O trabalho com a língua portuguesa no ensino fundamental entre as práticas docentes e a BNCC

Palavras-chave: BNCC, Leitura e Escrita, Gramática, Práticas Docentes

Resumo

O presente trabalho analisa as relações entre as orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e os discursos de dois professores do Ensino Fundamental II atuantes no estado de Alagoas. Teoricamente, são apresentadas considerações sobre as relações entre leitura e escrita, a reescrita, os gêneros do discurso, o ensino contextualizado e as metodologias ativas. A partir duma análise qualitativa/interpretativa dos discursos da BNCC e dos docentes que colaboraram com o estudo, foi percebido que os professores seguem algumas das orientações, porém é nítida a timidez dos avanços entre as práticas e o recomendado pelo documento oficial. Frente a isso, acreditamos que, quando as práticas docentes ultrapassam os limites impostos pela base, revela-se a construção da autonomia desses sujeitos em suas ações profissionais; quando as práticas se prendem ao tradicional, sem considerar a amplitude da linguagem como processo social, evidencia-se a escassez da formação dos professores diante dos avanços delegados pela contemporaneidade.

Biografia do Autor

Silvio Nunes da Silva Júnior, Universidade Federal de Alagoas
Doutor em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas (PPGLL/UFAL), com estágio pós-doutoral no Programa de Pós-graduação Mestrado em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos da Universidade do Estado da Bahia (PPGESA/UNEB). Professor substituto da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas (FALE/UFAL) e professor efetivo da rede municipal de ensino de Palmeira dos Índios/AL. Pesquisador do Grupo de Estudo das Narrativas Alagoanas (GENA/UNEAL) e do Grupo de Estudos Discurso, Ensino e Aprendizagem de Línguas e Literaturas (GEDEALL/UFAL).  
Lucas Henrique de Omena, Universidade Federal de Alagoas

Graduando em Letras/Português na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas – UFAL.

Dafhine Alves Silva Santos, Universidade Federal de Alagoas

Graduanda em Letras/Português na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas – UFAL.

Referências

ANTUNES, Irandé. Lutar com Palavras. São Paulo: Editora Parábola, 2005.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Trad. P. Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 de maio de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 de maio de 2021.

CAPISTRANO JÚNIOR, R.; LINS, M. da P. P.; CASOTTI, J. B. C. Leitura, multimodalidade e ensino de língua portuguesa. PERcursos Linguísticos, Vitória, v. 7, n. 17, p. 285–302, 2017.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v. 16, n, 2, p. 221-236, 2003.

CHUEKE, G. V.; LIMA, M. C. Pesquisa Qualitativa: evolução e critérios. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 11, n. 128, p. 63-69, 13 set. 2011.

DIESEL, Aline; MARTINS, Silvana Neumann; REHFELDT, Márcia Jussara Hepp. O ensino de estratégias de leitura mediado por recursos educacionais digitais. Dialogia, São Paulo, n. 31, p. 165-178, jan./abr. 2019.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos.; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

GEDOZ, Sueli. Análise linguística e reescrita textual: articulando encaminhamentos. Fórum Linguístico, Florianópolis, v.13, n. 2, p. 1225-1239, jul. 2016.

GONÇALVES, Matilde; JORGE, Noémia. Plano de texto e ensino da leitura. In: A. Leal et al., eds., A Linguística na Formação do Professor: das teorias às práticas. Porto: Universidade do Porto, pp.121-137. 2019.

LEAL, Audria; GONÇALVES, Matilde. Gêneros e multimodalidade: o papel do plano de texto. Linha D’Água (Online), São Paulo, v. 33, n. 2, p. 39-68, maio-ago. 2020.

LIMA, Paula Gomes. Pesquisa qualitativa em educação: estratégias predominantes. Ensaios Pedagógicos (Sorocaba), v. 2, n.1, p.1-2, jan./abr. 2018.

MELLO, Adriene Ferreira de.; SOUZA, Carlos Henrique Medeiros de; CAETANO, Joane Marieli Pereira; SOARES, Thayane Aparecida da Silva. Problematizar e projetar nas aulas de português: as metodologias ativas como estratégias potencializadoras. In: XIV Jornada Nacional de Linguística e Filologia da Língua Portuguesa, 2019, Rio de Janeiro. Anais da XIV Jornada Nacional de Linguística e Filologia da Língua Portuguesa. Revista Philologus, Rio de Janeiro, v. 25. p. 2624-2641, 2019.

OLIVEIRA, Cristiano L. de. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Revista Travessias, Cascavel, v. 2, n. 3, 2008.

SANTOS, Laís Cardoso dos. A formação do leitor competente: o desenvolvimento das habilidades leitoras no processo de inferência textual. Inventário, Salvador, n. 23.2, p. 135-148, jun. 2019.

SILVA, Agnalva Nogueira Magalhães; SANTOS, Rejane Antônio Coleho Trindade dos; DIAS, Romar. O uso dos gêneros textuais nas aulas de língua portuguesa: uma reflexão teórica e prática. Revista Humanidades & Inovação, Tocantins, v. 7, n. 1, p. 47-55, jan. 2020.

SILVA, Bruna Costa; SILVA, Rodolfo Dantas. (Re)construindo a aula de língua portuguesa: que gramática devemos ensinar? Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 121-136, jan./jun. 2017.

SILVA JÚNIOR, S. N. O uso de táticas no trabalho com o livro didático de língua portuguesa: constituindo práticas reflexivas de letramento. In: PAIVA, F. J. O; SILVEIRA, E. L. (Org.). O ensino na educação básica: diálogos entre sujeitos, saberes e experiências docentes. 1ed.São Carlos: Pedro e João Editores, 2018, v. 1, p. 37-60.

SILVA JÚNIOR, S. N. Dialogismo e auto-observação em práticas linguístico-discursivas com a língua portuguesa no ensino superior: a sala de aula como arena responsiva. Tese (Doutorado em Linguística), Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, 2021.

SILVA, Silvio Porfírio da; SOUZA, Francisco Ernandes Braga de; CIPRIANO, Luís Carlos. Textos multimodais: um novo formato de leitura. Linguagem em (Re)vista, Niterói, v. 10, n. 19, p. 133-159, jan./jun. 2015.

SOARES, Margarete Maria. A refacção de textos como estratégia de aprendizado. Revista de Educação Ideal, vol. 11, n. 23, p. 1-12, jan./jun. 2016.

TEIXEIRA, Lucia; SOUSA, Karla Faria e Silvia. Textos multimodais na aula de português: metodologia de leitura. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo, v. 10, n. 2, p. 314-336 - jul./dez. 2014.

TURKIEWICZ, Rosemary de Oliveira Schoffen; COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. Produção, correção e reescrita textual: resultados de uma pesquisa-ação-crítico-colaborativa. Letras & Letras, Uberlândia, v. 33, n. 2, p. 81-107, 8 nov. 2017.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

ZOZZOLI, R. M. D. O processo de constituição de uma gramática do aluno leitor/produtor de textos: a busca de autonomia. Trabalhos em Lingüística Aplicada, UNICAMP/Campinas, v. 33, p. 07-21, 1999.

ZOZZOLI, R. M. D. Le partitif chez lês lusophones adultes: analyse d’erreurs et propositions méthodologiques. Tese (Doutorado em Linguística e Ensino do Francês), Faculté des Lettreset Sciences Humaines, Université de Franche-Comté – Besançon, 1985.
Publicado
2021-12-29