Conflitos na governança hídrica da bacia do rio São Francisco sob a ótica da colonialidade de natureza

  • Eva Barros University of Amsterdam
  • Fl´ávia Naves Universidade Federal de Lavras
Palavras-chave: conflitos; bacia hidrográfica; colonialidade; Rio São Francisco

Resumo

A governança de recursos hídricos tornou-se, ao longo das últimas décadas, um tema estratégico nos diferentes níveis administrativos. No Brasil não é diferente, entretanto desigualdade e conflitos, que envolvem a governança de recursos hídricos no país ainda é pouco explorada. Assim, o presente artigo busca contribuir para o aprofundamento do debate da governança de recursos hídricos e as relações de poder no Brasil, em específico, na bacia do rio São Francisco. Para isso, partimos de discussões teóricas sobre a colonialidade da natureza, coletamos informações com atores envolvidos na governança hídric por meio de entrevistas que foram interpretadas usando a análise de narrativas. Os achados deste trabalho revelam que o atual modelo de governança de recursos hídricos, adotado na bacia do rio São Francisco, estrutura-se numa consensualidade que esconde relações de poder, em que as decisões estão a cargo de um pequeno grupo, com maior poder e que não representa os interesses da grande maioria que habita a bacia. Os conflitos entre os grupos vulneráveis e grupos dominantes que marcam a bacia do São Francisco são apagados à medida que os primeiros sequer são reconhecidos como atores sociais e cidadãos.

Biografia do Autor

Fl´ávia Naves, Universidade Federal de Lavras

Professora do Departamento de Administração e Economia da UFLA, coordenadora do Laboratório de Estudos Transdisciplinares (LETRA)

