Soberba, poesia, desvio:

O conceito de arte no pensamento flusseriano

  • Debora Pazetto UDESC, Brasil
Palavras-chave: política, pós-história, arte, língua, aparelho

Resumo

Este artigo apresenta o modo como o conceito de arte foi trabalhado ontologicamente nos primeiros livros de Vilém Flusser, particularmente em Língua e Realidade e A História do Diabo, para, em seguida, apresentar como foi trabalhado politicamente em alguns textos das décadas de setenta e oitenta. Na fase inicial de seu pensamento, a alegoria flusseriana da teia e o diagrama do globo da língua mostram que a atividade artística (ou poética) cria língua, a qual constitui a totalidade da civilização, da cultura, da mente, da natureza, enfim, da realidade. Em textos posteriores, sobretudo os que são articulados em torno da noção de pós-história, a arte aparece como modo de emancipação em relação ao discurso tecnocrático – no qual o ser humano é estabelecido como funcionário, peça no interior de aparelho – e resgate de conhecimentos e práticas de um uso estritamente técnico, comercial e programado. As continuidades e diferenças entre essas perspectivas apontam para a urgência de se pensar a arte, atualmente, como reconstrução da política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DUARTE, Rodrigo. “Prefácio”. In: FLUSSER, Vilém. Pós-História - vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Annablume, 2011.

FINGER, Anke. “On Creativity: Blue Dogs with Red Spots”. In: Flusser Studies, n. 10. Novembro, 2010.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Annablume, 2011.

FLUSSER, Vilém. Pós-História - vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Annablume, 2011.

FLUSSER, Vilém. “A Arte: O Belo e o Agradável”. Trad.: Rachel Cecília de Oliveira Costa. In: Artefilosofia, n. 11, UFOP, 2011.

FLUSSER, Vilém. . Ficções filosóficas. São Paulo: EDUSP, 1998.

FLUSSER, Vilém. “Criação científica e artística”. Conferência na Maison de la Culture, Chalon s/Saone, 26/3/1982. Disponível no Arquivo Flusser.

FLUSSER, Vilém. “Artifício, artefato, artimanha”. Conferência ministrada na Bienal de São Paulo, 1985. Disponível no Arquivo Flusser.

FLUSSER, Vilém. . “Habit: the True Aesthetic Criterium”. Manuscrito de 1990. Disponível no Arquivo Flusser.

FLUSSER, Vilém. .“The Photograph as Post - Industrial Object”. In: LEONARDO, Vol. 19, No. 4, pp. 329 - 332, 1986.

FLUSSER, Vilém. “O Espírito do Tempo nas Artes Plásticas”. Publicado originalmente em O Estado de São Paulo (703): 03/01/1971. Disponível no Arquivo Flusser.

FLUSSER, Vilém. “A arte como Embriaguez”. Publicado originalmente em Folha de São Paulo (255): 06/12/1981. Disponível no Arquivo Flusser.

FLUSSER, Vilém. Língua e Realidade. São Paulo: Annablume, 2007.

FLUSSER, Vilém. Bodenlos: uma autobiografia filosófica. São Paulo: Annablume, 2007.

FLUSSER, Vilém. Natural:mente: vários acessos ao significado da natureza. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

FLUSSER, Vilém. A história do Diabo. São Paulo: Annablume, 2008.

GULDIN, Rainer. Pensar entre línguas. São Paulo: Annablume, 2010.

ÍÑIGO, Emilio Lledó. El Concepto “poíesis” en la filosofia griega. Madrid: Instituto Luis Vives de Filosofia, 1961.

PAZETTO, Debora. “O belo é elevado, o agradável é conservador”. In: Flusser Studies, n. 12, novembro de 2011.

SHINER, Larry, The invention of art: a cultural history. Chicago: University of Chicago Press, 2003.

Publicado
2019-10-03