Verdade, Vida e Philia: O Eixo Nietzsche-Deleuze-Kiarostami

  • Susana Viegas Ifilnova - FCSH Universidade Nova de Lisboa e Deakin University
Palavras-chave: Gilles Deleuze, Friedrich Nietzsche, Abbas Kiarostami, documentário, fabulação

Resumo

Este ensaio tem como objetivo principal delinear as origens filosóficas do conceito de ‘fabulação’ em Deleuze, conceito bergsoniano que será relacionado com a interpretação do texto nietzschiano, “Como o ‘mundo verdadeiro’ se tornou finalmente fábula”, com o objetivo de esclarecer no que consiste o terceiro tipo de imagem-tempo, o devir. Com destaque dado aos processos de devir nos documentários de fabulação, género representado por realizadores tão diferentes como Pierre Perrault, Jean Rouch, Pedro Costa, Joshua Oppenheimer, ou Adirley Queirós, iremos proceder a uma análise pormenorizada do filme Close-Up (1990), de Abbas Kiarostami. As imagens do documentário de fabulação definem-se pela ambiguidade entre ficção e não-ficção, entre autenticidade e encenação, controvérsia e choque. Qual o interesse filosófico e o alcance estético, ético e existencial desta prática artística? Qual o sentido e o valor artístico neste género?

Biografia do Autor

Susana Viegas, Ifilnova - FCSH Universidade Nova de Lisboa e Deakin University

Susana Viegas é desde 2014 bolseira de pós-doutoramento da FCT no Ifilnova/Universidade Nova de Lisboa e na Universidade de Deakin sob orientação de James Williams e João Mário Grilo. Licenciada e mestre em filosofia, doutorou-se em Filosofia, variante Estética, na Universidade Nova de Lisboa em 2013 com uma dissertação sobre a filosofia do cinema em Gilles Deleuze tendo recebido uma bolsa de doutoramento da FCT (2007-2011). Colaborou no projeto do Ifilnova "Film & Philosophy: Mapping an encounter" e é coeditora da ‘Cinema: Revista de Filosofia e da Imagem em Movimento’ (cjpmi.ifilnova.pt). 

Referências

CHAUDHURI, Shohini; FINN, Howard. “The open image: poetic realism and the New Iranian Cinema”, Screen 44.1, 2003: 38-57.

DELEUZE, Gilles. A Imagem-Tempo. Tradução de Eloísa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. Tradução de Pedro Eloy Duarte. Lisboa: Edições Século XXI, 2000.

DELEUZE, Gilles. L’Île déserte et autres textes. Textes et entretiens 1953-1974. Paris: Les éditions de Minuit, 2002.

DELEUZE, Gilles. Proust et les signes. Paris: Presses Universitaires de France, 2003.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche et la philosophie. Paris: Presses Universitaires de France, 2010.

BÉNARD, M.-C. “Close Up, découpage en séquences”, Cahier des Ailes du Désir 11, supplément, 2003. Disponível em: http://www.ailesdudesir.com/revue/revue11sup.htm. Acesso em 14/10/2017.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Tradução de Paulo Osório de Castro. Lisboa: Círculo de Leitores, 1996.

NIETZSCHE, Friedrich. “Acerca da verdade e da mentira em sentido extramoral”, trad. Helga Hoock Quadrado. In Obras escolhidas de Nietzsche I. Lisboa: Círculo de Leitores, 1996.

STIEGLER, Bernard. “On Abbas Kiarostami’s Close Up”, Parrhesia: A Journal of Critical Philosophy 20, p.40-48, 2014. Disponível em: https://www.parrhesiajournal.org/parrhesia20/parrhesia20_stiegler.pdf. Acesso em 14/10/2017.

Publicado
2018-08-10
Seção
ArteFilosofia - Philosophy and art