Da pandemia à xawara

mapeamento das notícias de TV a partir do jornalismo em equívoco

  • Evandro José Medeiros Laia Universidade Federal de Ouro Preto
  • Fernando de Souza Neto Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: jornalismo, equívoco, Perspectivismo Ameríndio, cartografia, pandemia

Resumo

Neste artigo, mapeamos a cobertura do noticiário de TV sobre a pandemia da Covid-19, usando como lente a teoria do jornalismo em equívoco, em um trabalho de observação realizado a partir das formas comunicacionais dos povos originários no Brasil, principalmente a ideia do Perspectivismo Ameríndio. Cartografamos equívocos que emergem da cobertura da pandemia, no recorte de dois programas jornalísticos: o Fantástico, da TV Globo e o Domingo Espetacular, da Record TV, em edições exibidas entre março e julho de 2020. Pensando em equívoco como dois mundos expressos pela mesma palavra, demarcamos como a palavra “pandemia” precipitou diferentes mundos. Como resultado, notamos que os dois programas se constituem como perspectivas divergentes sobre a pandemia, evidenciando que, de fato, em mundos diferentes, uma mesma palavra tem significados diversos. Entendemos, a partir desta aplicação, que o jornalismo em equívoco não opera dicotomias, mas funciona de modo gradiente; é possível medir graus de equívocos, por isso mesmo, uma terceira perspectiva, a do presidente Jair Bolsonaro, impôs-se, ao longo do material observado, como um terceiro modo de entender a palavra pandemia, divergente e ao mesmo tempo convergente com as outras duas.

Biografia do Autor

Fernando de Souza Neto, Universidade Federal de Ouro Preto

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto. Ex-bolsista do projeto de Iniciação Científica "O jornalismo em equívoco e o fim do mundo: construção de uma abordagem para pensar a pandemia do Coronavírus e o caos no Brasil a partir do noticiário de TV", com bolsa do Programa de Iniciação à Pesquisa, da Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

BARROS, Manoel de. O Livro das Ignorãças. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BIRD-DAVID, Nurit. Animismo Revisitado: pessoa, meio ambiente e epistemologia relacional. Tradução de Kleyton Nunes. Debates do NER, Porto Alegre, ano 19, n. 35, p. 93-171, Jan./Jul. 2019.

BORGES, Jorge Luís. Ficciones. Buenos Aires: Emecé Editores, 1944.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs, v.1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs, v. 3. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. Claro Enigma. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Palavras de um xamã yanomami. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LAIA, Evandro José Medeiros. O jornalismo em equívoco: sobre o telefone celular e a invenção diferenciante. Tese (doutorado em Comunicação) - Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LINHALIS, Lara; LAIA, Evandro. Comunicação pelo equívoco: anotações para uma teoria antropológico-comunicacional. Comunicação Ibero-Americana: os desafios da internacionalização. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho. ISBN 978-989-8600-29-5.

POZZANA DE BARROS, Laura; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (org.). Pistas do método da cartografia. Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A antropologia perspectivista e o método de equivocação controlada. Tradução de Marcelo Giacomazzi Camargo e Rodrigo Amaro. Aceno - Revista de Antropologia do Centro-Oeste, 5 (10): 247-264. agosto a dezembro de 2018. ISSN: 2358-5567

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
Publicado
2022-07-11