Referências

ABERS, R. N. Organizing for Governance: Building Collaboration in Brazilian River Basins, World Development, v.35, n. 8, p. 1450–1463. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2007.04.008. Acesso em: 15 jan 2020.
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos: avaliações e diretrizes para adaptação. Brasília: ANA, GGES, 2016
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Região Hidrográfica do São Francisco - Águas que contribuem para o desenvolvimento de 521 municípios. 2014. Disponível em: http:/www.ana.gov.br. Acesso em: 15 jan 2020.
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Manual de Usos Consuntivos da Água no Brasil. Brasília: ANA, 2019. ASSUNÇÃO, L. M.; LIVINGSTONE, I. Desenvolvimento inadequado: construção de açudes e secas no sertão do nordeste. Revista Brasileira de Economia, v.47, n. 3, p. 425–448, 1993.
ASSIS, W. F. T. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 613-627, 2014.
BARLOW, M. Água futuro azul: como proteger a água potável para o futuro das pessoas e do planeta para sempre. São Paulo: M. Books do Brasil, 2015.
BARLOW. M. Água pacto azul. São Paulo: M. Books do Brasil, 2009. 200 p.
BUCKLEY, E. E. Drought in the sertão as a natural or social phenomenon: establishing the Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, 1909-1923. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi de Ciências Humanas, v.5, n.2, p. 379–398. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1981-81222010000200011. Acesso em: 15 jan 2020.
CORONIL, F. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e Ciências Sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 103-132.
DAS GUPTA, A. Implication of environmental flows in river basin management. Physics and Chemistry of the Earth, Parts A/B/C, v.33, n.5, p.298-303. 2008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1474706508000181?casa_token=t0_f8yqOQ8oAAAAA:29cfbdoi_sMI6ccXvB0Hs9t203yirF3bGWP61faSdAimedaGJIGMIcM2PcV_T7HuZPyJQfAvJ9Q. Acesso em: 20 maio 2018.
ESTRELA, E. S. Um rio de memórias: o modus vivendi dos beraderos sanfranciscanos antes da represa de Sobradinho (Bahia). Revista História & Perspectivas, v.22, n.41, 2010.
EMPINOTTI, V.L. E se eu não quiser participar? O caso da não participação nas eleições do comitê de bacia do rio São Francisco, Ambiente & Sociedade, v.14, 2011, p. 195–211.2011
EMPINOTTI, V. L., GONTIJO, W. C. AND DE OLIVEIRA, V. E. Federalism, water, and (de)centralization in Brazil: the case of the São Francisco River water diversion, Regional Environmental Change, v.18, n.6, 2018, p. 1655–1666. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10113-018-1371-1. Acesso em: 14 jun 2020.
ESCOBAR, A. Mundos y econocimientos de otro modo: el programa de investigacion modernidad/colonialidad latinoamericano. Tabula Rasa, Bogotá, n. 1, p. 58-86, 2003.
FLORES, R. K.; MISOCZKY, M. C. Dos antagonismos na apropriação capitalista da água à sua concepção como bem comum, Organizações & Sociedade. v. 22, p. 237–250. 2015.
GUPTA, J.; PAHL-WOSTL, C.; ZONDERVAN, R. “Glocal” water governance: A multi-level challenge in the Anthropocene. Current Opinion in Environmental Sustainability, v.5, n.6, p. 573–580, 2013.
HORDIJK, M.; SARA, L. M.; SUTHERLAND, C. Resilience, transition or transformation? A comparative analysis of changing water governance systems in four southern cities. Environment and Urbanization, v.26, n.1, p. 130–146. 2014. Disponível em:
https://doi.org/10.1177/0956247813519044. Acesso em 18 maio 2020.
LEFF, E. Complejidad, racionalidad ambiental y diálogo de saberes. In: CENEAM. Reflexiones sobre educación Ambiental II. Segovia: Parques Nacionales; Ministerio de Medio Ambiente, 2006.
LEFF, E. Construindo a história ambiental da América Latina. Revista Esboços, Marília, v. 12, n. 13, p. 11-29, 2005.
LINDOSO, D.; EIRÓ, F.; BURSZTYN, M.; RODRIGUES-FILHO, S.;NASUTI, S. Harvesting Water for Living with Drought: Insights from the Brazilian Human Coexistence with Semi-Aridity Approach towards Achieving the Sustainable Development Goals, Sustainability, v.10, n.3, p. 622, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.3390/su10030622. Acesso em: 08 set 2020.
MEDEIROS, Y.D.P.; FREITAS, I.M.P.; STIFELMAN, G.M.; FREIRE, R.R. Social participation in the environmental flow assessment: the São Francisco river case study. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais, v.1, n.1, p.122-130, 2013
MIGNOLO, W. Cambiando las éticas y las políticas del conocimiento: lógica de la colonialidad y postcolonialidad imperial. Tabula Rasa, Bogotá, v. 3, p. 47-71, 2005
MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, p. 287-324, 2008.
MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la
colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones Del Signo, 2010.
MOLLE, F. River-basin planning and management: The social life of a concept. Geoforum, v.40, n. 3, p. 484–494, 2009.
MOLLE, F.; WESTER, P.; HIRSCH, P. River basin closure: Processes, implications and responses. Agricultural Water Management, v. 97, n. 4, p. 569–577. 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.agwat.2009.01.004. Acesso em: 15 jan 2020.
ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OECD). Water Resources Governance in Brazil. OECD Studies on Water, , Paris: OECD Publishing. 2015. Disponíviel em: https://doi.org/10.1787/9789264238121-en. Acesso em: 15 jan 2020.
OTTO, B.; BÖHM, S. “The people” and resistance against international business: the case of the Bolivian Water War. Critical Perspectives on International Business, v. 2, n. 4, p. 299–320, 2006.
QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificacion social. Journal of World-Systems Research, Pittsburgh, v. 11, n. 2, p. 342-386, 2000.
QUIJANO, A.; WALLERSTEIN, I. Americanity as a concept, or the Americas in the modern world-system‖. International Social Science Journal, Paris, v. 44, n. 4, p. 549–557, 1992.
ROCKSTRÖM, J., STEFFEN, W., NOONE, K. et al. A safe operating space for humanity. Nature, 461, p. 472–475, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1038/461472a. Acesso em: 20 jan 2020.
SIQUEIRA FILHO, J. A. Flora das caatingas do Rio São Francisco: história natural e conservação. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio. 2012.
SOARES, E. Seca no Nordeste e a transposição do rio São Francisco, Revista Geografias, p. 75–86. 2013.
SOUZA JÚNIOR, C. B.; SIEGMUND-SCHULTZE, M.; KÖPPEL, J.; SOBRAL, M. D. C. Signs of a chronic problem: need for water governance to promote basin committees, coordinate plans and manage Information. Revista Ambiente & Água, v.12, n.6, p.1054-1067. 2017.
STEFFEN, W.; CRUTZEN, P. J.; MCNEILL, J. R. The Anthropocene: are humans now overwhelming the great forces of nature, AMBIO: A Journal of the Human Environment. v.36, n.8, p. 614–621.2007.
UNITED NATIONS WORLD WATER ASSESSMENT PROGRAMME (UN-WATER). The United Nations World Water Development Report 2015: water for a sustainable world. Paris: UNESCO, 2015.
UNITED NATIONS WORLD WATER ASSESSMENT PROGRAMME (UN-WATER). Global analysis and assessment of sanitation and drinking-water (GLAAS) 2014 report: investing in water and sanitation: increasing access, reducing inequalities. Geneva: World Health Organization, 2014.
VALENCIO, N.F.L. da S. A disputa pelas águas no Brasil: para além da ideologia da governança. Revista Cronos, v.10, n. 2. 2009.
WALSH, C. Shifting the Geopolitics of Critical Knowledge: decolonial thought and cultural studies ‗Others‘ in the Andes. Cultural Studies, London, v. 21, n. 2/3, p. 224-239, 2007.
ZHOURI, A.; Oliveira, R. Desenvolvimento, conflitos sociais e violência no Brasil rural: o caso das usinas hidrelétricas. Ambiente & sociedade, v.10, p.119-135. 2007.
Publicado
2022-01-11