Mo pèé ìba méta làá b’ okán: “Eu invoco vezes três são como uma” - O sistema Exú-estéreo para ouvir e ver a Diasporadical Trilogia de Blitz The Ambassador.

  • Rafael Pinto Ferreira de Queiroz Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Palavras-chave: Blitz the Ambassador, rap, Exú, Stereomodernism, diáspora, pan-africanismo, estética afrocentrada

Resumo

O presente ensaio propõe-se a fazer uma análise culturológica da Diasporadical Trilogia, um curta-metragem formado por três videoclipes de três diferentes músicas do álbum Diasporadical (2016), do rapper ganês Blitz the Ambassador. Com uma narrativa interconectada, através de uma mesma personagem que vive diferentes vidas em diferentes espaços-tempo, o filme oferece um constructo estético-político ligado também por um pensamento pan-africanista e uma interpretação da cosmogonia ioruba. Como método de análise, faremos a proposição de entrecruzamento de duas ferramentas epistemológicas que, como apresentados na sequência, sugerem possibilidades para sua aplicabilidade simultânea. A primeira seria o conceito de Stereomodernism sugerido pela autora Tsitsi Ella Jaji (2014) e na sequência a apropriação que Luiz Rufino (2014) faz de Exú como teoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Pinto Ferreira de Queiroz, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Doutorando do PPGCOM-UFPE, da linha de pesquisa Estéticas da Imagem e do Som, Mestre em Comunicação pelo mesmo programa. Pesquisa atualmente a música negra diaspórica como ferramenta de solidariedade, resistência e orgulho das populações afrodescendentes.

Referências

BARBOSA, Muryatan Santana. Pan-africanismo e teoria social: uma herança crítica. África, São Paulo. v. 31-32, p. 135-155, 2011/2012.

DRAVET, Florence. Exu, o andrógino canibal: aproximações entre mitologia e imaginário antropófago brasileiro para pensar alteridade. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 1-14, maio, junho, julho e agosto de 2018.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Ed. 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

HUNTER, Lorien R. African State of Mind: Hip Hop, Identity and the Effects of Africa Rising. Ann Arbor: ProQuest, 2017.

JAJI, Tsitsi Ella. Africa in Stereo: Modernism, Music, and Pan-African Solidarity. New York: Oxford University Press, 2014.

PAIM, Márcio. Pan-africanismo: tendências políticas, Nkrumah e a crítica do livro Na Casa De Meu Pai. Sankofa (São Paulo), São Paulo, v. 7, n. 13, p. 88-112.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RUFINO, Luiz. Histórias e saberes de jongueiros. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

____________. Pedagogia das Encruzilhadas. Revista Periferia, v.10, n.1, p. 71 - 88, Jan./Jun. 2018

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagô e a morte. Petrópolis: Vozes, 2008.

WEHELIYE, Alexander G. Engendering Phonographies: Sonic Technologies of Blackness. small axe, 44, Jul. 2014.

Publicado
2020-04-30