Figuração e Negritude: A Arte e o Outro como Ficção

  • Marco Antonio Vieira Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Carl Einstein, Figura, Ficção, Africanidades, Teoria e História da Arte

Resumo

RESUMO

Em Negerplastik, Carl Einstein demonstra a falibilidade da pretensa superioridade da Arte Europeia em relação à Arte Africana, a partir do desmonte da lógica a presidir ao modelo pictórico ocidental da idade clássica ao contrastá-lo à plasticidade escultórica africana. A Arte Ocidental ampara-se em uma arquitetura figural calcada no modelo naturalista cuja potência persuasiva repousa sobre a possibilidade de converter suas narrativas em ficções suficientemente críveis cujo efeito retórico assentou o ‘negro’ como ‘figura’  fabricada pela História e suas estruturas fictícias e imagéticas. Nosso texto propõe a raspagem desta paisagem figural no intuito de compreender como o negro se o pode reinventar a partir da poiesis artística contemporânea. Ao analisar obras de três artistas negros contemporâneos brasileiros, a saber, Rosana Paulino, Dalton Paulo e Antônio Obá, este artigo se ampara nas noções de figura e ficção, como se as estabelecem em alguns marcos textuais da História da Arte e da Teoria da História.

PALAVRAS-CHAVE: Carl Einstein; Figura; Ficção; Africanidades; Teoria e História da Arte

ABSTRACT

 In Negerplastik, Carl Einstein demonstrates the fallibility of the alleged superiority of European Art in relation to its African counterpart. Einstein denounces the logic of the western pictorial model of the classical era by contrasting it to the African sculptural plasticity. Western Art depends on a figurative architecture rooted in naturalism and whose persuasiveness resides in the possibility of converting its narratives into sufficiently credible fictions whose rhetorical effect established ‘blackness’ as a ‘figure’ fabricated by History and its fictional and imagetic structures. This text proposes the scraping of this figurative landscape with a view to understanding how ‘blackness’ might be reinvented by contemporary artistic poiesis. By analyzing the works of three Brazilian black contemporary artists, namely, Rosana Paulino, Dalton Paula and Antônio Obá, this article is anchored in the notions of figure and fiction, as established by textual references in Art History and Theory of History.

KEYWORDS: Carl Einstein, Figure; Fiction; Africanities; Art Theory and History

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio Vieira, Universidade Federal de Uberlândia
Doutor em Teoria e História da Arte e Mestre em Teoria Literária. Curador independente desde 2007, com exposições de artistas como Rubem Valentim, Athos Bulcão e Vik Muniz. Professor Substituto da Graduação em Artes Visuais, na área de Teoria e História da Arte, da Universidade Federal de Uberlândia, desde abril de 2019.

Referências

ALBERTI, Leon Battista. De la peinture. Tradução para o francês de Jean-Louis Schefer. Paris: Macula Dédale, 1992.

ALLOA, Emmanuel (Org.) “Entre a transparência e a opacidade- o que a imagem dá a pensar” In: Pensar a Imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. pp. 7- 19.

ARASSE, Daniel. “La chair, la grâce, le sublime” In: VIGARELLO, Georges (org.) Histoire du Corps 1. De la Renaissance aux Lumières. Paris: Seuil, 2005. pp.431-500.

ARGAN, Giulio Carlo. “O valor da figura na pintura neoclássica” In: A Arte Moderna na Europa de Hogarth a Picasso. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. pp. 233-243.

BAXANDALL, Michael. Giotto e os oradores – As observações dos humanistas italianos sobre pintura e a descoberta da composição pictórica (1350-1450). São Paulo: EDUSP, 2018.

CERTEAU, Michel de. História e Psicanálise- entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1999.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’image survivante – Histoire de L’Art et Temps des Fantômes selon Aby Warburg. Paris: Minuit, 2002.

EINSTEIN, Carl. Negerplastik. Florianópolis: Editora UFSC, 2011. 302p.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma Poética da Diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013. 142p.

LACAN, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. 900 p.

________________. Le Séminaire- Tome 7 L’Éthique de la Psychanalyse. Paris: Seuil, 1986, p.35.

LIMA, Luiz Costa. História, Ficcção, Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MAURIÈS, Patrick. Cabinets of Curiosities. Londres: Thames & Hudson, 2011. 284p.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: N-1 Edições, 2018. 315p.

MUDIMBE, V.Y. The invention of Africa- Gnosis, Philosophy, and the Order of Knowledge. Indiana: Indiana University Press, 1988. 241p.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: UNICAMP, 2007.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso – ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 2014.

WITTIG, Monique. “The point of View: Universal or Particular?”, Feminist Issues, Vol.3 number 2, p.64, 1983.

Publicado
2020-04-30