A AMBIVALÊNCIA DA TÉCNICA E O FIM DA HISTÓRIA

  • Manuela Fantinato PUC-Rio
  • Pedro Duarte PUC-Rio
Palavras-chave: história, pós-história, técnica, escrita, imagem

Resumo

Walter Benjamin e Vilém Flusser são duas figuras que permitem contar a difícil história do século XX em duas partes. O primeiro denunciou a ambivalência dessa história moderna: o processo cultural produzia também barbárie, e o fazia através da técnica, cujo assombro seriam os campos de concentração racionalmente planejados e efetivados. Isso significava abandonar a ideologia do progresso automático da humanidade e do futuro que nos esperaria. Benjamin assinalou a importância de escovar a história a contrapelo para descobrir, no passado, fragmentos reveladores. Já Flusser, que chega ao Brasil no mesmo ano em que Benjamin se suicida na Europa, 1940, nem mesmo considera possível operar nesse modelo de cultura propriamente histórico. Ele está depois do assombro que desnuda a insustentabilidade da concepção moderna de história. Toma a análise dos aparelhos tecnológicos para diagnosticar uma pós-história, na qual a escrita cede espaço para as imagens. Para ele, a segunda metade do século XX precisa responder a um mundo cheio de imagens técnicas, o que só poderia ser feito através de um pensamento fragmentado e performático – que não deixaria de ter como seu antepassado o ensaísmo de Walter Benjamin.

Biografia do Autor

Manuela Fantinato, PUC-Rio
Historiadora, mestre em Letras, doutora em História Social da Cultura, todos pela PUC-Rio, atualmente e pós-doutorante em filosofia, pela mesma universidade, com bolsa do CNPq. Foi pesquisadora visitante na Universidad Nacional de Rosário, Argentina, e na Brown University, EUA.
Pedro Duarte, PUC-Rio
Professor-Doutor de Filosofia da PUC-Rio. Foi Professor Visitante nas universidades Brown (EUA) e Södertörns (Suécia). É autor dos livros "Estio do tempo: Romantismo e estética moderna" (Zahar), "A palavra modernista: vanguarda e manifesto" (Casa da Palavra) e "Tropicália" (Cobogó).

Referências

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”. Obras Escolhidas Volume I. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

____. “Sobre o conceito de história”. Obras Escolhidas Volume I. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

CARDOSO, Rafael. “Introdução”. In: FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

DUARTE, Rodrigo. Pós-história de Vilém Flusser: gênese anatomia desdobramentos. São Paulo: Annablume, 2012.

FLUSSER, Vilém. Bodenlos, uma autobiografia filosófica. São Paulo: Annablume, 2007.

____. A escrita. Há futuro para a escrita? São Paulo: Annablume, 2010.

____. Da futilidade da história. In: Suplemento literário. Jornal Estado de S. Paulo, 7 de maio de 1966.

____. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Annablume, 2011.

____. Gestos. São Paulo: Annablume, 2014.

____. O mundo codificado. Por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

____. Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Annablume, 2011.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1999.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “As utopias de Flusser”. In: Flusser Studies. n. 15. Maio 2013.

____. “De Flusser a Benjamin - do pós-aurático às imagens técnicas”. In: Flusser Studies. n. 8. Maio 2009, pp. 1-17.

____. (Org.) Leituras de Walter Benjamin. São Paulo: Fapesp; Annablume, 2007.

____. “Para uma filosofia do exílio: A. Rosenfeld e V. Flusser sobre as vantagens de não se ter uma pátria”. Revista Eletrônica do NIEJ/UFRJ, Ano I, n. 3, 2010.

SZONDI, Peter. “Esperança no passado”. In: Artefilosofia, n. 6, Maio 2009.

Publicado
2019-10-03
Seção
Dossiê