Sobre o chão colonial

próteses e Monstruosidade na performance-dança de Élle de Bernardini

Palavras-chave: Élle de Bernardini, performance arte, gênero, performance Latino-americana

Resumo

Este artigo apresenta uma análise da performance Dance with me (2018), da artista brasileira Élle de Bernardini a partir da ideia de prótese de gênero, presente na obra de Paul B. Preciado (2015) e das leituras da monstruosidade propostas por Jeffrey Jerome Cohen (2000). Tendo em perspectiva o arenoso território colonialista-transfóbico no qual a obra se insere, proponho que a identificação crítica da artista à monstruosidade problematiza o regime heterossexual que se instaura na modernidade como dispositivo de controle do corpo e da existência.

Biografia do Autor

Ronildo Nóbrega, IFRN / UFRN

Este artigo apresenta uma análise da performance Dance with me (2018), da artista brasileira Élle de Bernardini a partir da ideia de prótese de gênero, presente na obra de Paul B. Preciado (2015) e das leituras da monstruosidade propostas por Jeffrey Jerome Cohen (2000). Tendo em perspectiva o arenoso território colonialista-transfóbico no qual a obra se insere, proponho que a identificação crítica da artista à monstruosidade problematiza o regime heterossexual que se instaura na modernidade como dispositivo de controle do corpo e da existência.

Naira Neide Ciotti, UFRN

Naira Neide Ciotti é professora-performer. Performa desde 1994 na cena artística, entre suas obras, a mais conhecida foi a performance "Imanência", com curadoria de Renato Cohen, uma estadia de oito dias, realizada por oito performers, na Casa das Rosas, em São Paulo, 1997. Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como professora do curso de Teatro da UFRN, onde coordena o LABPerformance e o evento "Reperformar Afeto: professores-performers", encomendado pela CAPES PAEP, em 2017.

Referências

BABO, Maria Augusta. Do corpo protésico ao corpo híbrido. Revista de comunicação e linguagens: corpo, técnica, subjectividade, n. 33. Lisboa: Relógio d’água, 2004.

ARRENECHEA, Miguel Angel de. Nietzsche e o corpo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

BARDET, Marie. A filosofia da dança: um encontro entre dança e filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BITTENCOURT, Adriana. Imagens como acontecimento: dispositivos do corpo, dispositivos da dança. Salvador: Edufba, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CARLSON, Marvin. Performance: uma introdução crítica. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão entre fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tocam o real. Revista Pós, Belo Horizonte, n. 4, 2013.

FABIÃO, Eleonora. Programa performativo: corpo-em-experiência. Revista ILINX, São Paulo, n. 4, 2013.

FISCHER-LICHTE, Erika. The transformative power of performance: a new aesthetics. New York: Roudtledge, 2008.

GREINER, Christine; KATZ, Helena. Por uma teoria do corpomídia. In: GREINER, Christine. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. Coimbra: Annablume, 2004.

LEAL, Dodi. Luzvesti: iluminação cênica, corpomídia e desobediências de gênero. Salvador: Editora Devires, 2018.

PRECIADO, Paul B. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2015.

PRECIADO, Paul B. Transfeminismo. São Paulo: n-1 edições, 2015b.

PRECIADO, Paul B. Texto junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul B. Un apartamento en Urano: crónicas del cruce. Barcelona: Editora Anagrama, 2019.

RODRÍGUEZ, Claudia. Manifesto horrorista y otros escritos. São Paulo: JuanitaCartonera, 2015.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. São Paulo: Contraponto Editora, 2003.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

Publicado
2022-07-29
Como Citar
JÚNIOR FERREIRA NÓBREGA, R.; NEIDE CIOTTI, N. Sobre o chão colonial: próteses e Monstruosidade na performance-dança de Élle de Bernardini. Ephemera - Revista do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto, v. 5, n. 10, p. 82-96, 29 jul. 2022.