Sou preto, sou gay, sou pretoguês

a escrita de si como performance

Palavras-chave: Performance, escrita de si, performatividade

Resumo

Discute-se aqui a Performance como forma de pensamento e ao mesmo tempo descolonizá-la, enegrecendo-a. A partir da noção política de “escrita de si” podemos nos compreender enquanto corpo-território preto, que escreve sobre si e suas práticas artísticas e estéticas. A escrita de si, mais que uma enunciação ou discursividade, é um lugar de fala em que o preto tenta recuperar sua plena humanidade, através de atos potencialmente subversivos.



Biografia do Autor

Paulo Petronilio Correia, UNB

Paulo Petronilio Correia é Pós-Doutor em Performances Culturais. Doutor pela UFRGS. Mestre em Literatura pela UFSC, Mestre em Educação pela UFSC. Professor Adjunto IV de Filosofia na UnB. Professor do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UnB/PPGCEN.

Referências

BIKO, Stive. Escrevo o que eu quero. Diáspora Africana, 2017.

BUTLER. Judith. Corpos em aliança e a política de ruas: notas para uma teoria performativa de assembléia; Tradução de Fernanda Siqueira Miguens; revisão Técnica carla Rodrigues. - 1a ed.- Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre a Negritude; Carlos Moore (organização) - Belo Horizonte: Nandyala, 2010. 1987

COHEN, Renato. Performance como linguagem - São Paulo: Perspectiva, 2013.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e prática do teatro; tradução J. Guinsburg… [et al.].-1. ed.-São Paulo: Perspectiva, 2015.

GONZALEZ, Lélia. Primavera negra para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa…/ Lélia Gonzales. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

GROSFOGUEL, Ramón. La descolonización del conocimiento: diálogo crítico entre la visíon descolonial de Frantz Fanon y la sociologia descolonial de Boaventura de Sousa Santos. In: Formas-otras: Saber, nombrar, narrar, hacer. Barcelona: CIDOB Edicions, 2011.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra; tradução de Cátia Bocaiuva Maringolo. São paulo: Elefante, 2019.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura [ Tradução João Paulo Monteiro.- São Paulo: Perspectiva, 2012.

LANGDON, Esther Jean. Performance e sua diversidade como paradigma analítico: a contribuição da abordagem de Bauman e Briggs, In: Antropologia em primeira mão/ PPGAS/ UFSC, 1995.

LORDE, Audre. Sou sua irmã: escritos reunidos; organizado e apresentado por Djamila Ribeiro; Traduzido por Stephanie Borges. São paulo: Ubu Editora, 2020.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade. Algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BH: Autêntica, 2018.

MARTINS, Leda Maria. Performances do tempo espiralar, poéticas do corpo-tela.-1.ed.- Rio de Janeiro; Cobogó, 2021

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 1a. Impressão. 2a ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SANTOS, Boaventura. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

SANTOS, Boaventura. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2010.

SCHECHENER, Richard. What is Performance? In: Performance Studies: an introduction second edition. New York & Londres, 2006

SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro; [tradução e revisão Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida Amos].- São Paulo: Perspectiva, 2010.

TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e antiestrutura; Tradução de Nancy Campi de Castro e Ricardo A. Rosenbusch. 2 ed.- petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosaf Naif, 2014.

Publicado
2022-07-29
Como Citar
CORREIA, P. P. Sou preto, sou gay, sou pretoguês: a escrita de si como performance. Ephemera - Revista do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto, v. 5, n. 10, p. 97-119, 29 jul. 2022.