Tecendo memórias, preservando heranças, iluminando caminhos: vozes femininas nas literaturas africanas de língua portuguesa

2021-11-16

Nos tempos que correm, no espaço das literaturas produzidas nos países
africanos de língua oficial portuguesa, destacam-se, com especial vitalidade, as
vozes e perspectivas das mulheres escritoras. Elas dão novo e especial tratamento
a temas já recorrentes na história da literatura de seus países, como a guerra, a
violência, os silenciamentos e as inúmeras facetas da opressão. Essas autoras
também escrevem sobre outras dimensões da experiência, tanto individual quanto
coletiva. Elas falam de dores, mas ressaltam igualmente a potência da vida, dos
laços que se tecem por meio do afeto, nas relações cotidianas, familiares e
amorosas, ou na cumplicidade da luta comum. Conectando-se com o passado, cuja
memória se faz presente, essas vozes apontam caminhos ainda não trilhados. Com
força, sutileza, engenho e arte, inauguram novas possibilidades éticas e estéticas,
descortinando outras perspectivas de futuro.
Na ocasião em que a revista Caletroscópio completa dez anos de existência, é
nosso desejo comemorar com um dossiê que tanto sirva para reverberar as vozes-
mulheres das literaturas angolana, cabo-verdiana, guineense, moçambicana e
santomense, quanto para promover a teoria e a crítica literárias produzidas pelas
mulheres estudiosas que se debruçaram e/ou se debruçam sobre esses terrenos
tão férteis. Serão bem-vindas propostas de artigos que deem continuidade ao
trabalho já iniciado por nossas predecessoras, contribuindo para o alargamento da
compreensão acerca dos modos como as literaturas em questão tecem memórias,
preservam heranças e iluminam caminhos.
Organizadores:

Bernardo Nascimento de Amorim (Ufop) e Franciane Conceição Silva (UFPB)

Período de submissão de artigos para o dossiê:

16/11/2021 a 28/02/2022