Princípios para a escuta: Percurso da disciplina ‘narrativas na rua: da inspiração africana à roda de histórias como arte pública’

  • Toni Edson UFAL
Palavras-chave: tradição oral, contos africanos, educação, memória, teatro de rua

Resumo

O presente artigo expõe o trajeto da disciplina Narrativas na Rua, ministrada no semestre 2015.1 no Curso Técnico em Arte Dramática da Escola Técnica de Artes da Universidade Federal de Alagoas e na Licenciatura em Teatro da mesma instituição. Durante o processo, os estudantes compreenderam princípios observados na tradição oral do povo mandinga. Estes são: controlar a ansiedade; realizar um mergulho na própria tradição; utilizar-se da escuta como fonte de memória; corporificar imagens; entender a palavra cantada como a mais vasta das expressões. Através desses princípios, tiveram a oportunidade de experienciar um pouco da vivência de um contador de histórias tradicional.

Biografia do Autor

Toni Edson, UFAL

Toni Edson é doutor em Artes Cênicas pelo Programa de PPGAC/UFBA, Mestre em Literatura Brasileira (UFSC) e Licenciado em Artes Cênicas (UDESC). Atua como Ator profissional desde 2000, trabalhando com teatro de rua a partir de 2003 e leciona como Professor universitário desde 2004. Desde 2013 é professor de Encenação e Teatro de Rua da Escola Técnica da Universidade Federal de Alagoas (ETA/UFAL).

Referências

BÂ, Amadou Hampaté. Aspects de la Civilization Africaine. Trad. Daniela Moreau. Paris: Présence Africaine, 1972.

BÂ, Amadou Hampaté “A Tradição Viva”. In: KI-ZERBO, Joseph. História Geral

da África. V. 1. São Paulo: Ática/Unesco, 1980.

BAKTHIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de Francois Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1987.

BARBOZA, Juliana Jardim. Vestígios do dizer de uma escuta (repouso e deriva na palavra). Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da ECA/USP. São Paulo: 2009.

BERNAT, Isaac Garson. O olhar do griot sobre o ofício do ator: reflexões a partir dos encontros com Sotigui Kouyaté. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Teatro do Centro de Letras e Artes da UNIRIO. Rio de Janeiro: 2008.

BIÃO, Armindo. Na encruzilhada do ator-narrador: entre o teatro e a teoria. In: Rebento: Revista de Artes do Espetáculo. São Paulo: Unesp, 2010.

FARIAS, Paulo F. de Morais. Griots, louvação oral e noção de pessoa no Sahel. São Paulo: Casa das Áfricas (PUC/USP), 2004.

CUTI, Luiz Silva. Quem tem medo da palavra negro? In: Oliveira, Jessé (org.). MATRIZ: uma revista de Arte Negra (Grupo Caixa Preta). Porto Alegre: Grupo Caixa Preta, 2010.

FORD, Clyde W. O herói com rosto Africano: mitos da África. Trad. Carlos mendes Rosa. São Paulo: Summus, 1999.

GOMES, Lenice & MORAES, Fabiano(org.). A arte de encantar: o contador de histórias contemporâneo e seus olhares. São Paulo: Cortez, 2012.

HALE, Thomas A. Griots and Griotes: Masters of words and music. Bloomington: Indiana University Press, 2007.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Organizado por Liv Sovik. Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

KOUYATÉ, Sotigui. Entrevista concedida ao Encontro de Palhaços Anjos do Picadeiro 5. Rio de Janeiro: 2006.

KOUYATÉ, TOUMANI. L'abre à palabres de griot. In: MEDEIROS, Fábio Henrique Nunes, MORAES, Taiza Mara Rauen & VEIGA, Mauricio Biscaia (orgs.). Contar Histórias: uns passarão e outros passarinhos. Joinville, UNIVILLE, 2015. Págs. 23-40.

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MATOS, Gislayne Avelar SORSY, Inno. O ofício do contador de histórias: perguntas e respostas, exercícios práticos e um repertório para encantar. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória. São Paulo: Perspectiva. Belo

Horizonte: Mazza Edições, 1997.

NARRANJO, Julio Moracen. O segredo da sombra. In: Oliveira, Jessé (org.). MATRIZ: uma revista de Arte Negra (Grupo Caixa Preta). Porto Alegre: Grupo Caixa Preta, 2010.

NARRANJO, Julio Moracen. Capulanas em Contraponteio: onde começa ação na aurora dum destino. In: SILVA, Saloma Salomão Jovino da & Capulanas (org.). {EM}GOMA: dos pés à cabeça, os quintais que sou. São Paulo: Capulanas, 2011.

ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense, 2006.

ORTIZ, Renato. Românticos e folcloristas. São Paulo: Olho d’Água, 1979.

PRETA, Priscila. Arte Negra e Política. In: SILVA, Saloma Salomão Jovino da & Capulanas (org.). {EM}GOMA: dos pés à cabeça, os quintais que sou. São Paulo: Capulanas, 2011.

RODRIGUES, Ricardo Alexandre Ribeiro. Busca de princípios para uma atuação a partir de estudos sobre os griots africanos e os jograis medievais europeus. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Artes, Área de Concentração Artes Cênicas da UNESP. São Paulo: 2011.

SEMOG, Éle. Cultura, Identidade e Consciência. In: Rio Zumbi 2007 em REVISTA. Publicação do Governo do Estado do Rio de Janeiro, 2007.

SILVA, Saloma Salomão Jovino da. Capulanas Cia de Arte Negra: sob o signo da reinvenção. In: SILVA, Saloma Salomão Jovino da & Capulanas (org.). {EM}GOMA: dos pés à cabeça, os quintais que sou. São Paulo: Capulanas, 2011.

Publicado
2021-10-31