Keita!

O legado do Griot em benefício do cinema & vice et versa

  • Carla Damião Universidade Federal de Goiás
  • Lincoln Nascimento Cunha Jr Instituto Federal da Bahia
Palavras-chave: Cinema africanao, Griot, Afrocentricidade, Pós-colonialismo

Resumo

Os sentimentos pan-africanista e anti pós-colonialista sempre estiveram presentes no cinema africano ao sul do Saara. O meio do cinema foi um instrumento contra os processos de dominação, tanto dos antigos colonizadores europeus, quanto de seus novos dirigentes ou de sua elite burguesa, que florescia nos anos pós-independências. Seja no didatismo de Sembène ou no cinema lúdico e irônico, como Touki Bouki do cineasta Djibril Diop Mambety, os filmes não se afastaram de um cinema emancipador, expressando aspectos anticolonialista e concepções afrocêntricas. Neste artigo apresentamos uma análise filme Keita! O legado do griot do cineasta burkinabê Dani Kouyaté, com ênfase na compreensão afrocentrada das possibilidades de uma emancipação cultural e formadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Damião, Universidade Federal de Goiás
Professora doutora de Filosofia, Estética e Filosofia da Arte na Faculdade de Filosofia e dos Programas de Pós-Graduação em Filosofia e Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás (UFG).
Lincoln Nascimento Cunha Jr, Instituto Federal da Bahia
Professor de Filosofia do Instituto Federal da Bahia, mestre em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz, pela Programa de Pós-Graduação "Linguagens e representações".

Referências

ASANTE, Molefi K. Afrocentricidade: Notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 93-110. (Coleção Sankofa: matrizes africanas da cultura brasileira 4).

BÂ, A. Hampaté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph. (Ed.). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p. 167-212.

DAMIÃO, Carla M./ALMEIDA, Fábio F. Estética em preto e branco. E-book: Disponível em: https://cegraf.ufg.br/p/25482-ebook-grafica-ufg. Acesso em junho de 2019.

ELUNGU, E. P. A. Tradição africana e racionalidade modena. Luanda, Angola: Mulemba; Ramada, Portugal: Pedago, 2014. (Coleção Reler África).

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Tradução José L. de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HAMA, Boubou; KI-ZERBO, J. Lugar da história na sociedade africana. In: KI-ZERBO, Joseph. (Ed.). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p. 23-36.

JONES-HOGU, Barbara. The History, Philosophy and Aesthetics of AFRICOBRA. Disponível em: http://www.areachicago.org/the-history-philosophy-and-aesthetics-of-africobra/. Acesso em junho 2019.

KEITA! O legado do griot. Direção: Dani Kouyaté. Ouagadougou, Kurkina Faso; Paris, França: Les Productions de la Lanterne; Sahélis Productions, 1995. 35 mm, 94 min. Disponível em : <https://www.youtube.com/watch?v= 8uSHgO7AE28>. Acesso em ago. 2013.

KI-ZERBO, Joseph. Introdução Geral. In: ______. (Ed.). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p. XXXI-LVII.

KOUYATÉ, Dani. Informações. Disponível em: <http://www.dani-Kouyaté.com/> Acesso em out. de 2015.

MAZAMA, Ama. A afrocentricidade como um paradigma. IN: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 111-127. (Coleção Sankofa: matrizes africanas da cultura brasileira 4).

NIANE, D. T. O Mali e a segunda expansão Manden. In: ______. (Ed). História Geral da África, IV: África do século XII ao XVI. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p. 133-192.

______. Sundjata ou A Epopéia Mandinga. Trad. Oswaldo Biato. São Paulo: Ática, 1982. (Coleção de autores africanos; 15).

NORA, Pierre. Entre Memória e História: A problemática dos lugares. Tradução Yara Aun Khoury. In: Projeto História, São Paulo, n°. 10, p. 7- 28, dez. 1993.

OLIVEIRA, Eduardo D. de. Filosofia da Ancestralidade: Corpo e Mito na Filosofia da Educação Brasileira. 2005. 353 f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira)– Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005. Disponível em : http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/36895 >. Acesso em 05 ago. 2019.

PARÉ, Joseph. Keïta! L’héritage du griot : l’esthétique de la parole au service de l'image. Cinémas: revue d'études cinématographiques / Cinémas: Journal of Film Studies, vol. 11, n° 1, 2000, p. 45-59. Disponível em <http://id.erudit.org/iderudit/024833ar>. Acesso em mai. 2015.

REVENGA, Verónica Quevedo. La voz del cine africano desde sus orígenes al presente. Quaderns de cine. Universidad de Alicante, Espanha, v. 7, n. 7, 2011, p. 7-16. Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/ejemplar/376960>. Acesso em 05 mai. 2015.

ROELOFS, Monique. “Estética, endereçamento e ‘sutilezas’ raciais”. In: DAMIÃO, C.M./ALMEIDA, F.F. (Org.). Estética em Preto e Branco, p.9-34. Disponível em: https://cegraf.ufg.br/p/25482-ebook-grafica-ufg. Acesso em junho de 2019.

SOUZA, Victor Martins de. Diálogo em imagens e imagens em diálogos: Um estudo dos projetos estéticos de Glauber Rocha e Sembene Ousmane. Revista Brasileira do Caribe, Goiânia, V. XI, n. 21, jul/dez. 2010, p. 103-128.

TAVARES, Mirian. Cinema africano: um possível, e necessário, olhar. Contemporânea: comunicação e cultura, UFBA, Salvador, v. 11, n. 3, set./dez. 2013, p. 464-470. Disponível em <http://www.contemporanea.poscom.ufba.br>. Acesso em mai. 2015.

THIONG’O, Ngugi Wa. A descolonização da mente é um pré-requisito para a prática criativa do cinema africano? Termo In: MELEIRO, A. (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado. São Paulo: Escrituras, 2007. p. 25-34. (Coleção Cinema no mundo; v. 1).

VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, Joseph (Ed.). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. p. 139-166.

Publicado
2020-04-30