Os espaços da Educação Financeira na formação de professor de Matemática em uma instituição federal de São Paulo

Resumo

A recente homologação da Base Nacional Comum Curricular reforça a necessidade de se pensar no desafio de promover a Educação Financeira, desde as séries iniciais da educação escolar até a formação em nível superior, em especial nos cursos de formação do professor de Matemática, devido ao elo existente entre a Educação Financeira e a Matemática Financeira. Além disso, o aumento dos índices de endividamento da população brasileira, observados nos últimos anos, também reforça a necessidade de um repensar sobre a promoção da Educação Financeira nos ambientes escolares, como parte integrante da formação cidadã do aluno. Enquanto pesquisadores em Educação Matemática, nosso olhar está voltado a conhecer os espaços da Educação Financeira nos cursos de formação inicial do professor de Matemática oferecidos por uma instituição pública federal do Estado de São Paulo, bem como em buscar possibilidades e direcionamentos para a sua promoção nos ambientes escolares, em geral. Essa busca está sendo realizada junto aos formadores de professores, ou seja, professores que atuam nos cursos de Licenciatura em Matemática oferecidos pela instituição, a partir de uma pesquisa qualitativa que privilegia a formação de um grupo que se reuniu virtualmente e foi engajado por meio de um trabalho colaborativo. O diálogo com as contribuições da Educação Matemática Crítica é eminente desde as primeiras discussões do grupo, direcionando as discussões teóricas da pesquisa até o presente momento. Compartilhamos, nesse artigo, uma análise dos planos de ensino das disciplinas voltadas ao tema e das reflexões iniciais desencadeadas no ambiente virtual proposto, junto aos formadores de professores. Até o momento, destacamos uma variação significativa entre as propostas curriculares para a disciplina de Matemática Financeira nos diferentes campi analisados e, ao mesmo tempo, uma aproximação entre os anseios e preocupações em relação ao oferecimento de algo mais voltado para a formação financeira dos futuros professores de Matemática.

Palavras-chave: Educação Financeira. Educação Matemática. Formação de professores. Planos de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSAF NETO, Alexandre. Matemática Financeira e suas aplicações. São Paulo: Atlas. 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BRASIL, Banco Central do Brasil. Educação Financeira funciona? Série Cidadania Financeira – Estudos sobre Educação, Proteção e Inclusão. Brasília: Banco Central do Brasil, 2015.

BRITTO, Reginaldo Ramos de; KISTEMANN JR., Marco Aurélio; SILVA, Amarildo Melchíades da. Sobre discursos e estratégias em Educação Financeira. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 177-208, 2014.

CAMPOS, André Bernardo; KISTEMANN JR, Marco Aurélio. Qual Educação Financeira queremos em nossa sala de aula? Educação Matemática em Revista, Brasília, n. 40, p. 48-56, nov. 2013.

CAMPOS, Celso Ribeiro, TEIXEIRA, James, COUTINHO, Cileda de Queiroz e Silva. Reflexões sobre a Educação Financeira e suas interfaces com a Educação Matemática e a Educação Crítica. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 17, n.3, p. 556-577, 2015.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar prática colaborativa ou pesquisar colaborativamente. In: BORBA, Marcelo de Carvalho; ARAÚJO, Jussara de Loiola. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 53-85.

FULLAN, Michael; HARGREAVES, Andy. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Tradução de Regina Garcez. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

GOUVÊA, Simone Aparecida Silva. Novos caminhos para o ensino e a aprendizagem de Matemática Financeira: construção e aplicação de webquest. 2006. 166f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Tradução de Jorge Ávila de Lima. Portugal: MacGraw-Hill, 1998.

HOFMANN, Ruth Margareth; MORO, Maria Lucia Faria. Educação Matemática e Educação Financeira: perspectivas para a ENEF. Zetetiké, Campinas, v. 20, n. 2, jul./dez. 2012.

KISTEMANN JR., Marco Aurélio. Sobre a produção de significados e a tomada de decisão de indivíduos-consumidores. 2011. 301f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

PELICIOLI, Alex Ferranti. A relevância da Educação Financeira na formação de jovens. 2011. 131f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Escola de Ciências. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

QUEIROZ, Maria Rachel Pinheiro Pessoa Pinto de; BRABOSA, Jonei Cerqueira. Características da Matemática Financeira expressa em livros didáticos: conexões entre a sala de aula e outras práticas que compõem a Matemática Financeira disciplinar. Bolema, Rio Claro, v. 30, n. 56, p. 1280-1299, dez. 2016.

SKOVSMOSE, Ole. Desafios da reflexão em Educação Matemática Crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo e Jonei Cerqueira Barbosa. Campinas: Papirus, 2008.

SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

SKOVSMOSE, Ole. Um convite à Educação Matemática Crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. Campinas: Papirus, 2014.

Publicado
2019-05-01
Seção
Artigos