Proust: um leitor de Schopenhauer

  • Rosa Maria Dias
Palavras-chave: Proust, Schopenhauer, Vocação literária

Resumo

Este estudo tem por objetivo traçar o percurso do narrador de Em busca do tempo perdido na realização de seu projeto literário. Mostrar que é na explicitação da descoberta da sua vocação literária que o narrador nos faz pensar na metafísica do belo de Schopenhauer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Trad. Antonio Carlos Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

HENRY, Anne. La Tentation de Marcel Proust. Paris: Presses Universitaires de France, 2000.

MAIA, Muriel. A Outra Face do Nada. Petrópolis: Vozes, 1991.

PROUST, Marcel. A La Recherche du Temps Perdu. Paris: Editions Gallimard, Bibliothèque de la Pléiade, 1954.

_______________. No Caminho de Swann. Trad. Mário Quintana. Porto Alegre: Editora Globo, 1960.

_______________. À sombra das raparigas em Flor. Trad. Mário Quintana. Porto Alegre: Editora Globo, 1986.

_______________. O caminho de Guermantes. Trad. Mário Quintana. Porto Alegre: Editora Globo, 1983.

_______________. A Prisioneira. Trad. Lourdes Souza de Alencar e Manuel Bandeira. Porto Alegre: Editora Globo, 1971.

_______________. O Tempo Redescoberto. Trad. Lúcia Miguel Pereira. Porto Alegre: Editora Globo, 1970.

SCHOPENHAUER, Arthur. O Mundo como Vontade e Representação. III parte. Trad. Wolfgang Leo Maar e Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

_______________________. Le Monde comme Volonté et comme Représentation. Trad. A. Burdeau. Paris: Presses Universitaires de France, 1966

Publicado
2017-04-25
Edição
Seção
Filosofia . Poética . Crítica