História da música popular e enquadramento

  • Claudia Pellegrini Drucker Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Filosofia da arte, filosofia da música, história da música, modernismo, pós-modernismo

Resumo

As dificuldades patentes envolvidas na pergunta sobre o tratamento filosófico adequado a dar à música popular são de várias ordens.  A história da filosofia partiu da premissa que esta música não é artística, pois não é erudita, e deu prioridade à sua inserção social, definindo-a como nada além de mercadoria. Neste artigo, enfatizo que a premissa está diretamente associada a uma “narrativa mestra” em que a definição de música artística e sua história se reforçam mutuamente para excluir a música popular do âmbito da música artística.  Esta narrativa concede um lugar privilegiado à música modernista ou de vanguarda.  O que foi chamado pós-modernismo não nega a validade da história da arte, apenas a sua validade como padrão de medida (enquadramento) excludente.  A liberação diante de categorias tradicionais (ou desenquadramento) permite também suspeitar da existência de uma história incipiente da música popular, o que é feito aqui como análise de uma literatura específica.  Haveria na literatura brasileira já volumosa uma tentativa de determinar o modo de ser da música popular e, por conseguinte, os seus critérios de realização ou fracasso?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Pellegrini Drucker, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

Adorno, Theodor. O fetichismo na música e a regressão da audição. Tradução de Luiz João Baraúna, revista por João Marcos Coelho. In: Benjamin, Adorno, Horkheimer, Habermas. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p. 65-108. (Os Pensadores v. 43.)

___. Moda intemporal: jazz. In:_____. Prismas: crítica cultural e sociedade. Tradução de A. Wernet e J. M. B. de Almeida. São Paulo: Ática, 1998.

Andrade, Mário de. “Música popular”. In: ________. Música, doce música. São Paulo: Martins, 1963 [1934]. (Obras completas de Mário de Andrade VII.)

Belting, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Cosac Naify, 2006 [1994].

Cahoone, Lawrence E (org.). From Modernism to Postmodernism: An Anthology. Oxford: Blackwell, 1996.

Campos, Augusto de (org.) Balanço da bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, 1968.

Castro Gomes, Ângela, e Abreu Marta. Apresentação. Revista Tempo, 2009, n. 26, pp. 1-14.

Chasteen, John Charles. National Rhythms, African Roots: The Deep History of Latin American Popular Dance. Albuquerque: University of New Mexico Press, 2004.

Connor, Steven (ed.). The Cambridge Companion to Postmodernism. Cambridge University Press, 2004.

Cunha, Maria Clementina Pereira. “Não me ponha no xadrez com este malandrão”: Conflitos e identidades entre sambistas no Rio de Janeiro no início do século XX. Afro-Ásia, 38, 2008, pp. 179-210. https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/21165

Danto, Arthur. Após o fim da arte – A arte contemporânea e os limites da História. Tradução de Saulo Krieger. São Paulo: Edusp, 2010.

Dohmont, Francis. Le postmodernisme en musique : aventure néobaroque ou Nouvelle aventure de la modernité? Postmodernisme v. 1, n. 1, 1990, pp. 30-1.

Duarte, Rodrigo. Da filosofia da música à música da filosofia. Uma interpretação do itinerário filosófico de Theodor w. Adorno. Em: ____. Adornos. Nove ensaios sobre o filósofo frankfurtiano. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1997.

Gendron, Bernard. Between Montmartre and the Mudd Club: Popular Music and the Avant-Garde. Chicago UP, 2002

Habermas, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Trad. L. S. Repa e R. Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000 [1985].

Hobbs, Stuart D. The End of the American Avant-Garde. Nova York: New York UP, 1997

Jameson, Fredric 1996 [1991]. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. Trad. Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Ática.

Keister, Jay. “The Long Freak Out”: musique inachevée et folie contre-culturelle dans le rock d’avant-garde des années 1960 et 1970. Trad. Dario Rudy et Laura Hylton. Volume ! La revue des musiques populares, 9.2, 2012. http://journals.openedition.org/volume/3409

Kramer, Jonathan. Postmodern Music, Postmodern Listening. Ed. Robert Carl. Nova York e Londres: Blomsbury, 2006. E-book.

Leppert, Richard. Commentary. In: Adorno, Theodor. Essays on Music. Seleção, introdução, comentários e notas de Richard Leppert. Tradução de Susan Gillespie. Berkeley e Los Angeles. University of California Press, 2002.

Lopes, Nei. A presença africana na música popular brasileira. ArtCultura: Revista do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia, vol. 6, no. 9, 2004. < http://www.seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/1370

Lyotard, Jean-François 2009 [1979]. A condição pós-moderna. Trad. R. Barboza. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009 (12ª. Ed.).

Matos, Claudia: Acertei no milhar: Samba e malandragem no tempo de Getúlio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

Montinari, Mazzino 1997. La “Volonté de puissance” n’existe pas. Trad. Patricia Farazzi e Michel Valensi. Paris; Éditions d’éclat. E-book < https://poars1982.files.wordpress.com/2008/06/mazzino_montinari__la_volonte_de_puissance_nexiste_pas.pdf>

Paddinson, Max. Stravinsky as the devil: Adorno’s Three Critiques. In: Cross. Jonathan (org.). Cambridge Companion to Stravinsky. Cambridge UP, pp. 176-202.

Schoenberg, Arnold. Harmonia. Trad. Marden Maluf. São Paulo: Editora da UNESP, 2011 [1910].

Scott, Derek B. Postmodernism and Music. In: Sim, Stuart. Routledge Companion to Postmodernism, Londres e Nova York, 2001.

Taylor, Victor E. e Winquist, C. E (ed.). Encyclopedia of Postmodernism. Londres e Nova Iorque: Routledge, 2001.

Taylor, William “Billy”. “Jazz: America's Classical Music.” The Black Perspective in Music, vol. 14, no. 1, 1986, pp. 21–25. JSTOR, JSTOR, www.jstor.org/stable/1214726.

Vattimo, Gianni. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2002 [1985].

___. “The End of (Hi)story”. Chicago Review 35, no. 4, 1987, pp. 20-30. doi:10.2307/25305376.

Velloso, Mônica Pimenta. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, 1987.

Vianna, Hermano. O mistério do samba. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ e Zahar, 1995.

Weber, Max. Os fundamentos racionais e sociológicos da música. Trad. Leopoldo Waizbort. São Paulo: Editora da USP, 1995 [1956].

Publicado
2019-02-18
Seção
Diversos