A hermenêutica e seus excessos: a crítica de Gumbrecht a Vattimo

  • Fabio Caprio Leite de Castro Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Sabrina Ruggeri Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Hermenêutica, presença, Gumbrecht, Vattimo

Resumo

Este trabalho pretende realizar uma confrontação entre as obras de Vattimo e Gumbrecht, tomando para isso um horizonte de fundo que os assemelha enquanto atores de um duplo compartilhamento: tanto da herança heideggeriana, como de um mesmo projeto crítico-filosófico que os torna intérpretes da cultura contemporânea. As divergências estruturantes desta confrontação, as quais devem servir de guia para nossa análise comparativa, contudo, vêm à frente nas diferentes reações assumidas por cada um dos autores diante do conceito heideggeriano de história do Ser [Seinsgeschichte] – especialmente no que tange à compreensão da estrutura da experiência do Ser – e, como consequência, o entendimento de cada um quanto à hermenêutica e o seu significado para uma crítica da cultura. A última temática a ser extraída deste diálogo, por fim, reside na essencial diferença da compreensão de Vattimo e Gumbrecht quanto ao modo de superar a metafísica na contemporaneidade: se pela via da assunção de um niilismo hermenêutico, ou então se numa procura pela presença outrora esquecida das coisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Caprio Leite de Castro, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor em Filosofia pela Université de Liège (Bélgica)

Professor do Programa de Pós-graduação em Filosofia da PUCRS 

Sabrina Ruggeri, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestra em Filosofia (PUCRS)

Doutoranda em Filosofia (PUCRS)

Referências

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência, Stimmung: sobre um potencial oculto na literatura. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2014.

________. Graciosidade e estagnação: ensaios escolhidos. In: VILLAS BOAS, Luciana (Org.). Tradução de Luciana Villas Bôas e Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2012.

________. Nosso amplo presente: o tempo e a cultura contemporânea. Tradução de Ana Isabel Soares. São Paulo: Unesp, 2015.

________. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2010.

HEIDEGGER, Martin. “A origem da obra de arte”. In: MOOSBURGER, L. B. “A origem da obra de arte” de Martin Heidegger: tradução, comentário e notas. Curitiba: UFPR, 2007. 149 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Gradução em Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007, p. 2-80.

________. Contribuições à filosofia: do acontecimento apropriador. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Via Verita, 2015.

RUGGERI, Sabrina. “O choque do insuspeitado: Heidegger e a verdade da obra de arte”. Peri, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 120-135, 2015.

________. “Substancialidade e presença: acenos de Gumbrecht para o conceito heideggeriano de ser”. Kínesis, Marília, v. 7, n. 13, p. 117-132, jul. 2015.

SCOPINHO, Sávio Carlos Desan. Filosofia e sociedade pós-moderna: crítica filosófica de G. Vattimo ao pensamento moderno. Porto Alegre: Edipucrs, 2004.

TEIXEIRA, Evilásio Borges. A fragilidade da Razão: pensiero debole e niilismo hermenêutico em Gianni Vattimo. Porto Alegre: Edipucrs, 2013.

VATTIMO, Gianni. “Dialetica, differenza, pensiero debole”. In: VATTIMO, Gianni; ROVATTI, Pier Aldo (Org.). Il pensiero debole. Milão: Feltrinelli, 1992.

________. Etica de la interpretación. Tradução de José Luis Etcheverry. Buenos Aires: Paidos, 1992.

________. Introdução a Heidegger. Tradução de João Gama. Lisboa: Piaget, 1996.

________. La fine de la modernità. Milão: Garzanti, 1985.

________. La società trasparente. Milão: Garzanti, 1989.

________. Les aventures de la différence. Tradução de Pascal Gabellone et al. Paris: Minuit, 1985.

________. Oltre l’interpretazione. Roma: Laterza, 2002.

Publicado
2019-02-18
Seção
Dossiê