Um Milkshake Chamado Wanda: o podcast e a discussão de gênero no jornalismo de cultura pop

  • Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça UFOP
  • Christian Gonzatti Unisinos
Palavras-chave: Podcast Um Milkshake Chamado Wanda, Análise de Construção de Sentidos em Redes Digitais, Gênero/Sexualidade

Resumo

O artigo tem como objetivo entender quais os sentidos sobre gênero e sexualidade são mobilizados pelo podcast Um Milkshake Chamado Wanda, do Papel Pop. Para isso, são contextualizados conceitos em torno do rádio expandido e do podcast, do jornalismo, da cultura pop e de questões relacionadas ao gênero e à sexualidade. Através de uma inspiração metodológica na Análise de Construção de Sentidos em Redes Digitais, construímos constelações de sentidos que apontam para o podcast como um potente território para se posicionar contra a heteronormatividade e para se dialogar sobre problemas de gênero e de sexualidade com uma linguagem popular e pop.

Biografia do Autor

Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça, UFOP
É Professor Adjunto A (nível 1) do Departamento de Jornalismo (DEJOR) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto (PPGCOM UFOP). É Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), com bolsa CAPES. Realizou estágio doutoral no exterior, com bolsa CAPES/PDSE, junto ao Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal É Mestre em Ciências da Comunicação também pela UNISINOS, com bolsa CNPq. Realizou estágio junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (3 meses). É jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com bolsa FNDE. Entre os anos de 2017 e 2019 realizou estágio de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (Bolsa de Pós-Doutorado Júnior - PDJ/CNPq). Integra os grupos de Pesquisa Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência (UFMG) e o Ponto: afetos, gêneros, narrativas (UFOP). Possui experiência profissional/estágio em rádio e em televisão e, como docente, ministra disciplinas teóricas, metodológicas e laboratoriais na área da comunicação e do jornalismo. Em suas pesquisas, interessa-se pelas seguintes áreas/temáticas: Produção de sentidos nas Mídias e no Jornalismo; Análise do Discurso Midiático e Estudo de rotinas produtivas; Geração, Gêneros e Sexualidades; Teoria Queer e Estudos Comunicacionais; Cultura Pop
Christian Gonzatti, Unisinos

Doutorando e Mestre em Ciências da Comunicação, com ênfase em Processos Midiáticos, na linha de pesquisa de Linguagens e Práticas Jornalísticas pela Unisinos, com bolsa da CAPES. Graduado em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda, também pela Unisinos, com bolsa integral. Membro do Laboratório de Investigação do Ciberacontecimento (LIC), do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos, desde 2012, atuando em pesquisas que articulam temas do jornalismo, como as teorias do acontecimento, dos processos em redes e mídias digitais e dos estudos de semiótica. Trabalha com marketing digital e gerenciamento de sites de redes sociais, tendo experiências na área com empresas de diferentes segmentos. Ministra cursos sobre metodologias para análises de redes digitais. Tem interesse, atualmente, nos estudos de cultura pop, redes e mídias digitais, semiótica e pedagogias das diferenças.

Referências

BALSEBRE, Armand. A linguagem radiofônica.in: MEDITSCH, Eduardo (org). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, v. 1, p. 327-336, 2005.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 4ªed, 1970.

BOURCIER, Marie-Hélène/Sam. Entrevista. Cult, São Paulo: Editora Bregantini, nº 205, ano 18, set. 2015. Entrevista a Pedro Paulo Gomes Guerra.

COLLING, Leandro. O que perdemos com os preconceitos? Cult, São Paulo: Editora Bregantini, nº 6, ano 19, janeiro 2016.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador: EDFUBA, 2015.

FERRARETTO, Luiz Artur; KISCHINHEVSKY, Marcelo. Rádio. Enciclopédia Intercom de Comunicação, v. 1, p. 1.009-1.010, 2010.

FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: teoria e prática. São Paulo: Summus Editorial, 2014.

FIDLER, Roger. Mediamorphosis: Understanding new media. Newbury Park: Pine Forge Press, 1997.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2011.

GONZATTI, Christian. Bicha, a senhora é performática mesmo: sentidos queer nas redes digitais do jornalismo pop. São Leopoldo: UNISINOS, 2017. 238 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2017.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Editora Vozes, p. 103-136. 2000.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

HENN, Ronaldo. Acontecimento em rede: crises e processos. IN: LEAL, Bruno Souza; ANTUNES, Elton; VAZ, Paulo Bernardo (orgs.). Jornalismo e Acontecimento: percursos metodológicos. Florianópolis: Insular, v.2, 2011.

HENN, Ronaldo. El ciberacontecimiento, produción y semiosis. Barcelona: Editorial UOC, 2014.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogerio. Cultura pop. Salvador: EDUFBA, p. 45-56, 2015.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Editora ALEPH, 2014.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Introdução. In: JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Cultura da Conexão. Criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

JENKINS, Henry. Invasores do texto: fãs e cultura participativa; tradução Érico Assis. Nova Iguaçu, RJ: Marsupial Editora, 2015.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru: EDUSC, 2001.

KISCHINHEVSKY, Marcelo. Rádio e mídias sociais: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad Editora Ltda, 2016.

KOLINSKI MACHADO, Felipe Viero. Homens que se veem: masculinidades nas revistas Junior e Men’s Health Portugal. Ouro Preto: Editora UFOP, 2018.

LOPES, Denilson. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

LOPEZ, Debora Cristina. Radiojornalismo hipermidiático. Estudos em Comunicação, 2010.

LOPEZ, Debora. Cristina. (Re) Construindo o conceito de audiência no rádio em cenário de convergência. In: Valci Zuculoto; Debora Cristina Lopez; Marcelo Kischinhevsky. (Org.). Estudos radiofônicos no Brasil 25 anos do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom. 1ed.São Paulo: Intercom, 2016, v. 1, p. 326-342.

MEDITSCH, Eduardo. A informação sonora na webmergência: sobre as possibilidades de um radiojornalismo digital na mídia e pós-mídia. In: MAGNONI, A. F.; CARVALHO, J. F. de (Org.). O novo rá- dio: cenário da radiodifusão na era digital. São Paulo: Senac, 2010. p. 203-238.

NICHOLSON, Linda. Interpretando gênero. Estudos Feministas, v.8, n.2, p. 9-41, 2000.

PRATA, Nair. Webradio: novos gêneros, novas formas de interação. Florianópolis: Editora Insular, 2009.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede. Comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. 2ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 05, p.17-44, 2010.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres. Notas sobre a “Economia Política” do sexo. Tradução de Christine Rufino Dabat. Recife: SOS Corpo, 1993.

SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogerio.Cultura pop. Salvador: EDUFBA, 2015.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu (28), janeiro-junho de 2007.

SILVA, Marcia Veiga da. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Editora Vozes, p. 73-103, 2000.

SOARES, Thiago. Abordagens teóricas para estudos sobre cultura pop. Logos, v. 2, n. 24, 2014.

SONTAG, Susan. Notas sobre Camp. In: Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

STEWART, Kathleen. Ordinary affects. Durham: Duke University Press Book. 2007

VIANA, Luana. Reportagens radiofônicas expandidas: uma proposta de conceituação. In: 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2017, Curitiba-PR. Anais do 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo-SP: Intercom, 2017. p. 1-14.

WARNER, Michael (editor). Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis/London, University of Minnesota Press, 1991.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOPES, Guacira (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p. 35-82, 2000.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomas Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 7-72, 2000.

Publicado
2020-07-03
Edição
Seção
Dossiê - Podcasting e a remediação da linguagem radiofônica