermann Ploch
Machado. Aparecida: Ideias e Letras, 2009.
FORTENBAUGH, W.W. Aristotle on emotion. London : Duckworth, 2002.
KONSTAN. D. Theemotions of ancient greeks. Toronto : University of Toronto Press,
2013.
NUSSBAUM, M. C. La fragilidad del bien. 2 ed. Tradução de Antonio Ballesteros. Madrid
: La balsa de la Medusa, 2004.
_______________. Upheavals of thought. Cambridge : Cambridge University Press,
2001.
_______________ . Aristotle on emotions and rational persuasion. In : RORTY, A. O.
Aristotle´s Rhetoric. Los Angeles : University of California Press, 1996.
RICOEUR, P. Tempo e narrativa. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 1v.
SORABJI, R. Emotions and peace of mind. Oxford : Oxford University Press, 2002.
ZINGANO, M. Estudos de ética antiga. São Paulo: Discurso Editorial, 2007
Publicado
2017-04-01