Flanar, deambular ou derivar? A rua como espaço da experimentação artística

Palavras-chave: Caminhar, cidade, criatividade, deriva, performance

Resumo

Este artigo apresenta a trajetória do ato de caminhar como uma ferramenta de criação artística. Flanar, Deambular ou Derivar são sinônimos quando a questão for caminhar para ativar a criatividade. Dos primeiros registros na História da Arte sobre uma caminhada de descobertas com o poeta e crítico Charles Baudelaire e a flanerie até os dias atuais, a caminhada possui uma história como ferramenta de criação nos movimentos artísticos. Apoiadas nos estudos de Francesco Careri (2017), compartilhamos algumas possibilidades de deambulação em coletivo e como uma ação pedagógica.

Biografia do Autor

Virgínia Tiradentes Souto , UNB

Virgínia Tiradentes Souto é chefe e Professora Associada do Departamento de Design da Universidade de Brasília (UnB). Membro do PPG Design e do PPG Artes Visuais ambos na UnB. Tem mestrado (1998) e doutorado (2006) em Typography and Graphic Comunication pela Universidade de Reading, Inglaterra. É coordenadora do grupo de pesquisa Design da Informação (desde 2008), editora gerente da Revista Brasileira de Design da Informação (InfoDesign) e editora associada da Revista Design, Tecnologia e Sociedade, e revisora de vários periódicos. E-mail: v.tiradentes@gmail.com .

Diana Medina, UFC

Diana Patrícia Medina Pereira é doutoranda no Programa de Pós-graduação em Artes na Universidade de Brasília na linha Imagens, visualidades e urbanidades. Professora Adjunta da Universidade Federal do Ceará no curso Design Digital. Licenciada em Artes pelo Instituto Federal do Ceará e mestra em Teoria, Criação e Mediação em Artes Plásticas pela Université de Mirrail, Toulouse, França. E-mail: medina.diana@gmail.com .

Referências

BACHERLARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BAUDELAIRE, Charles. Le peintre de la vie moderne, Paris: Mille et une nuit, 2010.

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante – por uma estética da globalização. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BRETON, André. Nadja, Paris: Livre de poche, 1972.

CARERI, Francesco. Caminhar e parar; tradução de Aurora Fornoni Bernadini. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.

DEBORD, G. Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

JACQUES, Paola JACQUES. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/7894

Apologia da deriva escritos situacionistas sobre a cidade. São Paulo: Casa da palavra, 2003.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processo de criação. Petrópolis: Editora Vozes, 1987

POE, Edgar Allan. O homem da multidão. São Paulo:Companhia das letras, 2017.

Publicado
2021-12-12