WhatsApp no radiojornalismo

As estratégias do ouvinte repórter para emplacar pautas na programação

Palavras-chave: Radiojornalismo, WhatsApp, Sugestão de pauta, Estratégias, Ouvinte

Resumo

Brecht (2005), no início, já previa: os ouvintes deviam ser os grandes abastecedores do rádio. Das cartas até o WhatsApp, chegamos a um patamar em que o ouvinte não só participa da programação – ele critica, sugere, elogia, interage, interfere na programação. Esse artigo busca analisar as estratégias utilizadas pelo que definimos como ‘ouvinte repórter’ no programa O Povo no Rádio, da Rádio O POVO CBN, para emplacar pautas na emissora. Para isso, complementamos os conceitos de ‘atos’ e ‘marcas de jornalismo’ (STEARNS, 2013; FÍGARO, 2018) para entender como os gatekeepers (WOLF, 2009) da emissora encaminham as pautas sugeridas pelos ouvintes. Analisamos as mensagens enviadas para o WhatsApp da emissora durante 22 dias úteis, entre 6h e 10h20 da manhã. Percebemos que os ouvintes utilizam principalmente, como estratégia para emplacar pautas, elementos jornalísticos ligados aos princípios básicos da profissão, como a descrição objetiva do problema e a identificação exata do acontecimento.

Biografia do Autor

Edgard Patrício, Universidade Federal do Ceará

Jornalista. Professor do Curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará

Rachel Gomes Braga Monte, Universidade Federal do Ceará

Jornalista. Mestra em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

BRECHT, B. Teoria do rádio (1927-1932). In: MEDITSCH, E. (org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005.
FÍGARO, R. (org.). As relações de comunicação e as condições de produção no trabalho de jornalistas em arranjos econômicos alternativos às corporações de mídias: Relatório final Projeto de Pesquisa FAPESP. São Paulo: ECA-USP, 2018.
STEARNS, J. Acts of Journalism: defining press freedom in the digital age. FreePress, 2013.
WOLF, M. Teorias da Comunicação. Tradução de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Editorial Presença, 2009.
NEUBERGER, R. S. A. O Rádio na era da convergência de mídias. Cruz das Almas-BA: Editora UFRB, 2012.
KLOCKNER, L. Radiojornalismo de serviço: o rumo da AM em tempos de internet. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO, 23., 2000, Manaus. Anais […]. Manaus, 2000.
LOPEZ, D. C. Radiojornalismo hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica. 2009. 301 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2009.
LOPEZ, D. C. Radiojornalismo hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica. Covilhã, Portugal: LabCom, 2010. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20110415debora_lopez_radiojornalismo.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.
KAPLÚN, M.; MEDITSCH, E.; BETTI, J. G. (orgs.). Produção de Programas de Rádio: do roteiro à direção. Florianópolis: Editora Insular, 2017.
KISCHINHEVSKY, M. Rádio e Mídias sociais: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.
KISCHINHEVSKY, M.; MODESTO, C. F. Interações e mediações: Instâncias e apreensão da comunicação radiofônica. Questões Transversais, v. 2, p. 12-20, 2014.
BUCCI, E. A Imprensa e o dever de liberdade. São Paulo: Editora Contexto, 2011.
QUADROS, C.I. de.; BESPALHOK, F. L. B.; BIANCHI, G. S.; KASEKER, M. P. Perfis de ouvintes: perspectivas e desafios no panorama radiofônico. Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 189-209, jan./abr. 2017.
SÁ, A. AM do Povo: trajetória de uma rádio pioneira (1982-2012). Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2013.
FERRARETTO, L. A. Rádio: o veículo, a história e a técnica. São Paulo: Sagra Luzzato, 2001.
MARTÍ, J. M. M. La programación radiofónica. In: MARTÍNEZ-COSTA, Ma Pilar e
MORENO, Elsa M. (orgs.). Programación radiofônica. Barcelona: Ariel, 2004.
DANELLI, C.; ORLANDO, S. O uso do WhatsApp na rotina produtiva da emissora de rádio BandNews Fluminense FM. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 38., 2015, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: INTERCOM, 2015.
ORTRIWANO, G. S. A Informação no Rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. 2. ed. São Paulo: Summus, 1985.
TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: por que as notícias são como são? 2. ed.
Florianópolis: Insular, 2005.
Publicado
2021-01-31
Seção
Artigos