Entre princesas e prostitutas: as alegorias do feminino na modernidade

  • Michel Amary Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Walter Benjamin

Resumo

Resumo: Nesse ensaio propomos investigar a dimensão feminina no pensamento de Walter Benjamin a partir da expressão alegórica da linguagem que não apenas se mostra esteticamente, mas se define como categoria ética. Nesse sentido, em primeiro lugar percorreremos o nascimento da filosofia nos gregos e sua constituição a partir do pensamento masculino para confrontar com a crítica epistemológica de Benjamin que, emprestando o platonismo, anuncia a verdade como bela. Na crítica a representação já vemos a questão de identificação linguística que diferencia o símbolo e a alegoria e os posiciona ao lado do que denominamos uma tradição masculina e feminina do pensamento. Após devemos explorar o uso alegórico na representação das rainhas nos dramas do barroco alemão, tomando o martírio de figuras como Agrippina, Catharina e Sophonisbe para apresentar, nas ambiguidades morais e políticas de seu tempo, a dimensão criatural e melancólica das mulheres no barroco alemão, as diferenças de moralidade na modernidade luterana e iluminista e a caracterização da história como natureza. Por fim, exploramos nas transformações sociais ocasionadas pela expansão do modo de produção e circulação de mercadorias na modernidade parisiense as transfigurações da alegoria pelas heroínas de Baudelaire. Passamos da impotência masculina a forma de objetificação da mulher manifesta nos manequins, nas lésbicas e nas prostitutas.

Keywords: Walter Benjamin, deutschen Trauerspiel, Modernity, Allegory, Feminin

Abstract: This essay propose to investigate the feminine dimension in Walter Benjamin's thought from the allegorical expression of language that is not only shown aesthetically, but is defined as an ethical category. In this sense, first of all, we will go through the birth of philosophy in the Greeks and its constitution based on male thought to confront Benjamin's epistemological criticism, which, borrowing from Platonism, announces the truth as beautiful. In the criticism of representation, we already see the question of linguistic identification that differentiates the symbol and the allegory and places them alongside what we call a male and female tradition of thought. After that, we should explore the allegorical use in the representation of queens in the dramas of the German Baroque, taking the martyrdom of figures like Agrippina, Catharina and Sophonisbe to present, in the moral and political ambiguities of their time, the creative and melancholic dimension of women in the German Baroque, the differences in morality in Lutheran and Enlightenment modernity and the characterization of history as nature. Finally, we explored in the social transformations caused by the expansion of the mode of production and circulation of goods in Parisian modernity the transfigurations of allegory by the heroines of Baudelaire. We have gone from male impotence to the form of objectification of women manifested on mannequins, lesbians and prostitutes.

Keywords: Walter Benjamin, deutschen Trauerspiel, Modernity, Allegory, Feminin

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Amary, Universidade de São Paulo
Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Defendeu dissertação sobre a formação e a crítica de arte do drama barroco alemão de Walter Benjamin

Referências

AREDNT, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo, Cia das Letras, 1999

BENJAMIN, Walter. Baudelaire e a Modernidade. Trad. BARRENTO, João. Belo Horizonte: Autêntica, 2015

_________. Ensaios reunidos: escritos sobre Goethe. Trad. BORNEBUSCH, Monica. São Paulo: Editora 34, 2009

_________. Gesammelte Briefe. Org. GÖDDE, Chirstoph; LONITZ, Henri. Frankfurt, Suhrkamp,1995

_________. Gesammelte Schriften. Org. TIEDEMANN, Rolf; SCHWEPPENHÄUSERM, Hermann. Frankfurt, Suhrkamp, 1974

_________. Origem do drama trágico alemão. Trad. BARRENTO, João. Belo Horizonte: Autêntica, 2013

_________. Passagens. Trad. BOLLE, Willi. Belo Horizonte: UFMG, 2009

_________. Sobre o conceito de história. In. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Trad. GAGNEBIN, Jeanne-Marie; MÜLLER, Marcos Lutz. São Paulo. Boitempo, 2005

_________. Sobre a linguagem geral e linguagem do homem. In. Escritos sobre mito e linguagem. Trad. KAMPFF LAGES, Susana. São Paulo: Editora 34, 2013

BUCI-GLUCKSMANN, Christine. La raison baroque: de Baudelaire à Benjamin. Paris. Galilée, 1984

BUCK-MORSS, Susan. Dialética do olhar: Walter Benjamin e o projeto das passagens. Belo Horizonte: UFMG, 2002

CHAVES, Ernani. Eros criativo: cultura e educação erótica nos textos do estudante Walter Benjamin. In. Arte e Filosofia. Ouro Preto, n.4, jan.2008 p.p.45-53

DESCARTES. René. Meditações Metafísicas. In. Os pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1973

GAGNEBIN, Jeanne Marie. As flautistas, as parteiras e as guerreiras. In: Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de Janeiro: Imago, 1997

NEWMAN, Jane Modernity, Nation and Baroque. Cornell University Press. New York, 2011

NEWMAN, Jane Sons and Mothers: Agrippina, Semiramis, and the Philological Construction of Gender Roles in Early Modern Germany. In. Renaissance Quarterly, Vol. 49, No. 1. University of Chicago Press: Spring, 1996

PINHO, Isabela. O feminino como Médium da linguagem: sobre algumas figuras femininas na obra de Walter Benjamin. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2014

WINCKELMANN. Johann Joachim. Reflexões sobre a imitação das obras gregas na pintura e na escultura. Porto Alegre: Movimento, 1975; p.53

WITTE, Bernd. Walter Benjamin: uma biografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2017

WHITEHEAD, Alfred North. Process and Reality, The Free Press, New, York, 1978

Publicado
2021-05-21
Seção
Filosofia e arte