Arquivos Fabulosos, Arquivos Fantasmagóricos: Ruína e Virtuose nos Lipsyncs Drag

Palavras-chave: lipsync, ruína, gênero, arquivo, drag

Resumo

Este artigo debate aspectos da arte drag popularizados em plataformas virtuais em 2016 por meio de problemáticas do arquivo e por questões de gênero. Paul Beatriz Preciado, Victoria Perez Royo, Susan Buck-Morss, Diana Taylor, Jack Halberstam, Jose Estebán Muñoz e Walter Benjamin são referenciais para habitar a encruzilhada na qual desobediência de gênero, políticas do arquivo e cibercultura se encontram.

Biografia do Autor

Anderson Luiz do Carmo
Anderson Luiz do Carmo é artista e pesquisador das artes. Graduado em Licenciatura e Bacharelado em Teatro no CEART-UDESC. Mestre em Teatro pelo PPGT-UDESC e doutorando na mesma instituição.  Bolsista FAPESC.
Maria Brígida Miranda, Universidade Estadual de Santa Catarina - UDESC
Maria Brígida Miranda é atriz, diretora teatral e doutora em Teatro pela La Trobe University, Austrália. Professora Associada, Departamento de Artes Cênicas e Programa de Pós-Graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). 

Referências

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012
BUCK-MORSS, Susan. O presente do passado. Florianópolis: Cultura e Barbárie Editora, 2018.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.
COSTA, Pablo de Assumpção Barros. Ressonâncias queer na música popular brasileira: voz, escuta, pertencimento in Iberic@l: revue d’études ibériques et ibéro-americaine. 2016. Disponível em http://iberical.paris-sorbonne.fr/numeros/numero-9-printemps-2016/ acessado em 06/11/2020.
HALBERSTAM, Jack. A arte queer do fracasso. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 2020.
LIMA, Carlos Henrique Lucas. Linguagens pajubeyras: re(ex)sistência cultural e subversão da heteronormatividade. Salvador: Editora Devires, 2017.
LUSTOSA, Tertuliana. Manifesto traveco-terrorista in Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 17, volume 01, número 28, setembro de 2016. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/25929/18560 , acessado em 06/11/2020
MUÑOZ, Jose Estebán. Fantasma do sexo em público: desejos utópicos, memórias queer in Periódicus, Salvador, n. 8, v. 1, nov.2017-abr.2018. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/24603 , acessado em 06/11/2020.
N’YONGO, Tavia. Afro-fabulations: the queer drama of black life. Nova York: New York University Press, 2019
PEREZ ROYO, Victoria. Cuerpos fuera de si: fabricaciones de um cuerpo común em la escena contemporánea in La scena expandida. Disponível em https://www.calstatela.edu/al/karpa/cuerpos-fuera-de-s%C3%AD-victoria-p%C3%A9rez-royo acessado em 06/11/2020.
PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual. São Paulo: N-1 Edições, 2016.
_____________________ Testo Junkie: sexo drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: N-1 Edições, 2018.
TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.
VIDARTE, Paco. Ética bixa: proclamações libertárias para uma militância LGBTQ. São Paulo: N-1 Edições, 2019.
Publicado
2021-05-31
Seção
Dossiê Arte Indigente - Painéis