Filosofia é Blues

Palavras-chave: Filosofia africana, Estética africana, African philosophy

Resumo

O álbum Bluesman de Baco Exu do Blues simboliza um marco estético para o cenário brasileiro. Utilizando a figura do bluesman, o músico provoca o discurso hegemônico ao desconstruir o estereótipo dos corpos negros alimentado pela mente colonial e, ao mesmo tempo, incita o encantamento através das vozes periféricas que promovem uma filosofia da cosmopercepção. Dessa maneira, este ensaio faz uso de conceitos da filosofia afrodiaspórica para construir, a partir de Bluesman, um princípio estético negro e africano através da dialética fanoniana criando os conceitos de anterioridade, constituição africana e perversão. Com esse caminho espera-se articular, especialmente nas músicas “Bluesman”, “Minotauro de Borges” e “B.B. King”, a compreensão da vivência negra e africana com a produção filosófica da diáspora africana.

Biografia do Autor

Luís Thiago Freire Dantas, Universidade do Estado do Rio do Janeiro/ Professor de Filosofia da Educação
Doutor e mestre em Filosofia pela UFPR. Especialista em Educação das Relações Étnico-Raciais pelo NEAB/UFPR. Licenciado em Filosofia pela UFSE.

Referências

AMENEMOPE. Ensinamentos de Ame-ne-mope. In: ARAUJO, Emanuel. Escritos para a Eternidade. Brasília: Editora da Universidade de Brasilia, 2000.

ASANTE, Molefi Kete. Kemet, Afrocentricity, and Knowledge. Trenton: Africa World Press, 1990.

AKOMFRAH, John. O último anjo da história. Reino Unido: Black Audio Film Collective, 1995.

AKOMFRAH, John. Digitopia e espectros da diáspora. In: MURARI, Lucas; SOMBRA, Rodrigo (Org.). O cinema de John Akomfrah: Espectros da Diáspora. Rio de Janeiro: LDC, 2017.

CESAIRE, Aimé. Cultura e colonização. In: SANCHES, Marcela Ribeiro. As malhas que os impérios tecem: textos anticoloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2011.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vagalumes. Tradução de Vera Casa nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: EDUFMG, 2011.

DIOP, Cheikh Anta. Nation Negre et Culture: de l’antiqué nègre égyptienne aux problèmes culturels de l’Afrique Noire d’aujpurd’hui. Paris: Presence Africaine.

DUSSEL, Enrique. Europa, Modernidade e Eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). Colonialidade do poder: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Buenos Aires: CLACSO, p. 227-278.

EXU DO BLUES, Baco. OldMonkey (Ep). 999, 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mobApTP5FwI Acesso em: 28/08/2019.

EXU DO BLUES, Baco. Esú. 999, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rWwZuscT5Xg&t=199s Acesso em: 28/08/2019.

EXU DO BLUES, Baco. Bluesman. 999, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SoTkm5LkGKg&t=467s Acesso em 28/08/2019.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Tradução de Renato de Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Condenados da Terra. Tradução de Elenice Albergaria Rocha. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2010.

FOE, Nkolo. África em diálogo, África em autoquestionamento: universalismo ou provincialismo? “Acomodação de Atlanta” ou iniciativa histórica? Educar em Revista. Tradução de Roberto Jardim da Silva. Curitiba, Brasil, n. 47, p. 175-228, jan./mar, 2013.

HADOT, Pierre. Exercícios espirituais e filosofia antiga. São Paulo: É Realizações, 2014.

KARENGA, Maulana. Maat: the moral idea in ancient Egypt. Nova York: Ed. Routledge, 2004.

JAMES, George. Stolen Legacy: Greek Philosophy is Stolen Egyptian Philosophy. London: The ournal of Pan African Studies 2009

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Tradução de Marta Lança. Lisboa: Ed. Antígona, 2014.

NOGUERA, Renato. A ética da serenidade: o caminho da barca e a medida da balança na filosofia de Amen-em-ope. Ensaios Filosóficos, Volume VIII – Dezembro, 2013, p. 139-155.

OBENGA, Theophille. La Philosophie africaine de la période pharaonique. 2780-330 avant notre ère. Paris: Editions L’Harmattan, 1990.

ONDÓ, Eugênio Nkogo. Síntesis sistemática de la filosofia africana. Barcelona: Ediciones Carena, 2001.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórulo, 2018.

SOW, Ibrahima. La philosophie africaine : du porquoi au comment. Dakar : NENA, 2012.

TOWA, Marcien. A ideia de uma filosofia negro-africana. Belo Horizonte: Ed. Nandyala, 2015.

Publicado
2020-04-30