Figuração e Negritude:

a Arte e o Outro como Ficção

  • Marco Antonio Vieira Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Carl Einstein, Figura, Ficção, Africanidades, Teoria e História da Arte

Resumo

Em Negerplastik, Carl Einstein demonstra a falibilidade da pretensa superioridade da Arte Europeia em relação à Arte Africana, a partir do desmonte da lógica a presidir ao modelo pictórico ocidental da idade clássica ao contrastá-lo à plasticidade escultórica africana. A Arte Ocidental ampara-se em uma arquitetura figural calcada no modelo naturalista cuja potência persuasiva repousa sobre a possibilidade de converter suas narrativas em ficções suficientemente críveis cujo efeito retórico assentou o ‘negro’ como ‘figura’  fabricada pela História e suas estruturas fictícias e imagéticas. Nosso texto propõe a raspagem desta paisagem figural no intuito de compreender como o negro se o pode reinventar a partir da poiesis artística contemporânea. Ao analisar obras de três artistas negros contemporâneos brasileiros, a saber, Rosana Paulino, Dalton Paulo e Antônio Obá, este artigo se ampara nas noções de figura e ficção, como se as estabelecem em alguns marcos textuais da História da Arte e da Teoria da História.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio Vieira, Universidade Federal de Uberlândia
Doutor em Teoria e História da Arte e Mestre em Teoria Literária. Curador independente desde 2007, com exposições de artistas como Rubem Valentim, Athos Bulcão e Vik Muniz. Professor Substituto da Graduação em Artes Visuais, na área de Teoria e História da Arte, da Universidade Federal de Uberlândia, desde abril de 2019.

Referências

ALBERTI, Leon Battista. De la peinture. Tradução para o francês de Jean-Louis Schefer. Paris: Macula Dédale, 1992.

ALLOA, Emmanuel (Org.) “Entre a transparência e a opacidade- o que a imagem dá a pensar” In: Pensar a Imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. pp. 7- 19.

ARASSE, Daniel. “La chair, la grâce, le sublime” In: VIGARELLO, Georges (org.) Histoire du Corps 1. De la Renaissance aux Lumières. Paris: Seuil, 2005. pp.431-500.

ARGAN, Giulio Carlo. “O valor da figura na pintura neoclássica” In: A Arte Moderna na Europa de Hogarth a Picasso. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. pp. 233-243.

BAXANDALL, Michael. Giotto e os oradores – As observações dos humanistas italianos sobre pintura e a descoberta da composição pictórica (1350-1450). São Paulo: EDUSP, 2018.

CERTEAU, Michel de. História e Psicanálise- entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1999.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’image survivante – Histoire de L’Art et Temps des Fantômes selon Aby Warburg. Paris: Minuit, 2002.

EINSTEIN, Carl. Negerplastik. Florianópolis: Editora UFSC, 2011. 302p.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma Poética da Diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013. 142p.

LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. 900 p.

LACAN, Jacques. Le Séminaire- Tome 7 L’Éthique de la Psychanalyse. Paris: Seuil, 1986, p.35.

LIMA, Luiz Costa. História, Ficcção, Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MAURIÈS, Patrick. Cabinets of Curiosities. Londres: Thames & Hudson, 2011. 284p.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: N-1 Edições, 2018. 315p.

MUDIMBE, V.Y. The invention of Africa- Gnosis, Philosophy, and the Order of Knowledge. Indiana: Indiana University Press, 1988. 241p.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: UNICAMP, 2007.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso – ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 2014.

WITTIG, Monique. “The point of View: Universal or Particular?”, Feminist Issues, Vol.3 number 2, p.64, 1983.

Publicado
2020-04-30